Tags: Obrigações |

Tudo o que precisa de saber para poder manter uma conversa sobre Blockchain sem ter medo de errar


Ultimamente não se fala de outra coisa. O Blockchain está na boca do mundo. Algumas vozes situam o potencial deste novo registo de transações para a indústria ao mesmo nível da internet na altura que surgiu… Mas sabemos realmente o que é Blockchain? Uma análise realizada pela Schroders acerca de Blockchain explica de forma didática o que é e as causas pelas quais irá revolucionar o negócio dos fundos de investimento.

  1. O que é na verdade Blockchain?

O princípio fundamental de Blockchain é a contabilidade descentralizada, através da qual os participantes na rede aprovam, validam e registam as transações, em vez da responsabilidade recair numa única entidade, como um banco ou administrador. Os participantes na rede, também conhecidos como mineiros (“miners”), confirmam e encerram coletivamente as entradas, o que proíbe as alterações não aprovadas nos registos.

Tal como o seu nome sugere, os dados da transação armazenam-se em blocos ou segmentos de dados. Os blocos são uma série de registos de transações que se validam numa remessa, e que depois se encadeiam ou ligam-se com outras transações aprovadas. Os blocos armazenam, registam e encerram as transações e, seguidamente, registam-nas no Blockchain global. À medida que o número de ativos ou transações cresce numa rede comercial, o nível de confiança nos registos contabilísticos aumenta. Os ativos aos quais se pode seguir o rasto utilizando esta tecnologia, incluem ativos materiais como casas, carros e terrenos, ou ativos intangíveis como patentes, direitos de autor e marcas.

Uma característica desestabilizadora de Blockchain é que a tecnologia facilita as transferências entre semelhantes (“peer-to-peer”) ou transações sem intermediários como um banco ou um órgão de administração. Ao contrário do modelo de transação atual baseado num intermediário, a tecnologia do Blockchain requere uma validação através do consenso entre os miners. Normalmente, é conhecido como protocolo de consenso. Os miners devem aplicar uma capacidade importante informática para validar e sincronizar a base de dados em tempo real criptograficamente e, em troca, ganham comissões ou “tokens” do Blockchain subjacente.

  1. Quais são as cinco qualidades de Blockchain?

- Registo contabilístico partilhado: o registo contabilístico partilha-se; não é propriedade nem está sob o controlo de uma única entidade. A antiguidade, veracidade e segurança de um registo contabilístico partilhado não depende de uma única entidade. Em vez disso, um registo contabilístico ou base de dados partilhados requer o consenso público dos participantes.

- Segurança e privacidade: a segurança mantém-se através do consenso na rede e a sincronização continua com as transações verificadas anteriormente. Os valores do Blockchain, em forma de “tokens”, são alocados às carteiras eletrónicas dos participantes na rede. A carteira na rede tem um identificador único e é atualizado de acordo com as novas transações. Embora as transações e as direções eletrónicas da carteira estejam disponíveis publicamente, os nomes e dados do proprietário correspondentes continuam a ser privados, a menos que a carteira exista numa partilha regulada que estabeleça procedimentos de conhecimento do cliente (“know-your-customer”).

  - Transparência e auditoria: o conceito de um registo contabilístico aberto ou partilhado permite aos participantes validar as transações e verificar a propriedade sem intermediários. Simultaneamente, as transações encerram e verificam em tempo real sem a necessidade de fiscalização de terceiros.

- Algoritmo de consenso: através do uso de algoritmos de consenso, todos os participantes na rede devem concordar que uma transição é válida. As transações que não cumprem o protocolo de consenso são rejeitadas como transações não válidas.

- Flexibilidade: para além da contabilidade das transações e o valor, os “tokens” do Blockchain podem incluir regras personalizadas como os termos e condições de um contrato. Por exemplo, um “token”de “contrato de arrendamento inteligente” inclui informação sobre as condições de arrendamento, como o início, resolução e recuperação. Uma vez que se podem incorporar protocolos e regras comerciais na rede, as redes do Blockchain podem adaptar-se e evoluir para aceitar uma grande variedade de atividades.

3. Quais são os benefícios de Blockchain?

- Liquidação de transações mais rápidas: os intermediários atuais de transferências, como bancos e sociedade fiduciárias, pode demorar dias ou até semanas para confirmar, verificar e indemnizar transações e alterações na propriedade.

- Menos custos: a verificação entre semelhantes elimina os custos relacionados com a supervisão da auditoria e duplicação de registos.

- Segurança melhorada: os protocolos de consenso e a arquitetura distribuída do Blockchain impedem a manipulação. Conforme a cadeia cresce, mais segura é.

- Auditoria melhorada: um registo contabilístico partilhado serve como um único livro de registos aberto para controlar e auditar as transações. Cada bloco de informação contém uma assinatura digital denominada de “hash” (resumo criptográfico). Um “hash” está fechado e ligado às transações recentes e ao “hash” do bloco anterior. Uma agência de confiança credível emite um “hash”, conhecida de outra forma como mineiro. Os mineiros alocam-se aos blocos para validar e proporcionar informação de identificação para prova de falsificações.

Uma vez que o “hash” do bloco anterior está vinculado ao seguinte bloco novo, impede que os blocos sejam modificados ou que se acrescente um bloco entre dois blocos existentes. Conforme se acrescenta um bloco posterior, os requisitos de verificação do bloco anterior aumentam, e por isso, reforça a segurança de todo o Blockchain. Conforme o registo contabilístico cresce, mais seguro é contra as falsificações.

  1. Quão revolucionário Blockchain pode ser para a indústria?

Perante o crescimento explosivo do comércio eletrónico, a banca online e a proliferação de transações através do telemóvel a nível mundial, as empresas necessitam de redes para processar as transações que sejam rápidas, seguras, transparentes e eficazes. Apesar do progresso na tecnologia, nas bases de dados e redes tradicionais, as funções de auditoria e registo continuam a ser dispendiosas, ineficazes e vulneráveis aos erros de segurança.

As transações no comércio tradicional são cada vez mais caras e têm uma complexidade maior. As comissões de cada intermediário novo pelos seus serviços e a transação originam mais gastos de gestão. Por exemplo, no setor dos seguros, existem gastos de gestão associados à subscrição de apólices, assim como custos relacionados com sinistros. As camadas de custos destas funções podem ser reduzir-se ou eliminar-se mediante um contrato inteligente baseado no Blockchain.

As ineficiências no contexto comercial atual surgem, muitas vezes, devido à duplicação. Por exemplo, na documentação de empréstimos ou a negociação de obrigações, várias partes fazem um acompanhamento da documentação, a propriedade e a negociação. Este tipo de trabalho duplicado pode ser reduzido com uma solução do Blockchain que requer de forma inerente que todas as versões da base de dados se sincronizem.

A centralização das bases de dados tradicionais tem mais riscos de forma intrínseca do que um registo contabilístico partilhado. Com um sistema de controlo centralizado, um só ponto fraco (se estiver ameaçado) pode colocar em risco toda a rede comercial. Portanto, o Blockchain descentralizado pode aumentar a segurança das transações e a contabilidade de forma significativa.

  1. Que futuro tem o Blockchain?

Embora historicamente as aplicações do Blockchain se tenham limitado às criptomoedas (de início, utilizadas principalmente para realizar pagamentos de dark webs ilegais), acreditamos que a tecnologia do Blockchain em si revolucionará os pagamentos e a contabilidade de ativos legítimos.

Da mesma forma que a Internet, prevemos que irá transformar os setores que beneficiaram da falta de transparência no comércio. O Blockchain tem o potencial para reduzir os custos de transações e contabilidade, melhorar a segurança e aumentar a eficiência e eficácia das transações comerciais e pessoais. Simultaneamente, uma consequência do êxito do Blockchain é a desintermediação daqueles intermediários que atualmente se baseiam nas ineficiências como parte do seu modelo de negócio.

Haverá setores desde a saúde até ao de propriedade intelectual que beneficiem, mas os setores bancários e a intermediação financeira podem ver-se transformados pela implantação das redes do Blockchain. Embora esta transformação ofereça oportunidades para os participantes atuais e novos, esta tecnologia representa uma ameaça para o status quo. Os participantes atuais devem estar dispostos a adaptarem-se e receber a nova tecnologia, para além de superar os obstáculos derivados do processo de adaptação.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido