Tags: Negócio | Ações |

Uma crise global, mas desigual na indústria: como é que a correção impactou os ativos em fundos nos diferentes países


No primeiro trimestre de 2020, os ativos em fundos de investimento abertos diminuíram 10,8%, no valor de 47,1 bilhões de euros, de acordo com os dados mais recentes publicados pela EFAMA. Mas esta queda responde principalmente às perdas causadas pela forte correção do mercado no final de fevereiro e início de março. Neste mesmo período o fluxo líquido de capital para fundos a nível mundial foi de 617.000 milhões de euros. Uma ligeira queda em relação aos 808.000 milhões registados no fim de 2019, mas positiva.

Embora tenha sido uma crise global, a verdade é que o impacto não aconteceu por igual se analisarmos as sete maiores regiões. Curiosamente, os ativos em algumas regiões emergentes resistiram melhor em termos percentuais. Como se pode observar nos dois gráficos seguintes, medidos na sua moeda local, a maior queda trimestral (em %) nos ativos dos fundos ocorreu nos EUA (-12,6%), na Europa (-11,7%) e no Canadá (-10,5). A China viu até os ativos dos seus fundos crescerem 13,3%. Vale recordar que os ativos chineses resistiram melhor à correção trimestral.

rupia internacional estrangeiro investimento india wealth patrimonios

rupia internacional estrangeiro investimento india wealth patrimonios

Nos seis casos com queda de ativos, a maior variação negativa aconteceu nos fundos de ações. Provavelmente causada pela correção nas bolsas no primeiro trimestre. O contrário aconteceu, novamente, na China. Os seus ativos em fundos de ações cresceram 8,4% em moeda local. Os monetários foram uma categoria de forte crescimento na maioria das regiões, exceto no Japão.

Em relação aos domicílios, a imagem do trimestre é estável. Os EUA e a Europa representam os dois maiores mercados de distribuição: 47,9% e 32,2%, respetivamente. Em terceiro lugar, muito atrás dessa quota de mercado está a China, com 4,1%. Mesmo se detalharmos os números para a Europa, o seu peso no mercado permanece alto. Cinco países europeus estão entre os 10 maiores domicílios de fundos. Destes, não surpreende que o Luxemburgo seja o maior, com uma quota de 8,8%. A Irlanda também é relevante, com 5,8%, assim como os 4,6% que representam os fundos domiciliados na Alemanha.

rupia internacional estrangeiro investimento india wealth patrimonios

O Mais Lido