Resumo básico sobre como explicar aos clientes como se portaram as suas carteiras no primeiro trimestre


O primeiro trimestre de 2020 foi um curso express da realidade dos mercados. Um mês e meio foi o suficiente para se viver a mais brutal queda em décadas e, ao mesmo tempo, uma recuperação de dois dígitos em poucos dias. Para recapitular, não será exagerado classificar os movimentos das ações durante o primeiro trimestre como dramáticos. É o termo que repete Gavin Corr, diretor de Seleção de Gestores para EMEA da Morningstar. Dramático, por um lado, pela forte aversão ao risco que se viu no fim de fevereiro. O crash de dia 1929 durou 50 dias; o de 2020 demorou apenas 25 dias a chegar a um ponto semelhante.

78b0a0a78e7b1045

E dramático também por conta da polarização no comportamento das classes de ativos. Como em todas as correções, os investidores procuravam ativos refúgio. As obrigações soberanas dos EUA fecharam o seu melhor trimestre historicamente, de acordo com Corr. Mas também foram à procura de oportunidades. Curiosamente, esta correção exacerbou as preferências dos investidores por ativos growth, de qualidade e vinculados ao ISR. Como mostra o gráfico seguinte, ter um viés por crescimento em empresas de grande capitalização tem sido uma fonte crucial para ultrapassar o mercado. O mais notório é a diferença importante de 22% entre o estilo mais rentável e o menos, as small cap value.

0f4110bd5db0f208

"Perante este desafio económico, os investidores bateram com ainda mais força nas portas das tendências já estabelecidas", afirma Corr. Embora o nervosismo tenha sido visto de maneira agregada, muitos continuaram a apostar em ideias que de repente ficaram com o melhor preço. Como aponta o especialista, grande parte dos danos já foram apagados. De facto, se alguém não tivesse revisto a sua carteira até dia 1 de abril, pensaria que 2020 é um ano como qualquer outro para os mercados.

e14b1a9f5957c43d

Mathieu Caquineau, diretor associado Cross-Border Equity Ratings Chair da Morningstar, coincide em notar essa polarização nos fluxos para fundos na Europa. “Os investidores apostaram tanto no momentum com entradas em sectores como a saúde e tecnologia como mostraram um movimento contrário em direção às ações britânicas”, resume. Outra tendência que foi confirmada foi o uso de ETF. Face às saídas líquidas de 35.000 milhões de euros em fundos de gestão ativa, os ETF apenas registraram saídas de 5.000 milhões de euros líquidos.

f46c24121e2880c9

Fundos com viés para qualidade e growth resistiram melhor. Teria sido uma ótima janela para tirar proveito da liquidez, mas, segundo dados de Caquineau, apenas 12 dos 550 fundos analisados ​​possuíam pelo menos 10% de liquidez no início do ano.

As obrigações não escaparam à correção e os spreads aumentaram para níveis de 2011 com a crise do euro, mas, ao contrário dos mercados de ações, não alcançaram extremos históricos como em 2008. E, como nas ações, os investidores mostraram um forte apetite à medida que as avaliações melhoravam. "A correção foi interpretada como uma oportunidade", assegura Louise Babin, analista sénior.

cb5d7fe83ad7cdb6

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido