Tags: Custódia | Negócio |

Valor das carteiras sob gestão discricionária cresce 2,1% em 2018


Apesar de estarmos já em 2019, continuamos a olhar para o ano de 2018 para percebermos em que contexto terminaram os diferentes segmentos da gestão de ativos em Portugal. Desta feita, olhamos para o segmento de gestão de patrimónios, cujo valor das carteiras em dezembro registou um decréscimo de 0,3%. De facto, de acordo com os dados publicados pela Associação de Fundos de Investimento, Pensões e Património, o montante caiu para 58.412,1 milhões de euros, menos 169,2 milhões de euros quando comparado com o mês de novembro.

Captura_de_ecra__2019-02-11__a_s_17

Fonte: APFIPP, dezembro de 2018

Não obstante, olhando para o prazo mais alargado verificamos que este apresenta um quadro mais positivo, tendo-se verificado um crescimento de 2,1% nos ativos sob gestão desde o início do ano.

Investimento em UP’s de fundos monetários estrangeiros sobe

O mês de dezembro trouxe, por outro lado, algumas alterações no que diz respeito às aplicações das carteiras das sociedades gestoras de patrimónios. Do lado do investimento direto em ações, fruto das correções agressivas que se deram nos mercados, verificou-se uma queda de 5,98% no montante global, com o valor aplicado em ações americanas e em ações europeias (ex. ações nacionais) a registar um decréscimo de 11,84% e 8,22%, respetivamente. 

Já o montante aplicado em dívida pública registou um aumento, tendo o investimento em dívida pública denominada em dólares subido de 74,46 milhões de euros para 103,76 milhões de euros. Não obstante, o investimento em dívida pública denominada em euros manteve-se enquanto rubrica mais preponderante, representando 45,64% do montante global aplicado em dívida pública.

Quanto ao montante aplicado em unidades de participação de fundos de investimento mobiliário, verificou-se um decréscimo do lado do investimento em quase todas as categorias de fundos nacionais, com a exceção da categoria de outros fundos, que viu o montante aplicado subir 13,30%. Do lado do investimento em UP’s de fundos estrangeiros, verificou-se uma tendência semelhante, embora o crescimento do montante aplicado se tenha verificado ao nível das UP’s de fundos monetários estrangeiros, cujo valor subiu de cerca de 112,06 milhões de euros para mais de 181 milhões de euros.

Nota, ainda, para o aumento do valor aplicado em liquidez e outros ativos, que registou um acréscimo de 524,03 milhões de euros (aumento de 10,23%).

Captura_de_ecra__2019-02-11__a_s_17

Fonte: APFIPP, dezembro de 2018

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente