Tags: Obrigações | Ações |

PSI 20 ultrapassa a barreira dos 6.000 pontos


O índice português fechou a sessão a valorizar 0,32% ficando nos 6.010,49 pontos. Cenário também positivo no resto da Europa, com Madrid a valorizar 0,66%, Paris a subir 0,25% e Frankfurt a avançar 0,23%.

Na NYSE Euronext Lisbon foram 12 as empresas cotadas a valorizar e 7 a cair.

O sector das telecomunicações foi o mais entusiástico deste final de sessão, com a PT a valorizar 1,77% para os 2,870 euros; a Zon Multimédia a subir 1,88% para os 4,278 euros. A Sonaecom, no entanto, ficou no vermelho descendo 0,11% para os 1,806 euros.

Na energia, o cenário foi misto. Ambas as empresas da EDP fecharam a sessão a cair. A EDP energias caiu 0,04% para os 2,699 euros, enquanto a Renováveis desvalorizou 0,21% para os 3,807 euros. A Galp, mais positiva, avançou 0,55% para os 12,800 euros. A Ren também no verde subiu 0,18% para os 2,214 euros.

Na Banca o cenário foi de quedas, com apenas a valorização do BCP, que subiu 0,98% para os 0,103 euros. A maior queda do sector e do dia foi do Banif, que desvalorizou 8,33% para os 0,011 euros. O BPI caiu 0,69% para os 1,009 euros, enquanto o BES desvalorizou 0,44% para os 0,900 euros.

As retalhistas terminaram a sessão com um resultado distinto. A Jerónimo Martins fechou a cair 0,19% para os 15,470 euros, enquanto a Sonae SGPS, em sentido contrário, valorizou 0,35% para os 0,855 euros. Destaque também para o bom fecho de sessão da Mota Engil, que mesmo modesta conseguiu uma subida de 0,77%.

Fazendo um balanço desta semana, Jorge Guimarães, Director Adjunto do Banif, em relação ao PSI 20 refere que "registou uma desvalorização marginal (-0.18%), mas a semana foi algo volátil, com os mercados a caírem devido à subida das taxas de juro, em antecipação à divulgação das minutas do Fed e a recuperarem parte das perdas após a divulgação de bons dados macroeconómicos nas Europa e na China."

Pela positiva, Jorge Guimarães destacou "a Sonaecom, com os investidores a anteciparem uma decisão positiva da Autoridade da Concorrência em relação à fusão com a Zon, bem como a Galp e a Portugal Telecom, com esta última a recuperar das fortes perdas sofridas após o corte de dividendos entretanto anunciado."  Em contrapartida, diz, "o sector financeiro (BCP, BPI, Banif) registou perdas, penalizado pela subida das taxas de juro da dívida soberana".

 

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Próximos eventos