Porque é que as valorizações dos bancos europeus são tão baixas...


O sector bancário está a passar por um período realmente tórrido. O índice bancário Euro Stoxx Bank Index perdeu uma terceira parte do seu valor em 2018 e está plano este ano, muito atrás do resto do mercado. Os investidores atiraram a toalha ao chão e gritaram que a Europa está condenada e que a Europa é o novo Japão. Segundo a maior parte das métricas, quer sejam absolutas ou relativas, os bancos europeus parecem extremamente baratos em relação às suas médias históricas.

As rentabilidades por dividendo estão em níveis não vistos desde 1990 e pela primeira vez superaram até os rendimentos que oferecem as obrigações AT1. O sector negoceia com um rácio de preço por valor em folhas de cálculo próximo dos mínimos de 2016 e o PER é extremamente baixo em relação a outros sectores. O que nos está a dizer o mercado? Porque são tão baixas as avaliações? Julien Eberhardt, gestor de fundos de Obrigações e Analista Sénior de Crédito da Invesco, explica as razões:

Preocupação n.º 1: Risco político e macroeconómico

Por sua vez, entender os bancos e a sua regulação já é uma tarefa bastante difícil, mas na Europa há uma capa adicional de complexidade: os comentários e tweets dos políticos populistas e o seu impacto potencial na economia. “O sector bancário é um para-raios das preocupações macropolíticas e não temos escassez delas precisamente na Europa, incluindo uma coligação populista italiana que põe à prova os limites da construção europeia, o processo interminável e intratável do Brexit e as interrupções do comércio global por um presidente americano pró-taxas”.

Além destes problemas está a exposição de certos bancos a alguns mercados emergentes com problemas e um contexto de baixo crescimento e baixa inflação. “Apesar destes problemas poderem ter um impacto em todo o mercado, os bancos são os mais afetados e sofreram mais do que outros sectores”.

Preocupação n.º 2: O impacto das baixas taxas de juro na rentabilidade do sector

As preocupações políticas e macro estão a alimentar as expectativas de crescimento e inflação, o que recentemente levou o BCE a aplicar estímulos monetários adicionais. “As receitas dos bancos veem-se afetadas de duas maneiras pelas taxas de juro. Os índices nos quais os bancos baseiam os seus empréstimos (por exemplo, Euribor) seguem as taxas de referência dos bancos centrais. Atualmente, estão em mínimos e as curvas de taxas de juro estão negativas na zona euro desde 2014 e superaram o impacto bastante bem, mas um novo corte, sem nenhum tipo de medidas atenuantes, será negativo”.

O segundo impacto está nas margens, a diferença entre o preço do empréstimo e o custo de o financiar para o banco. “Os programas de flexibilização monetária são um vento contra para os preços dos empréstimos. Reduz as rentabilidades e elimina os ativos do sistema, o que por sua vez gera mais concorrência no mercado creditício, o que arrasta os spreads para níveis ainda mais baixos. O medo é que em algum momento os bancos não possam absorver o impacto dos preços mais baixos dos empréstimos reduzindo os seus custos de financiamento (os bancos financiados mediante depósitos não podem aplicar taxas de depósitos negativas para os seus clientes)”.

Na sua opinião, esta é a mecânica que empurra os analistas a estimar menores lucros no futuro.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido