Tags: Negócio |

Tempestade política domina


Wall Street encerrou a semana passada em queda com o impasse político em Washington a colocar o país em risco de um “shutdown” do governo que pode custar 1.4% do PIB à economia no 4º trimestre.

Adicionalmente de Itália vem de novo o espectro de uma crise política, que pode arrastar as yields das obrigações de dívida pública de todos os países do sul da europa para valores bastante mais elevados.

Estas duas situações colocam a componente política acima de qualquer dado económico como catalisador dos movimentos dos índices

Em termos de notícias destaco:

a)     Ebay expande o negócio de pagamentos electrónicos em Smartphones e Tablets da sua subsidiária Paypal adquirindo a Braintree por $800 milhões

b)     Apple vende 9 milhões de iPhones 5C/5S no primeiro fim de semana após o lançamento, um aumento de 80% face aos 5 milhões aquando do lançamento do iPhone 5

c)     J.P Morgan negoceia pagar $11 mil milhões para resolver o litígio pendente com o Departamento de Justiça norte americano sobre produtos hipotecários

d)     Twitter escolhe NYSE para oferta publica inicial prevendo-se que estejam à venda 50 milhões de títulos entre os $28 e $30 o que perfaz uma valor global para a oferta na ordem dos $1.5 mil milhões e avalia a empresa em $15 mil milhões

e)     Fortuna dos milionários asiáticos pode ultrapassar a dos norte americanos já em 2014 com o crescimento da economia japonesa e com a bolsa nipónica a registar a melhor performance entre os mercados desenvolvidos

f)      China cria uma zona de comércio livre em Shanghai onde vai ser possível aceder ao Facebook, Twitter e a outros site considerados sensíveis pelas autoridades e bloqueados no resto do país, iniciativa é considerada um teste para uma maior abertura e liberalização da economia incluindo uma reforma dos impostos e da lei do investimento directo externo

Na análise técnica destaco o gráfico semanal do J.P. Morgan, onde existe a possibilidade de validar um padrão de Head & Shoulders que pode levar a quedas de 20% nos títulos do banco norte-americano