Quais as gestoras de pensões que mais investem em fundos de terceiros?


O segmento de fundos de pensões nacionais terminou março com um ligeiro decréscimo no montante gerido. Menos 5%, conta a APFIPP no seu relatório trimestral, onde detalha, entre outras coisas, o montante que as gestoras deste universo alocam a cada instrumento de investimento.

Os fundos de investimento, em março passado, valiam 6 mil milhões de euros nas carteiras dos fundos de pensões, revela a Associação, que mostra uma ponderação de 33% destes produtos no total de montante investido.

E ao nível das gestoras de pensões: quais mais alocam património a fundos de terceiros? Pouca coisa muda relativamente à análise feita há um ano atrás, e a Victoria Seguros e a SGF mantêm-se com a maior percentagem do património gerido alocado a fundos de terceiros, com 72,4% e 63,5%, respetivamente, de ponderação nestes produtos.

No caso da Victoria Seguros, os fundos de ações são o grande peso pesado – com 1,9 milhões de euros – enquanto a SGF destina o maior montante aos fundos de obrigações, no caso 29,6 milhões de euros.

fundos_de_pensoes

*anteriormente Ocidental Pensões
Fonte: APFIPP, março 2020

Contudo, e como visível pelos números da tabela, são duas das gestoras menos robustas em termos de AuM que maior valor percentual aloca a fundos de terceiros. A Ageas Pensões, o grande colosso deste segmento com 5,5 mil milhões de euros de montante gerido, apenas apresenta uma ponderação de 43,4% em fundos de investimento, que se materializa, ainda assim, no valor absoluto mais elevado entre todas as entidades – 2,4 mil milhões de euros. Uma nota, contudo, para o facto do valor percentual investido pela entidade em fundos ser mais elevado comparativamente com março de 2019, altura em que se cifrava em cerca de 38%.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido