Templeton Global Total Return Fund: Recursos e experiência


A entidade gestora Franklin Templeton disponibilizou a seguinte informação acerca do fundo Templeton Global Total Return Fund, classificado com o selo Blockbuster pela Funds People:

Templeton Global Total Return Fund

1. Breve descrição do fundo

O FTIF – Templeton Global Total Return Fund pretende maximizar o retorno de investimento total que consiste numa combinação de rendimentos de juro, valorização de capital e rendimentos cambiais ao investir principalmente num portfolio de obrigações e/ou títulos de dívida de taxa variável e obrigações de dívida emitidas por emissores governamentais e relacionados com o governo ou entidades corporativas a nível global. O fundo pode investir em investment grade e em títulos de dívida que não são investment grade. O fundo também pode usar várias transações relacionadas com moedas e outras, envolvendo instrumentos derivativos.

2. Principais diferenças face a produtos semelhantes no mercado

Uma verdadeira plataforma de research global

Os investidores nas estratégias Templeton Global Macro beneficiam de recursos e experiência de um dos maiores e bem estabelecidos grupos de obrigações globais da indústria. Oferecemos as melhores ideias de todo o mundo, usando os conhecimentos dos gestores de carteiras, researchers de países e macroeconómicos globais, analistas quantitativos e traders. A Templeton Global Macro realiza uma pesquisa exaustiva e no terreno em países nos quais investe, e encontra-se regularmente com os responsáveis do banco central, os formuladores de políticas governamentais e líderes de negócios locais para avaliar perspetivas económicas, fundamentais e tendências de mercado. Além disso, o grupo tira partido da diversidade das capacidades de obrigações globais da Franklin Templeton, especialmente, o conhecimento das equipas de Gestão de Ativos Locais em todo o mundo. Esta estrutura permite à Templeton Global Macro ganhar uma perspetiva realmente global da interação entre as economias globais e os mercados de obrigações do mundo.

Uma perspetiva global unconstrained

A estratégia é gerida ativamente e é agnóstica ao benchmark. Isto fornece um acesso sem restrições para um vasto universo de possíveis investimentos nos mercados de divisas e obrigações globais. A Templeton Global Macro utiliza a sua pesquisa exaustiva para prever mudanças previstas nas taxas de juro, taxas de câmbio, e spreads de crédito (prémios yields) em mercados obrigacionistas globais.

Um processo de elevada qualidade

A estratégia tem um track record estabelecido em vários contextos de mercado e ofereceu retornos relativos e absolutos ajustados ao risco ao longo do tempo. O nosso processo de investimento assenta em várias lentes de research – análise profunda dos países, modelagem macroeconómica, e perspetiva local. Esta compreensão profunda da economia global e dos mercados de obrigações globais permite-nos identificar desequilíbrios económicos e uma interpretação de má avaliação de preços. Apenas as oportunidades nas quais temos uma elevada convicção são incluídas nas carteiras, que são construídas para capturar riscos específicos que esperamos que sejam recompensados.

3. Objetivo de investimento

O objetivo da estratégia Global Multisector Plus é maximizar retornos de investimento totais de uma combinação de rendimentos de juro, valorização de capital e rendimentos cambiais. A estratégia é gerida com uma abordagem agnóstica ao benchmark, que se foca na volatilidade geral e possível retorno total, em vez de tracking error contra um índice. A estratégia investe principalmente em dívida corporativa, relacionadas com o governo e de governo de emissores situados em todo o mundo, incluindo mercados emergentes. Os investimentos podem ser denominados em qualquer moeda.

A estratégia não tem uma meta de performance relativamente ao benchmark, no entanto, procura maximizar o retorno total – rendimento corrente e valorização de capital – sujeito à volatilidade esperada, em todas as condições de mercado.

4. Restrições de investimento

Qualidade de emissores

Sob condições normais de mercado, até 50% dos ativos líquidos totais na altura do investimento podem ser investidos em títulos tanto classificadas com investment grade ou não, ou não classificadas por várias agências de rating de crédito.

Geográficas

Não há limites nem restrições na capacidade da estratégia para investir em qualquer região geográfica. O grupo Templeton Global Macro combina análises fundamentais, modelos econométricos e research local para determinar ponderações de países ideais. Se não virem valor nas obrigações de um país, a estratégia não irá ter exposição a esse país. As ponderações de países são sistematicamente ajustadas em antecipação de mudanças de taxas de juro em mercados desenvolvidos e spreads de curva de yield de obrigações de mercados emergentes.

Setoriais

A estratégia investe principalmente em obrigações corporativas, relacionadas com o governo e governamentais. Não há restrições nem limites setoriais prescritos. A alocação setorial é determinada principalmente pelas nossas perspetivas da atratividade relativa dos spreads de crédito soberanos e corporativos de cada país.

Um portfolio normal da Templeton Global Multisector Plus não pode investir mais do que 25% dos seus ativos líquidos em títulos de emissores em nenhuma indústria (sem ser títulos emitidos ou garantidos pelo governo norte-americano).

5. Intervalo de duração

O grupo Templeton Global Macro tem uma abordagem ativa à gestão da duração e posiciona continuamente a estratégia para tirar o maior partido das ideias geradas pelas perspetivas únicas das equipas de obrigações regionais. A estratégia de gestão de duração pretende isolar exposições o mais precisamente possível e alavanca a cobertura de áreas fora dos mercados de obrigações tradicionais.

O fundo pode ter uma exposição de duração negativa num país, mas normalmente, não irá ter uma duração negativa para a estratégia.

6. Benchmark e tracking error

Benchmark

O benchmark principal para a estratégia é o Bloomberg Barclays Multiverse Index. Este índice é usado para fins comparativos em vez da construção de carteiras. Focamo-nos principalmente em gerir a volatilidade geral e possíveis retornos totais, em vez de tracking error contra um benchmark. Este índice foi escolhido, já que é largamente indicativo do universo de investimento do Global Multisector Plus e inclui uma vasta gama de setores, qualidade, maturidades e países em todas as moedas elegíveis.

Tracking error

O Templeton Global Multisector Plus não implementa uma política de tracking error específica, focando-se, em vez disso, na volatilidade esperada geral e possível retorno total. Embora os portfolios sejam construídos sem pensar nas posições de benchmark, reconhecemos que a estratégia será comparada ao benchmark para fins de medidas de risco e de performance. Em geral, o tracking error de carteira anualizado versus o Barclays Multiverse Index é esperado variar entre os 4% e 7%, livre de fees, durante um ciclo de mercado completo. O tracking error pode variar durante o tempo, dependendo das condições de mercado e ineficiências interpretadas dentro dos mercados de obrigações globais.

7. Número de títulos e rotatividade

No dia 30 de junho 2018, havia 215 títulos, incluindo cash e cash equivalents no FTIF – Templeton Global Total Return Fund.

A rotatividade anual do FTIF – Templeton Global Total Return Fund é 56,05% no fim do ano fiscal no dia 30 de junho 2018.

8. Política de risco

A gestão de risco é incorporada em todas as fases do processo de investimento. O grupo Templeton Global Macro vê o risco como um risco limitado como sendo alocado prudentemente dentro do orçamento de risco. A nossa abordagem de investimento pode registar alguma volatilidade e risco de downside no curto prazo para procurar gerar rendimentos de longo prazo. No entanto, os riscos inerentes para a estratégia Templeton Global Multisector Plus são metodologicamente avaliados diariamente. A liquidez, a alavancagem, tail risks, características de carteiras e dados de série temporais selecionados são todos calculados e monitorizados. O grupo Templeton Global Macro reage rapidamente às mudanças de recomendação de investimento.

Orçamento de risco

O grupo da Templeton Global Macro aloca o risco em três drivers principais de alfa. Historicamente, cerca de um terço do alfa é acrescentado normalmente através da duração, um terço através da moeda e um terço através de decisões de crédito. A composição orçamental do risco pode mudar baseada em atração relativa durante ciclos de crédito e económicos globais. Recentemente, aumentámos oportunisticamente o orçamento de risco para posições cambiais, e reduzimos o orçamento de risco para a duração e crédito.

Medida de risco principal

Embora comparemos os riscos relativos da carteira em relação ao benchmark, colocamos mais ênfase em medidas de risco de carteira absolutas, incluindo Value at Risk (VaR) e déficit esperado em vez de tracking error. Também olhamos para o risco de liquidez, risco de contraparte e testes de stresse de desempenho e análise de cenário.

Relatórios de risco de carteira

O risco de carteira é monitorizado pelo grupo da Templeton Global Macro, bem como o grupo de Gestão de Risco de Investimento da Franklin Templeton a nossa equipa de gestão de risco independente. Cada estratégia tem analistas de risco dedicados do Grupo de Gestão de Risco que ajudam no processo de construção, além de monitorizar as exposições ao risco da carteira. Os analistas de risco produzem relatórios detalhados que contêm medidas de risco relativas e absolutas, incluindo um desvio de tracking error esperado e exposições ao risco relacionadas com as posições da duração, curva da yield, crédito, setor, países e câmbio. O grupo da Templeton Global Macro usa estes relatórios diários para integrar de forma eficaz a gestão de risco no processo de construção da carteira.

Monitorização de risco de carteira independente

O grupo de Gestão de Risco de Investimento realiza avaliações periódicas de todas as carteiras da Franklin Templeton para aumentar ainda mais a sensibilização do risco ao quantificar recursos e nível do risco de carteira e sugerir métodos de implementação de risco eficazes.  O Grupo de Gestão de Risco de Investimento ajuda também na decisão se a diversificação da carteira é adequada e se o nível de risco adequado está a ser utilizado para gerar retornos excedentes ou crescentes dentro das matrizes especificadas. As medidas de risco podem mudar ao longo do tempo conforme os mercados evoluem, e o Grupo de Gestão de Risco de Investimento tem a capacidade de ajustar o processo de risco.

9. Política de liquidez

Normalmente, a estratégia não detém ativos que acreditamos precisarem de uma venda forçada em níveis de stress devido a restrições de liquidez. As estratégias do grupo da Templeton Global Macro investem normalmente no mercado de obrigações global, que representa um dos mercados mais líquidos do mundo. Embora não possamos prever o momento exato que seria necessário para liquidar a carteira, nunca registámos problemas de liquidez e não prevemos preocupações relacionadas com a liquidez daqui para a frente.

10. Cobertura cambial

O grupo da Templeton Global Macro tem uma abordagem ativa e oportuna para a gestão cambial, isolando exposições ao risco isoladas para obter riscos desejados enquanto cobrimos os riscos indesejados.  As análises fundamentais realizadas pelos analistas de research incorporam pressupostos cambiais nas recomendações de investimento feitas à equipa de investimento. Entre os vários métodos utilizados para ganhar exposição cambial encontra-se a dívida de curto prazo e forwards cambiais, que são utilizados para alinhar a exposição cambial com as oportunidades globais mais atrativas de uma perspetiva de risco/retorno.

A classe de ativos é coberta ao nível do NAV sob um tipo de cobertura H1 num esforço para fazer com que o desempenho do NAV seja consistente entre a moeda base e a moeda estrangeira, neste caso o euro.

11. Uso de derivados

Preferimos usar investimentos diretos, embora os derivados também possam ser utilizados para implementar perspetivas de investimento. Comparados às obrigações, os derivados são frequentemente mais flexíveis, mais líquidos, e podem ter custos de transação menores.

Dentro da estratégia, os swaps de taxas de juro e futuros podem ser usados para implementar perspetivas em taxas de juro, ajustar rapidamente a duração da carteira ou lidar eficazmente com os fluxos de caixa. Os swaps de retornos totais e os swaps de credit default (CDS) podem ser usamos para acrescentar ou diminuir a exposição ao mercado obrigacionista e os CDS também podem ser usados para comprar ou vender proteção no crédito. Contratos de forwards cambiais estrangeiros são usados nesta estratégia para fins de cobertura, e para expressar perpetivas cambiais. A equipa também se pode envolver em cobertura cruzada como um meio mais eficiente de implementar a estrutura cambial ideal da carteira.

Os sistemas de gestão de risco proprietários da Franklin Templeton permite ao Templeton Global Macro modelar adequadamente os instrumentos derivativos e compreender totalmente o risco de carteira. Os derivados são usados apenas quando permitidos pelas matrizes da carteira e não são usados para alavancar carteiras.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido