Reações ao último discurso da Fed e à queda histórica do PIB no EUA


Como se esperava, a Reserva Federal não anunciou mudanças importantes na sua última reunião do FOMC, que teve lugar num contexto muito diferente do de junho. O aumento das infeções por coronavírus nos EUA travou a reabertura da economia e complicou ainda mais as perspetivas. Como seria de esperar, a autoridade monetária americana continua profundamente preocupada pela contínua incerteza que esta situação provoca.

Tudo aponta para que os riscos relacionados com estes surtos tanto nos Estados Unidos como noutros lugares, as negociações em curso sobre o próximo estímulo fiscal, as eleições de novembro, a débil recuperação global e as tensões comerciais vão continuar a complicar a recuperação. Anna Stupnytska, responsável da área de Macroeconomia Global e de Estratégia de Investimento na Fidelity, pensa que a Fed permanecerá em modo stand-by, pronta para a ação em qualquer momento se as perspetivas mostram sinais de deterioração.

“No caso de não haver emergências importantes, é provável que anuncie mudanças nas suas políticas em setembro ou mais tarde conforme a sua revisão do enquadramento regulatório. Em qualquer caso, os riscos encontram-se com um viés para uma maior flexibilização acomodatícia se o vírus não for controlado de maneira efetiva”, afirma a especialista.

Nesta ocasião, em vez de tratar de gerar uma notícia chamativa ou uma surpresa a curto prazo, a Fed está a preparar-se para um programa de flexibilização no plano económico que caracterizará grande parte dos próximos anos, aponta John Bellows, gestor da Western Asset. Mas, na sua opinião, a ausência de mudanças não deverá interpretar-se como um indício de inação, tendo em conta que a Fed tem atualmente bastantes questões sobre a mesa.

“A autoridade monetária contempla um amplo leque de ferramentas, seguramente centradas na foward guidance e nas compras de ativos. A foward guidance constitui agora uma prática padrão para os bancos centrais cujas taxas se situam no limite inferior igual a zero, e Powell insinuou claramente que a Fed adotará algum tipo de diretriz relativamente cedo. Os comentários sobre as compras de ativos foram mais notórios. Pela segunda vez consecutiva, o presidente afirmou que as compras de ativos estão atualmente a sustentar as condições financeiras, e sugeriu que se constituísse uma ferramenta que se continuará a aplicar enquanto a acentuação das políticas de flexibilização está garantida”, destaca.

Para Christian Scherrmann, economista para os EUA na DWS, a Fed encontra-se numa posição bastante cómoda. “Os mercados entenderam bem que a política monetária acomodatícia está aqui para ficar. Isto apoia a incipiente recuperação, sem que o banco central tenha de fazer nada agora mesmo. Além disso, não é o momento de confundir os mercados com conselhos crípticos sobre como se poderá marcar em algum momento a orientação futura das compras e as taxas de juro, o que esperar da longa revisão da importância e a Reserva Federal ajustar-se-á o ritmo das compras para as apoiar, no caso de surgirem riscos”, explica.

Jerome Powell manteve o rumo. Ainda que a atividade económica tenha recuperado um pouco, o futuro da economia continua a ser extraordinariamente incerto e a pandemia está a marcar a velocidade da recuperação. Parece evidente que as ações da Fed estão relacionadas com a evolução do COVID-19 e a situação económica o que, de acordo com Patrice Gautry, economista chefe da UBP, deverá alimentar a visão dovish e manter uma postura muito acomodatícia durante um longo período de tempo. É o que estão a prever os mercados, tal como mostra o seguinte gráfico publicado pela J.P. Morgan Asset Management no seu Guide to de Markets correspondente ao terceiro trimestre do ano.

nicole-geri-eUyNYtwN0tA-unsplash

 

Como se previa, o dado do PIB dos Estados Unidos do segundo trimestre ia ser histórico. E foi. O PIB americano registou uma concentração trimestral record de -32,9% anualizado, ainda que tenha sido melhor do que a previsão de consenso de -34,5%. Todos os componentes do PIB foram afetados em magnitudes record, com uma descida do consumo de 34,6%, o investimento privado de 29,9% e as exportações de 64%. Isto estava previsto. Mas o que vai acontecer nos próximos meses talvez não.

A atenção centra-se nas perspetivas do terceiro trimestre. Na AXA Investment Managers baixaram as suas nicole-geri-eUyNYtwN0tA-unsplashperspetivas para +19% desde +29%, refletindo o reaparecimento do vírus e as novas restrições. Agora previram que o PIB de 2020 cairá 4,7% (desde os 4,5%), um dado que é mais otimista que o consenso de -5,5%. Segundo David Page, responsável de Análise Macro na gestora, “existe risco de que a perda de postos de trabalho apesar de agora mais sobre os rendimentos das famílias, o que aumenta a perspetiva de uma desaceleração mais persistente”, sublinha. O vírus volta a ganhar força e a economia sofre. “Os surtos do vírus parecem inevitáveis. E apesar de ser pouco provável que alguns países paralisem de novo as suas economias, podemos esperar que até os confinamentos locais tenham um efeito disruptivo”, reconhecem na AllianceBernstein.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido