"Somos cada vez mais uma pequena multinacional com a vantagem da proximidade aos nossos parceiros"


Que estratégias têm para o curto prazo, últimos meses do ano, e início de 2013?

Tacticamente queremos reduzir a volatilidade e continuar a evitar algumas das modas actuais e terminar o ano sem sobressaltos. Iniciámos 2012 com a eleição dos fundos PPR SGF Garantido e PPR SGF Acções Dinâmico como os produtos que poderiam melhor adaptar-se à situação de mercado que tínhamos como cenário base e o seu desempenho tem sido referencial. Para 2013 já temos ideias mas ainda é cedo para revelar. No entanto, de algo estamos certos: não queremos assumir riscos acima do que será expectável para cada um dos fundos. Somos uma gestora independente que quer oferecer diversificação e mitigação de risco, mesmo que tal possa significar perda de alguns pontos na rendibilidade dos fundos. Esta ideia foi assumida e assim permanecerá por muita confiança que possamos ter em determinada história.
 
É expectável o lançamento de novos produtos?

Temos uma oferta suficientemente ampla no mercado da reforma. Sendo uma gestora especializada neste segmento, e com a actual oferta que dispomos, mais que sair com novos produtos, interessa mitigar alguma redundância que possa existir entre os diversos produtos.
 
Que importância tem a empresa no incentivo à poupança para a reforma?

As empresas, clientes institucionais, apesar das dificuldades e cortes orçamentais, têm clara a necessidade de, de uma forma fiscalmente favorável, premiarem os seus colaboradores. Desta forma, podem assumir um papel pedagógico de necessidade de poupança, contribuir para o aumento da motivação e produtividade dos seus colaboradores. Acabam por ser verdadeiros substitutos do estado no incentivo à poupança e aumentando a previsibilidade aos seus colaboradores.
 
Relativamente à equipa SGF, como a descreve?

Com uma equipa jovem e dinâmica a SGF procura ser pragmática. Apesar da juventude da equipa, esta é bastante experiente.
 
Como é o processo de decisão?

O processo de decisão é estruturado, com procedimentos claros e procura um nível de excelência. Muito contribui o comité de investimentos para o nível de excelência. Ponto de partida de todo o processo, o comité conta com a participação adicional de ilustres elementos externos à estrutura que muito contribuem e desafiam os elementos internos. Gosto de pensar que pouco a pouco somos cada vez mais uma pequena multinacional com a vantagem da proximidade aos nossos parceiros.
 
Como é feita a selecção dos activos para os fundos PPR?

O processo de escolha dos activos é bastante restrita, apoiada em claros critérios de liquidez, qualidade e deve responder sempre à necessidade de mitigação de riscos operacionais e ser capaz de responder à vontade de diversificação da carteira de activos.
 
No que refere à distribuição no retalho, de que forma é feita?

A distribuição é feita directamente e através de uma rede de mediadores nossos parceiros.

Notícias relacionadas

O Mais Lido