Tags: ISR | Europa | EUA |

Três razões que explicam porque se investe mais com critérios ESG na Europa do que nos EUA


Segundo o último Relatório Global sobre Investimentos Sustentáveis que a Global Sustainable Investment Alliance publica a cada dois anos, os ativos geridos sob estratégias de investimento socialmente responsáveis alcançam já os 30,7 biliões de dólares americanos, o que representa um crescimento de 34% em média nos cinco grandes mercados (Europa, EUA, Japão, Austrália e Canadá). Não obstante, o grosso desses ativos continua a estar na Europa onde se concentra 50% de todo o património em fundos geridos com critérios responsáveis. Vários especialistas explicam as razões que estão por trás desta forte divergência que há entre a Europa e os EUA no momento de abordar o investimento com critérios socialmente responsáveis.

1. Individualismo vs coletivismo

“A primeira razão é por um motivo antropológico já que em geral a sociedade americana é mais individualista e a europeia é mais coletiva, pelo que há uma maior coincidência social. Além disso, na Europa os populismos desenvolveram-se mais e as empresas tomaram consciência disso, desenvolveu-se um capitalismo consciente”, afirma Ana Guzmán, Diretora de Impacto da Portocolom Asesores EAF.

Essa diferença social não é algo que se preveja que vá mudar nos próximos anos. De facto, segundo explica François Millet, responsável de ETF, Inovação e ESG da Lyxor ETF, “a Europa continuará a ser líder em ISR por motivos culturais. É verdade que muitas empresas americanas grandes estão a desenvolver iniciativas a este respeito, mas a realidade é que muito dinheiro investido em ISR nos EUA vem dos investidores europeus”. O último inquérito a investidores de grandes patrimónios levada a cabo pela UBS apoia essas diferenças já que os investidores dos EUA não só são os que menos investem nesta megatendência, mas também os que menos interesse têm no investimento responsável (só 70% do total face aos 86% de média global).

838c554c8b2ad349

2. A importância da regulação

Ainda que segundo recorda María Folqué, analista da Funds People e especialista em ISR, “o ISR na realidade surgiu nos EUA no ano de 1971 com muitas gestoras que não queriam investir em nada ligado à guerra do Vietnam”, o seu boom esteve mais ligado ao desenvolvimento regulatório do que a qualquer outra coisa. “É preciso recordar que foi na Europa, após os primeiros acordos internacionais sobre a matéria, que a França criou uma nova regulação sobre o investimento responsável e que todas as gestoras começaram a trabalhar nisso. Este impulso da França e a tradição neste tipo de matérias dos países nórdicos foi o que impulsionou o investimento com critérios ESG na Europa”, afirma Folqué.

Enquanto essa regulação vai aumentando na Europa com a implementação da tão procurada taxonomia, nos EUA continua a estar estancada. Não só porque, segundo recordam na NN Investment Partners, “o mercado americano manteve durante muito tempo a crença de que a integração de ESG violava o dever fiduciário dos administradores de ativos”, mas também porque a atual Administração de Donald Trump não inclui o investimento responsável na sua lista de prioridades, pelo contrário.

“O governo de Trump é muito pouco sensível e não favorece o ISR. Os Estados Unidos foram o único país a retirar-se do emblemático acordo de Paris onde todos os países assinaram e comprometeram-se a tomar medidas para reduzir os gases de efeito estufa. “Não acredito”, aponta Elena Armengot, diretora de vendas da BNP Paribas AM, sobre as palavras de Trump relativas às mudanças climáticas

3. Mais gestão passiva que ativa

Apesar das duas razões anteriores serem as que explicam em quase 90% porque é que a Europa dá mais importância ao investimento responsável que os EUA, existe uma terceira causa que também pode ter influenciado o facto dos EUA terem ficado para trás nesta questão: a diferente composição por tipo de investimento da indústria. Enquanto na Europa apenas 14% dos ativos estão nas mãos de gestoras passivas, nos EUA esse número já alcançou os 50%, segundo dados da Morningstar. “É certo que este tipo de indústria começa a mostrar mais interesse, mas não de uma forma tão proactiva como as gestoras ativas que contam com o proxy voting”, aponta Guzmán.

Não obstante, neste sentido estão a ver-se mudanças que apontam para uma maior implicação da gestão passiva no investimento com critérios ESG. “Atualmente estamos a ver mais e mais soluções de investimento passivas ou semi-passivas que integram fatores de sustentabilidade”, afirmam da NN Investment Partners. E os números demonstram-nos já que, segundo dados da Morningstar, os 37 novos fundos americanos com critérios responsáveis que se lançaram em 2018, 18 foram ETF, enquanto recorda que nos últimos três anos  lançaram-se os mesmos ETF que fundos com critérios sustentáveis.

E não só se está a ver um auge na oferta de produto mas também na procura, cada vez são mais os grandes investidores como os planos de pensões e empresas que têm em conta estes critérios no momento de selecionar a sua carteira de investimentos. “Acreditamos firmemente que o investimentos ESG se generalizará a nível global. Isto deve-se a uma mudança massiva do papel das empresas a respeito da sociedade. Estamos a chegar ao fim de um ciclo a longo prazo baseado na doutrina Milton Friedman. As empresas são muito mais poderosas do que no passado e certas responsabilidades estão associadas a esta nova situação”, aponta Frederic Samama, Diretor de Investimento Responsável da Amundi.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido

Próximos eventos