Tags: Gestores | Europa | Ações |

Semelhanças e diferenças entre o JPM Europe Equity Plus e JPM Europe Equity


São dois os fundos de ações europeias mais importantes da J.P.Morgan Asset Management. O JPM Europe Equity Plus assenta numa estratégia long/short (a exposição líquida é de 100%) que recentemente 'encerrou' a novos participantes depois de ter superado largamente os 5.000 milhões de euros em património. Já o JPM Europe Equity é um fundo que segue uma estratégia direcional (long only) com os ativos sob gestão a rondar, atualmente, os 450 milhões de euros.  É a versão long only do JPM Europe Equity Plus. A única limitação que tem, em relação ao Equity Plus, é a de um fundo long only, mas a equipa, a filosofia, o processo de investimento e a metodologia com que elaboram o ranking das empresas em que investem é exatamente o mesmo. Ambos são produtos 5 estrelas Morningstar que nos últimos anos se posicionaram no primeiro quartil de rentabilidade em todos os prazos.

São fundos geridos por Michael Barakos (à esquerda na foto) e por Nicholas Horne (ao centro), sendo que no caso do JPM Europe Equity Alexandre Fitzalan também pertence à equipa. Tanto no caso do JPM Europe Equity Plus como no JPM Europe Equity, a filosofia é a mesma: criar carteiras realmente diversificadas, na medida do possível, para minimizar riscos específicos a partir de uma análise que combina três factores: valor, momentum e qualidade. “Se se colocam estes factores a trabalhar em conjunto, há resultados. Desta forma, consegue-se gerar boas ideias de investimento e oferecer rendibilidades para os clientes. Cometem-se erros como toda a gente, mas o risco é muito diversificado. Para nós, o mais importante é controlar o peso que cada posição tem em carteira”, afirma Michael Barakos.

A correlação entre os dois produtos desde do seu lançamento é de 0,8. O overlap (número de empresas que se repetem nas duas carteiras) é de 80%. Dito de outro modo: dos 147 nomes que aparecem no JPM Europe Equity, 80% também estão presentes no JPM Europe Equity Plus. Novartis e Roche são duas das posições que se repetem no top 3, segundo a Morningstar. A diferença fundamental do JPM Europe Equity é que pode tomar posições curtas e capitalizar mais o seu processo de investimento. Se para comprar se fixam na qualidade, no preço e no momentum; para vender uma ação ou abrir uma posição curta procuram o contrário: empresas de baixa qualidade, caras e que estejam a atravessar um momento complicado. “A nossa força baseia-se em sermos bons a escolher empresas”, explica Barakos.

Mas também existem diferenças mais subtis em cada uma das estratégias. Uma delas é em relação ao número de posições que aparecem na carteira. Em ambos os casos, as opções são muito amplas. No caso do JPM Europe Equity esta oscila entre 100 e 250 posições e no JPM Europe Equity Plus as empresas em carteira oscilam entre 200 e 400 (atualmente são 230, incluindo as posições curtas). Em termos de objetivo de volatilidade, também há ligeiras diferenças. No caso do JPM Europe Equity Plus vai de 3 a 6%, enquanto no outro fundo analisado o intervalo é de 3% a 5%. Em relação ao excesso de volatilidade, a estratégia do fundo long/short é de 4% enquanto no long only é de 3%.

Os dois fundos têm um desvio máximo de 2%. A nível sectorial o JPM Europe Equity Plus pode desviar-se 3%, enquanto o JPM Europe Equity uns 5%. A nível geográfico, o desvio pode chegar a 4% e 5%, respetivamente. Isto é o que diz o prospeto, porque na prática não existem muitos desvios. “Não fazemos apostas sectoriais nem por países. Não adianta tentar antecipar movimentos como, por exemplo, o que fez o Banco Nacional da Suíça. Centramo-nos na seleçãoo de ações a partir de análises fundamentais. A empresa perfeita é aquela que apresenta uma valorização atrativa, de alta qualidade e está num momentum positivo. É a maneira de bater o mercado”, reconhece Alexander Fitzalan.

No que diz respeito à rendibilidade alcançada em ambos os produtos, os resultados mostram que o JPM Europe Equity conseguiu nos últimos cinco anos oferecer uma rendibilidade anualizada de 13,45%, batendo em três pontos o MSCI Europe Value, o seu benchmark. O retorno oferecido pelo JPM Europe Equitu Plus foi de 19%, 6,8 pontos acima do seu índice de referência, no caso o MSCI Europe. Ambos os produtos conseguiram estar no primeiro quartil nos últimos dois anos, se bem que os resultados da estratégia long/short foram os que mais sobressaíram.

Este facto evidencia-se no fundo que foi capaz de estar, de forma ininterrupta , ano após anos no primeir decil da rendibilidade desde 2009 (inclusivé). O património atual do JPM Europe Equity Plus é de 5.666 milhões enquanto o do JPM Europe Equity é de 450 milhões de euros.

Empresas

O Mais Lido