"Um fundo que não se vê como dono de ações, mas como sócio"


(Francisco Louro, selecionador da Lynx Asset Managers escreve hoje para o espaço "Um fundo porque sim". O fundo escolhido é o Aberdeen Global – North American Smaller Companies Fund, gerido pela Aberdeen, tratando-se de fundo Consistente Funds People)

Este é um fundo de ações norte-americanas, que se concentra principalmente em empresas de capitalização de mercado pequena. Este fundo é gerido pelo Ralph Bassett, que se juntou a Aberdeen há dez anos. A equipa reúne um total de 13 profissionais. Acreditamos que este fundo acrescenta “alfa” à nossa alocação em ações na América do Norte, pelas suas características, pois tenta encontrar histórias de qualidade que não estão na ordem do dia e passam despercebidas.

A estratégia de seleção de empresas é “bottom-up”, ou seja cada empresa é selecionada independentemente do ciclo macro económico mas exclusivamente através dos seus fundamentais. O portfólio é concentrado entre 40 a 60 empresas e apesar desta concentração o fundo tem obtido um nível de volatilidade inferior ao seu benchmark (Russel 2000). Veem-se, não como meros investidores de uma empresa, mas adotam uma postura de “donos” das empresas, logo os investimentos são feitos para o longo prazo.

Esta filosofia implica que os gestores dediquem grande parte do seu tempo em visitas e contactos com a gestão das empresas em que investem, como nas em que estão interessados. Vender, comprar e manter não são as únicas opções, auxiliar as empresas em causa é uma quarta via. Este fundo é um acionista ativo (não ativista), que vota sempre nas assembleias gerais. Para além das assembleias e apresentações de resultados a equipa visita em média as empresas três vezes por ano.

Esta maneira de estar não prende o fundo a um estilo de investimento (Value ou Growth). O corporate governance é fundamental para a escolha de cada ação, mais do que gestores que tenham uma política favorável aos acionistas, o fundo procura gestores que oiçam os acionistas.

Estamos investidos neste fundo desde janeiro deste ano. O que nos atraiu, para além dos dados mais óbvios como a performance, sharpe ratio, volatilidade etc. foi esta postura “hands-on” que a equipa de gestão do fundo adota.

Empresas

Notícias relacionadas