Sobre a necessidade de construir carteiras mais resilientes


Artigo de opinião de Andre Themudo, diretor de vendas para Portugal e Espanha da BlackRock. Comentário patrocinado pela BlackRock.

Há apenas umas semanas, a equipa de análise do BlackRock Investment Institute, liderado por Richard Turnill, actualizava as perspectivas de mercado e investimento para o que resta deste ano. Se tivéssemos de resumir o conteúdo do documento em apenas uma frase, poderíamos aventurar-nos a dizer que o sentimento de mercado passou a ser mais cauteloso à medida que a incerteza macroeconómica tem aumentado.

Se desconstruirmos um pouco a nossa visão de mercado, prevemos um crescimento sólido da economia norte-americana com efeitos positivos no resto do mundo, o que levará, sem sombra de dúvida, a um reforço da expansão económica mundial. Ainda assim, a variedade de situações que podem ocorrer no mercado aumentou, e por isso, a necessidade de ter uma carteira mais resiliente torna-se, na nossa opinião, num dos principais objectivos do investidor durante os últimos meses do ano.

Os riscos de sobreaquecimento e, sobretudo, a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China preenchem quase todos os dias as primeiras páginas dos principais jornais financeiros do mundo. As disputas no plano comercial e a tendência para o proteccionismo representam, sem dúvida, um risco para a confiança de mercado e um factor negativo para o crescimento global. Para além disto, os riscos geopolíticos – em especial o aparecimento de algum governo Populista na Europa – e as tensões migratórias vividas nos últimos meses, fizeram com que se começassem a criar rumores sobre uma possível ruptura da União Europeia junto daqueles que defendem que a zona euro se encontra num estado sólido e que superará estes desafios. Em relação à economia do gigante asiático e às medidas adoptadas pelo governo de Xi Jinping, a nossa equipa de análise considera que a estabilidade reinará na China nos próximos meses, embora a redução do endividamento possa implicar um risco de abrandamento e uma factor deverá ser vigiado de perto para evitar surpresas.

Não há dúvida que o panorama político-económico que nos espera durante os próximos meses a nível global criará alguma incerteza e nervosismo junto dos investidores. A subida das taxas de juro, entre outros factores, contribuiu para o endurecimento das condições financeiras, e por isso, a necessidade de estruturar as carteiras com maior resistência tornou-se um dos principais desafios face ao segundo semestre de 2018.

Se voltarmos atrás no tempo, podemos observar como as estratégias alternativas, em geral, e as estratégias de retorno absoluto, em especial, têm sido, ao longo dos anos, fontes diversificadoras que têm ajudado o investidor a descorrelacionar as suas carteiras com as classes de activo tradicionais. Este tipo de estratégias, para além de proteger o investidor de hipotéticas subidas de taxas, procuram também assegurar uma maior protecção perante um possível pico de volatilidade a nível global, como o que podemos sentir nos próximos meses ou semanas.

O primeiro passo que devemos ter claro no momento de incorporar este tipo de estratégias nas nossas carteiras é o objectivo que queremos alcançar, pois há uma extensa variedade de soluções ao nosso alcance e cada uma oferece diferentes características. De facto, são combináveis entre si por não serem exclusivas. Alguns exemplos de estratégias alternativas líquidas e ter em conta ao preparar as carteiras para a segunda metade do ano são: long/short em ações ou obrigações, market neutral, global macro, valor relativo e event driven.

Na BlackRock, contamos com uma vasta gama de fundos alternativos líquidos, e estamos a testemunhar como estas soluções ganham presença nas carteiras dos investidores portugueses. Hoje gostava de destacar o BSF European Absolute Return Fund, um fundo de retorno absoluto que investe em empresas do índice MSCI Europe, e cujo processo de investimento se baseia na seleção de valores. A equipa de gestão coloca-se a longo prazo junto de empresas com fundamentais sólidos e um maior potencial de revalorização, e a curto prazo junto daquelas com fundamentais mais débeis. É uma estratégia long/short equity cuja exposição líquida ao mercado pode oscilar entre +25% e -25%, ainda que a longo prazo tenha demonstrado ter correlação e beta zero ao MSCI Europa.

Informação Importante

Este material destina-se unicamente para finalidades educativas, e não constitui aconselhamento financeiro nem uma oferta ou solicitação para vender ou uma solicitação de uma oferta para comprar quaisquer acções de qualquer fundo (nem devem tais acções ser oferecidas ou vendidas a qualquer pessoa) em qualquer jurisdição em que uma oferta, solicitação, compra ou venda possa ser ilegal ao abrigo das leis relativas às obrigações dessa jurisdição. Este material não é para distribuição ou utilização por qualquer pessoa ou entidade em qualquer jurisdição ou país em que tal distribuição possa ser ilegal ao abrigo das leis relativas às obrigações de tal país ou jurisdição.

Certos fundos mencionados neste documento estão registados para distribuição em Portugal. Em Portugal, certas classes de acções de determinados fundos da BSF estão registadas na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e o Prospecto de cada fundo registado foi registado na CMVM. Nenhuma entidade regulamentar confirmou a exactidão da informação aqui contida.

Todos os investimentos financeiros envolvem um elemento de risco. Por conseguinte, o valor do seu investimento e o rendimento do mesmo poderão variar e o seu investimento inicial não pode ser garantido.

O fundo investe uma grande parte dos ativos que são denominados em outras moedas; tais alterações na taxa de câmbio relevante irão afetar o valor do investimento. As estratégias utilizadas pelo Fundo envolvem o uso de derivativos para facilitar certas técnicas de gestão de investimentos, incluindo o estabelecimento de posições "longas" e "curtas sintéticas" e a criação de alavancagem de mercado com o propósito de aumentar a exposição econômica de um Fundo para além do valor de seus ativos líquidos. O uso de derivativos dessa forma pode ter como efeito o aumento do perfil de risco geral dos Fundos. Os investidores desse fundo devem entender que não há nenhuma garantia de que o Fundo produza um retorno positivo e, como um produto de retorno absoluto, o desempenho pode não se mover de acordo com as tendências gerais do mercado de ações, já que tanto o movimento positivo quanto negativo das ações afetam o valor total do fundo.  O gerente utiliza um processo de gestão de riscos para supervisionar e gerenciar a exposição dos derivativos dentro do Fundo. O Fundo pode ser exposto a empresas do setor financeiro como um fornecedor de serviços ou como uma contraparte para contratos financeiros.   A liquidez no mercado financeiro tem sido restringida de maneira severa, levando diversas firmas a retirarem-se do mercado ou, em alguns casos extremos, declarar falência.  Isso pode ter um efeito adverso nas atividades do fundo.

A BlackRock Strategic Funds (BSF) é uma empresa de investimento aberto estabelecida no Luxemburgo, disponível para venda apenas em determinadas jurisdições. A BSF não está disponível para venda nos EUA ou a pessoas norte‑americanas. Qualquer informação de produtos que diga respeito à BSF não deve ser publicada nos EUA.

Nem todas as classes de acções listadas estão disponíveis em todas as jurisdições. O investimento em algumas classes de acções pode também estar limitado a certos tipos de investidores conforme definido no Prospecto de cada fundo. Contacte o seu consultor financeiro para obter mais informações.

A BlackRock Investment Management (UK) Limited é a distribuidora da BSF no Reino Unido. A maioria das protecções oferecidas pelo sistema regulador do Reino Unido e a compensação ao abrigo do Esquema de Compensações de Serviços Financeiros não estarão disponíveis. Uma gama limitada de sub-fundos da BSF possui um estatuto de fundo de acumulação (“reporting fund”) de acções Sterling Classe A, em conformidade com os requisitos do estatuto de fundo de acumulação do Reino Unido. A menos que indicado, a informação do fundo apresentada apenas fornece um resumo da informação. As subscrições na BSF são apenas válidas se feitas com base no Prospecto actual, nos relatórios financeiros mais recentes e no Documento de Informação Fundamental para os Investidores, disponíveis no website da BlackRock. Os Prospectos, Documentos de Informação Fundamental para os Investidores e formulários de candidatura podem não estar disponíveis para os investidores em certas jurisdições onde o fundo em questão não foi autorizado. Emitida pela BlackRock Investment Management (UK) Limited (autorizada e regulamentada pela Financial Conduct Authority). Sede social: 12 Throgmorton Avenue, London, EC2N 2DL. Registada em Inglaterra n.º 2020394. Tel: 020 7743 3000. Tel: 020 7743 3000. Para sua protecção, as chamadas telefónicas são normalmente gravadas.

BlackRock é o nome comercial da BlackRock Investment Management (UK) Limited. © 2018 BlackRock, Inc. Todos os direitos reservados. BLACKROCK, BLACKROCK SOLUTIONS, iSHARES, SO WHAT DO I DO WITH MY MONEY, INVESTING FOR A NEW WORLD, e BUILT FOR THESE TIMES são marcas comerciais registadas e não registadas da BlackRock, Inc. ou das suas subsidiárias nos Estados Unidos e noutros países. Todas as outras marcas comerciais pertencem aos seus respectivos titulares.

O desempenho passado não é um indicador dos resultados futuros e não garante resultados futuros. As taxas de conversão de divisas podem afectar o valor dos investimentos.

 

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

BlackRock leva a sério o ativismo

A gestora conta já com uma equipa interna que está a crescer de forma muito significativa, a BlackRock Investment Stewardship (BIS), que tem como missão fomentar práticas empresariais e de gestão que cimentem resultados financeiros sustentáveis a longo prazo.

O Mais Lido