Tags: Pensões | Europa |

Sociedade de gestora dos fundos de pensões do Banco de Portugal distinguida com dois prémios pela World Finance


Sobre estes prémios, fonte do Banco de Portugal (BdP) referiu à Funds People Portugal que "só a World Finance se poderá pronunciar com propriedade sobre os motivos que levaram à escolha" da gestora do banco central. Contudo, "admitimos que a forte orientação da nossa gestão para a mitigação dos riscos e o elevado grau de integração entre as actividades de gestão de activos e de mensuração e controlo das responsabilidades, num contexto de marcada instabilidade financeira, tenham contribuído para a distinção", sublinhou.

A Sociedade Gestora Fundo Pensões do Banco de Portugal gere os dois fundos de pensões do banco central: fundo de pensões de benefício definido (FPBD),  fechado, destinado aos empregados do BdP admitidos até Março de 2009, criado em 1988 e "constituído por um património autónomo e exclusivamente afecto ao cumprimento das responsabilidades assumidas (pagamento de benefícios de reforma, invalidez e sobrevivência, bem como encargos com contribuições pós reforma para o serviço de assistência médico-social) pelo Banco de Portugal perante os seus empregados; e o fundo de pensões de contribuição definida (FPCD), criado em Dezembro de 2010 e igualmente fechado, "abrangendo os empregados do BdP admitidos no sistema bancário a partir de 3 de Março de 2009 e inscritos no regime geral de Segurança Social poe força do decreto-lei nº54/2009", referiu a mesma fonte.

Estrutura da equipa da sociedade

Actualmente, acrescentou, a sociedade tem 36 colaboradores em regime de cedência pelo Banco de Portugal, estando a grande maioria afecta também à gestão da carteira de activos do Fundo de Garantia de Depósitos e da carteira de dívida pública do Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo.

Quanto à forma como está estruturada esta equipa, esta "obedece aos princípios de segregação funcional, incluindo uma unidade de gestão administrativa e actuarial dos passivos, uma unidade de 'back-office', duas unidades de 'middle-office' (uma de suporte à definição das carteiras de referência e outra responsável pelo controlo do risco, incluindo a definição e observância das 'guidelines' de investimento) e duas unidades de 'front-office' (activos financeiros e activos reais)", refere a mesma fonte.

A estrutura incluiu também uma função de 'compliance', assim como uma equipa de apoio informático e um serviço de apoio administrativo.

Notícias relacionadas