Um par de reflexões sobre o Japão que pode ajudar a ver o país de outra perspectiva


No Japão, a incidência de COVID-19 está a ser muito baixa, a julgar pelas estatísticas oficiais. Um dos fatores que poderiam explicar essa baixa incidência é que os japoneses são muito bons a manter a distância social. As pessoas não apertam as mãos e usam uma máscara regularmente, principalmente se estiverem doentes. Assim, como sociedade, foram capazes de lidar com a pandemia sem um severo confinamento. De fato, não foi um grande problema para esta sociedade.

Ao longo dos anos, Christophe Braun, diretor de investimentos do Capital Group e gestor de um fundo de ações japonesas desenvolveu algumas ideias sobre o Japão.

“A primeira é que os japoneses são muito inovadores, mas não muito criativos, não muito bons em pensamento abstrato, o que tem um lado positivo: são muito bons em inovação; pegam algo que já existe e o melhoram. Estão neste país estão as empresas mais inovadoras do mundo. O negativo é que, por não serem muito bons em pensamento abstrato, não são muito bons em finanças, então as suas políticas económicas e financeiras não são muito positivas, por exemplo, o imposto sobre o consumo", afirma.

Nesse contexto, a sua visão das perspetivas económicas do Japão para os próximos 10, 15 ou 20 anos é diferente do consenso.

“Primeiro, deve considerar o nível de inovação e robotização nas suas fábricas. Um alto nível de emprego humano é cada vez menos necessário. E isso é muito importante num mundo onde 7,1 mil milhões de pessoas vivem e podem chegar a 10 mil milhões em 2050. Tradicionalmente, a agricultura e a indústria forneciam emprego a uma grande parte da população, mas com a automação isso significa que muitos jovens podem não ter trabalho. Portanto, muitos países emergentes perderão a vantagem da grande percentagem da população jovem, que se pode tornar um fardo. ”

Paradoxalmente, o Japão está muito bem preparado para esta conjuntura. “A partir de agora, com a automação da indústria, não ter uma população crescente em idade ativa pode ser uma vantagem para o país. Por outro lado, espero que mais fábricas decidam retornar ao Japão, porque não será mais necessário ir ao exterior para buscar custos mais baixos de mão de obra, para que a economia japonesa será altamente apoiada por esses fatores, até certo ponto”.

O que, na sua opinião, torna o Japão interessante é que está relativamente bem posicionado para enfrentar o mundo que está por vir. “Houve uma transição do mundo analógico para o mundo digital, mas a tecnologia está a acelerar essa tendência na indústria, que mudará nos próximos 10 anos devido à expansão da robótica, dos sensores e ao impacto da nuvem. Os japoneses são hábeis a fabricar produtos com precisão, devido à atenção aos detalhes e à decisão dos seus trabalhadores de se concentrar numa área por anos ou décadas. Estão bem posicionados para criar parte da infraestrutura necessária para enfrentar o mundo mais digital para o qual estamos a caminhar. ”

Segundo Braun, isso também ocorre porque o Japão é uma ilha com poucos recursos, por isso são muito eficientes e altamente focados na produtividade. "Todas as tecnologias necessárias para melhorar a eficiência energética serão importantes num mundo que está a caminho de ser povoado por 10 mil milhões de pessoas".

Já no que toca a indústria de videojogos, os japoneses são muito bons. A sua interpretação, depois de anos a viver no Japão, é que é um país muito populado, onde o espaço vital é muito pequeno. “Neste ambiente, precisam de várias formas de entretenimento, e os jogos de vídeo são uma boa maneira de sair do seu pequeno espaço físico e entrar num espaço maior, virtual. Além disso, a interação nos jogos está a melhorar. Alguns dias atrás, conversei com uma empresa coreana que diz que será capaz de reunir 2.000 jogadores num único jogo. O Fornite pode reunir até 50 jogadores, neste momento. E o Japão tem hoje em dia bastantes boas empresas de jogos, não apenas a Nintendo. "

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido

Próximos eventos