Tags: Negócio |

Valor de mercado cresceu mais de 3% desde do início do ano


Uma alternativa aos fundos de investimento vendidos pelas gestoras locais é o investimento em Certificados de Reforma. No documento oficial com as informações sobre o produto poder ler-se que este fundo se destina “à concretização dos objetivos do Regime Público de Capitalização e contém duas carteiras autónomas, sendo a carteira da fase de acumulação destinada à maximização do valor capitalizado das contribuições dos aderentes”. No mesmo documento, pode ler-se que em termos de alocação, a Dívida Pública terá de ser, pelo menos, 50% da carteira, com a Dívida Privada a não poder exceder os 40%. Relativamente às ações, estas podem estar representadas, num máximo de 25% da carteira.

Os primeiros seis meses do ano têm seguido a linha de 2015, ou seja, em caminho ascendente no que toca ao valor de mercado. De acordo com a informação disponibilizada pela Segurança Social, nos primeiros seis meses do ano assistimos a um aumento superior a 3,3%, para um valor total de 38,1 milhões de euros. Em termos monetários, o incremento entre janeiro e junho foi superior a 1,2 milhões de euros.

Evolução do valor de mercado em 2016

Certificados_de_REforma_6M_2016

Fonte: Segurança Social

Valorização superior a 3%

Se analisamos a valorização média anual nos últimos três anos, verificamos que a rendibilidade é de 3,16%. Já nos últimos doze meses é mais modesta, na ordem dos 1,63%. Realce-se o facto destes valores serem calculados com a “taxa interna de rentabilidade anual de entregas mensais constantes, respeitando as datas de subscrição no período indicado“.

Poucas alterações na alocação dos ativos

Em termos de alocação de ativos, entre janeiro e junho as alterações são mínimas. A Dívida Pública dos países que fazem parte da OCDE, excluindo Portugal, continuam a dominar a carteira com uma representação de 55%. A Dívida Pública portuguesa representa um quarto da carteira, com as ações a terem uma presença de 18% no portefólio. Relativamente à liquidez, esta continua residual, com um valor inferior a 1%.

 

Notícias relacionadas

O Mais Lido