Que gestoras estão a vender mais durante a pandemia?


J.P.Morgan Asset Management, BlackRock e Goldman Sachs Asset Management são, por esta ordem, as gestoras com maiores fluxos de entrada líquidos na Europa durante a pandemia. Segundo dados da Refinitiv, entre janeiro e maio, a primeira entidade gestora captou 44.160 milhões de euros, a segunda 25.000 milhões de euros e a terceira 16.600. O quarto lugar é ocupado pela Vanguard, com um volume de entradas no período que alcançou os 10.800 milhões de euros. Todas as entidades gestoras referidas são norte-americanas e com a crise estão a conseguir posicionar-se ainda mais como gestoras de referência na Europa, mas de formas muito distintas. A J.P.Morgan AM e a Goldman Sachs AM apoiaram-se nos fundos monetários.

Em momentos de maior stress dos mercados, nos quais os investidores procuram um lugar onde deixar o dinheiro à espera de decidir o que fazer com ele, os fundos monetários registaram um crescimento patrimonial importante. É algo muito habitual numa crise. Na altura de selecionar o produto concreto há dois fatores que têm um peso específico determinante. O primeiro é o tamanho da estratégia. O segundo, a marca, sobretudo a imagem de solvência que o cliente tem dessa marca. Aí, a J.P.Morgan AM e a Goldman Sachs AM foram e continuam a ser as principais entidades às quais os investidores se dirigem quando procuram um refúgio seguro para o seu dinheiro.

Durante esta crise, os fundos monetários da J.P. Morgan AM chegaram a receber um total de 100.000 milhões de fluxos de entrada. No caso da Goldman Sachs AM, as captações concentraram-se no GS US Treasury Liquid Reserves, no GS Euro Liquid Reserves e no GS Sterling Liquid Reserves.

No que diz respeito à BlackRock e Vanguard, os fluxos líquidos registados nos primeiros cinco meses do ano vieram principalmente pelo interesse dos investidores europeus pela gestão passiva, tanto ETF como fundos indexados. A pandemia não abrandou o seu avanço na Europa, nem nos produtos de ações, nem nos de obrigações. De facto, os fundos cotados da BlackRock (iShares) que mais entradas registaram neste período são estratégias de dívida corporativa, concretamente o iShares Core € Corp Bond UCITS ETF e o iShares $ Short Duration Corp Bond UCITS ETF. É uma nova prova de confiança que os clientes depositaram nos veículos de gestão passiva para investir em obrigações, mesmo em fases de mercados “stressados”.

Vencedores em ações

Não obstante, é importante destacar que, no computo geral, tanto no caso da BlackRock como no da Vanguard, as maiores captações centram-se em produtos de ações. A primeira recebeu fluxos de entrada na ordem dos 8.670 milhões nos primeiros cinco meses do ano. A segunda, 6.250, o que as situa como a primeira e segunda posições no ranking desta categoria.

No caso da BlackRock, o crescimento na parte de ações foi dual. Por um lado, a entidade continuou a captar através dos seus ETF de ações, sobretudo através dos produtos de ações europeias: o iShares Core MSCI Europe UCITS ETF e o iShares Core Euro Stoxx 50 UCITS ETF. Por outro lado, destaca-se o interesse que suscitaram as suas estratégias setoriais e temáticas. Quatro dos seis produtos de gestão ativa mais vendidos pela entidade americana neste período são estratégias que se enquadram dentro desta tipologia, como é o caso do BGF World Healthscience, o BGF World Technology, o BGF World Energy e o BGF Next Generation Technology.

Líderes em obrigações

Se em ações a grande vencedora é a BlackRock, em obrigações é a UBS AM. A entidade gestora suíça regista entradas líquidas entre janeiro e maio de quase 11.000 milhões. As principais captações foram canalizadas através da sua família Focus Funds, fundos para investidores institucionais que gerem para a banca privada da entidade. Este forte crescimento nesta gama de produtos converte a UBS AM na sexta do ranking por captações na Europa, com 8.250 milhões, apenas 100 milhões abaixo da AXA Investment Managers, a quinta entidade. A AXA IM é a entidade gestora europeia que mais dinheiro atrai no período em análise (8.350 milhões de euros), graças, em grande parte, ao interesse dos investidores pelas suas estratégias de buy & hold.

Por último, há que destacar o que se sucedeu na categoria de multiativos. Se até agora no ranking aparecem apenas entidades com escala, grandes equipas e gamas muito amplas, a gestora que mais entradas líquidas teve na Europa durante os cinco primeiros meses do ano nesta categoria é uma boutique com apenas 53.000 milhões de euros em ativos e uma oferta que se limita a sete estratégias, várias delas reconhecidas este ano com o Selo FundsPeople: a Flossbach von Storch. Com os seus 2.900 milhões de entradas nos seus fundos mistos, canalizados através do FvS Multiple Opportunities II, a entidade assume a posição de liderança neste segmento.

De seguida mostramos-lhe o ranking das 10 gestoras que, segundo dados da Refinitiv, registaram mais entradas líquidas entre janeiro e maio na Europa, assim como a classificação em função das quatro principais categorias: ações, obrigações, mistos e alternativos.

As 10 gestoras que mais entradas líquidas registaram na Europa entre janeiro e maio (em milhões de euros)

Fonte: Refinitiv

Ranking Gestora Flujos netos
1. J.P.Morgan AM 44.160
2. BlackRock 25.000
3. Goldman Sachs AM 16.590
4. Vanguard 10.810
5. AXA Investment Managers 8.350
6. UBS AM 8.260
7. Royal London 6.190
8. Pictet AM 6.040
9. Fidelity 4.340
10. DWS 3.910

As 10 gestoras que mais entradas líquidas registaram na Europa entre janeiro e maio em ações (em milhões de euros)

Fonte: Refinitiv

Ranking Gestora Flujos netos
1. BlackRock 8.670
2. Vanguard 6.250
3. Morgan Stanley IM 5.250
4. Credit Suisse AM 3.850
5. Pictet AM 3.700
6. Royal London 3.250
7. Fidelity 3.050
8. AXA IM 2.210
9. HSBC Global AM 1.840
10. Legal & General IM 1.780

As 10 gestoras que mais entradas líquidas registaram na Europa entre janeiro e maio em obrigações (em milhões de euros)

Fonte: Refinitiv

Ranking Gestora Flujos netos
1. UBS AM 10.970
2. J.P.Morgan AM 5.890
3. Mercer 3.440
4. Fisch Asset Management 3.170
5. BlackRock 2.890
6. Vanguard 2.410
7. Royal London 2.320
8. Qaestio Capital Management 2.110
9. NN Investment Partners 1.780
10. Union Investment 1.700

As 10 gestoras que mais entradas líquidas registaram na Europa entre janeiro e maio em fundos mistos (em milhões de euros)

Fonte: Refinitiv

Ranking Gestora Flujos netos
1. Flossbach von Storch 2.900
2. Vanguard 2.110
3. KBC Asset Management 2.100
4. Union Investment 1.820
5. B&CE 1.300
6. BNP Paribas AM 900
7. Generali Investments 820
8. Royal London 750
9. Santander AM 700
10. Mercer 690

As 10 gestoras que mais entradas líquidas registaram na Europa entre janeiro e maio em alternativos (em milhões de euros)

Fonte: Refinitiv

Ranking Gestora Flujos netos
1. Previdenza Cooperativa 1.650
2. GLG Partners 1.200
3. DWS 670
4. Maitland 560
5. Allianz Global Investors 450
6. Nomura AM 440
7. Partners Group 420
8. LRI 300
9. Nordea AM 280
10. Wisdom Tree 260
Empresas

Notícias relacionadas