Tags: Obrigações | Ações |

Volatilidade dos fundos de acções Portugal desce em Abril


A volatilidade média, medida pelo desvio padrão e calculada num período de um ano, dos fundos de acções Portugal (incluindo os poupança acções) a 30 de Abril é de 21,89%, o que corresponde a diminuição de 0,03% relativamente a Março, segundo dados da Morningstar. Por outro lado, o índice português apresenta uma evolução em sentido contrário, aumentando o seu desvio padrão no período e registando-se, em Abril, uma volatilidade anualizada de 30%, de acordo com os indicadores de mercado de capitais divulgados mensalmente pela CMVM.

"Uma das razões para o aumento da volatilidade do PSI20 foi o rebalanceamento do índice em meados de Março, em que o peso do sector financeiro aumentou. Como o sector financeiro tende a ser dos mais voláteis no actual contexto de mercados, isso explica em parte a subida da volatilidade do índice", referiu Jorge Guimarães, responsável pela equipa de acções do Banif Gestão de Activos. Além disso, José Valente, gestor dos fundos na ESAF, referiu que "a volatilidade proveniente da intervenção no Chipre veio colocar questões face à forma como esta foi realizada, no entanto o caminho de maior integração europeia foi reiterado nas diversas reuniões do Banco Central Europeu, além da própria declaração de Mário Draghi, em que este sugeriu que a intervenção não terá sido bem conduzida”.

Os fundos de acções nacionais apresentaram um comportamento inverso ao índice, registando desvios padrão menores em Abril que em Março o que se poderá justificar pela diversificação da composição das carteiras relativamente ao PSI20 assim como a diferente alocação/ponderação feita às diferentes empresas.

“Desde o inicio do ano, que tínhamos a indicação que podíamos ter um ano positivo para o mercado português mas que esse não seria linear, assente em períodos de volatilidade e que essas poderiam ser oportunidades de realocação de exposição ou de 'asset allocation'", explica José Valente, gestor do fundo ES Portugal Acções.

Neste sentido e verificando os fundos que melhor aproveitaram essas oportunidades, destacam-se o ES Poupança Acções que apresenta, no final do mês de Abril, o segundo melhor retorno a um ano da categoria, 36,52%, com uma volatilidade abaixo da média, 21,88% e o Barclays FPA que regista a terceira melhor rendibilidade, em igual período, entre os fundos de acções Portugal com um desvio padrão, igualmente, abaixo da média, 21,80%.

No global, no mês passado, o fundo com menor volatilidade é o Caixagest Acções Portugal 20,59% com um retorno inferior de 22,28%, ligeiramente inferior à média da categoria. O fundo mais rentável da categoria (37,65%), Invest AR Médias Empresas Portugal apresenta uma volatilidade elevada (25,39%) embora esta tenha apresentado a maior redução entre Março e Abril (-0,07%).

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido