Tags: Europa |

PIB cresce abaixo do esperado no 1º trimestre


O PIB de Portugal cresceu 0,4% no primeiro trimestre face ao último trimestre de 2017, um valor idêntico ao da zona euro.

Em termos homólogos, o PIB cresceu 2,1%, abaixo do crescimento registado na zona euro que foi de 2,5%.

Dos países da zona euro que evoluíram mais favoravelmente é de salientar a Espanha, cujo PIB cresceu 0,7% no trimestre e 2,9% em termos homólogos. Abaixo do crescimento de Portugal, estiveram a Itália, a França e a Alemanha, com crescimentos trimestrais de 0,3% e crescimentos homólogos de 1,4%, 2,1% e 2,3% respetivamente.

É necessário ter em atenção que este ano a Páscoa, período mais forte de consumo depois da época natalícia, entrou nas contas do primeiro trimestre. E, portanto, mesmo com a Páscoa, o PIB cresceu abaixo das estimativas, que eram de 0,6% no trimestre e de 2,3% em termos homólogos.

Segundo o INE, o contributo da procura externa líquida para o crescimento do PIB no primeiro trimestre foi negativo.

As exportações subiram 4,5% no primeiro trimestre de 2018, abaixo do crescimento das importações de 5,9%, tendo como consequência um aumento no défice comercial.

A formação bruta de capital fixo e o consumo privado evoluíram positivamente no primeiro trimestre de 2018.

Outra preocupação que ganha força é o crescimento do crédito ao consumo que no primeiro trimestre de 2018 esteve ao rubro. O valor em março atingiu os 659,3 milhões de euros (+10,5% que em março de 2017), tendo sido o segundo maior valor de sempre (o máximo histórico registou-se em novembro de 2017 com 660,2 milhões de euros).

Logicamente que hoje, devido ao menor desemprego, a base de pessoas que podem contrair crédito é maior. Temos que ver se nos próximos meses o valor do crédito ao consumo estabiliza ou se continua a recente escalada. Se tal acontecer, não será uma situação positiva, se ainda nos lembrarmos do que aconteceu antes e depois do resgate do país em maio de 2011.

O FMI é a entidade menos otimista no crescimento do PIB em Portugal. Recentemente, esta entidade anunciou uma estimativa de crescimento de 2,1% para 2018, quando outras entidades internas e externas estimam que a economia portuguesa possa crescer entre 2,3% e 2,5%.

Se a dinâmica de crescimento do PIB no primeiro trimestre se mantiver no mesmo ritmo no resto do ano, Portugal dificilmente irá crescer acima de 1,5% a 1,6%, quando em 2017, o crescimento económico foi de 2,7%.

A forte subida dos combustíveis faz diminuir o rendimento disponível dos portugueses, o que poderá ter efeitos negativos no consumo privado nos próximos meses. Os combustíveis estão em máximos de 4 anos. A carga fiscal é elevadíssima e o brent está nos 80 USD por barril.

Por outro lado, os indicadores PMI da indústria e dos serviços na zona euro mantiveram em maio a tendência descendente verificada no primeiro trimestre, o que não augura bons ventos para o PIB no segundo trimestre.

O otimismo de 2017 não está para já a repetir-se em 2018, o que poderá colocar também em causa outras metas como a do défice público. Faltam ainda 3 trimestres de dados conhecidos do PIB. Só mais para diante poderemos confirmar ou não a atual desaceleração do crescimento económico.

Profissionais

Notícias relacionadas

FMI otimista, mas...

As previsões económicas do Fundo Monetário Internacional parecem ser otimistas quanto ao crescimento global. Carlos Bastardo refere, contudo, que existem ainda vários desafios a enfrentar, em particular em Portugal.

O Mais Lido