Tags: Gestores |

Valor das carteiras sob gestão discricionária sobe 0,6% em fevereiro


Segundo a APFIPP, em fevereiro,  o valor das carteiras sob gestão discricionária atingiu os 59 657,3 milhões de euros o que revela um crescimento de 0,6% face ao primeiro mês do ano. Desde o começo de 2019, os activos sob gestão cresceram 2,1% e desde fevereiro de 2018 que se tem vindo a registar um crescimento de 2,6% nos montantes geridos.

Gestoras

Quanto às sociedades gestoras, a APFIPP revela que a Bankinter Gestão de Ativos foi a entidade que mais cresceu em termos percentuais. Em valores absolutos quem se destacou foi a BMO Portugal com um crescimento de 1,2%.

Desde o início de 2019 que, em termos percentuais, a gestora que regista o maior aumento percentual dos activos geridos é a Dunas Capital - Gestão de Activos com 11,9% (1,4 milhões de euros). A Caixagest alcançou o maior crescimento em valores absolutos com 507,4 milhões de euros (2,3%), além disso, é também a entidade com maior volume de activos sob gestão com 23 034,6 milhões de euros e uma quota de 38,6%.

Clientes

Relativamente à residência e à categoria dos Clientes, a APFIPP revela que 98,1% dos activos geridos dizem respeito a investidores residentes em Portugal e que são as Seguradoras quem detém o maior volume de activos sob gestão (64,4% do total), seguidas pelos Fundos de Pensões (20,4% do total) e por Outros Investidores (11,6% do total).

Classes de Ativos

De acordo com o regulador, no segundo mês do ano, a classe de ativos com mais peso nas carteiras de Gestão de Património, era a da Dívida Pública, com 43,9%, seguida das Obrigações Diversas, com 24,8%. A classe de ativos “Liquidez e Outros” foi a que ganhou maior quota em comparação com as demais e registou um aumento de importância relativa de 1,7%. Esta classe de ativos também é a que demonstra o maior aumento do peso na estrutura das carteiras de Gestão de Patrimónios, subindo de 10,4% para 13,7%.

Moedas dos Ativos

A APFIPP menciona ainda que no mês em análise 92,5% dos activos detidos nas carteiras de Gestão de Patrimónios eram denominados em Euro, enquanto que 6,3% eram denominados em Dólar dos Estados Unidos e 0,8% em Dólar de Hong Kong.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido