TINA, o acrónimo de Margaret Thatcher que explica o momento atual nos mercados


Na década de oitenta, a primeira-ministra britânica, Margaret Thatcher, popularizou o conceito TINA (There Is No Alternative) para entender o livre mercado e capitalismo como necessários e indiscutíveis. Agora o Acrónimo renasce para explicar o fenómeno atual nos mercados: num pico de pessimismo investidor as ações continuaram a subir em força. Agora são os próprios mercados que se movem num mundo TINA.

Howard Marks fez referência a isto no seu último memorando. “Muitos investidores não aceitam voluntariamente yields negativas. Isso torna os ativos de risco mais apetecíveis, embora prometam retornos historicamente baixos”, explica. Ou seja, a aversão ao risco é interpretada como desaconselhável. Como se não houvesse alternativa a não ser investir em ativos de risco.

Não acredita que assim é? Marks propõe o exemplo de uma emissão recente do governo italiano: 3.000 milhões de euros em títulos italianos com vencimento em 2067 foram subscritos seis vezes. E ofereceram um retorno substancial... 2,877%. O que teria causado risos há apenas cinco anos agora parece ser uma grande oportunidade, considerando que os títulos alemães a 10 anos garantem-lhe que perderá 0,37%.

Para o conceito de TINA, do Bank of America Merrill Lynch, adiciona outro: TINE (There IS No Euphoria). Em setembro, os fluxos para os fundos de ações europeus viram 74 dos 77 em negativos. Gilles Prince, CIO de Edmond de Rothschild na Suíça, também o observa: "Cada correção levou a um rápido retorno aos níveis mais altos, que, no entanto, têm grandes dificuldades para serem superados de maneira sustentável".

E não será questão de um ano ou dois. As previsões da J.P.Morgan AM são apenas um exemplo de muitas das baixas expectativas que os gestores esperam para a próxima década. Nem mesmo o património dos mercados emergentes fornecerá um retorno anualizado de 10% e a maior parte das obrigações não alcançarão os 5%.

-

Empresas

Notícias relacionadas