Pânico nos mercados cria oportunidades na Europa


(TRIBUNA de Álvaro Antón Luna, Diretor-geral da Aberdeen Standard Investments para a Península Ibérica. Comentário patrocinado pela Aberdeen Standard Investments.)

A situação do coronavírus está a evoluir rapidamente. A Itália encontra-se em quarentena, os casos confirmados aumentam em toda a Europa e nos Estados Unidos e está a ser feito um esforço global enorme para conter o vírus. Na quinta-feira da semana passada, as ações europeias sofreram a maior queda num só dia desde 1987. O pânico parece ter-se instalado nos mercados.

Contudo, estamos focados nos motores de crescimento a longo prazo e a bloquear o “ruído” de curto prazo, como em qualquer cenário de mercado. E esse foco permite-nos ver oportunidades para investirmos de forma ponderada em várias empresas europeias de elevada qualidade.

Como encaramos o que está a acontecer?

Não há dúvida de que estamos a viver um choque de procura em todas as economias do Ocidente e dos mercados emergentes. Ao mesmo tempo, temos observado roturas significativas na cadeia de abastecimento, o que, por sua vez, está a pressionar o sistema bancário e financeiro e a adicionar o risco de crédito a um ambiente, por si só, já bastante desafiante. A juntar-se a este cenário, temos ainda a guerra no preço do petróleo entre a Arábia Saudita e a Rússia: os preços afundaram, colocando uma pressão ainda maior nos mercados de crédito.

Um fator interessante foi o enfraquecimento do dólar face ao euro. Em tempos de crise, os investidores costumam procurar o que consideram ser ativos “seguros”, dando força ao dólar. Mas desta vez é diferente. Em última instância, esta dinâmica pode pressionar as empresas europeias. Um dólar enfraquecido não ajuda os exportadores e pode comprometer a taxa de rentabilidade das empresas europeias. Mas esta situação pode ser, simplesmente, o desenrolar de operações de carry trade alavancadas e o fim dos investidores a saírem de financiamento barato em euros. Ainda é muito cedo para termos certezas. Contudo, vale a pena estarmos atentos.

Enquanto investidores, é importante não nos perdermos nos grandes acontecimentos macroeconómicos. Temos de regressar ao essencial e focarmo-nos nos dados fundamentais das empresas.

Perante este cenário, há muitos fatores a considerar. Mas enquanto investidores, é importante não nos perdermos nos grandes acontecimentos macroeconómicos. Temos de regressar ao essencial e focarmo-nos nos dados fundamentais das empresas. São esses dados que nos vão permitir ultrapassar os próximos três, seis ou 12 meses. E é por isso que investimos em empresas de elevada qualidade. No final das contas, as rentabilidades vão assentar na capacidade de gerar receita e liquidez e num balanço sólido. Uma boa gestão dos riscos ESG (ambientais, sociais e de governação corporativa) e modelos de negócio sustentáveis também vão permitir ganhos e uma proteção face a quedas. São estas as características desejáveis no contexto atual de incerteza.

Na nossa perspetiva, também é essencial manter um horizonte de investimento a longo prazo. Podemos não saber como vai ser o ambiente corporativo em 2020, mas ao investirmos em empresas cuja atratividade estrutural não tenha sido alterada pelo vírus, conseguimos ter uma melhor perceção de como poderão vir a ser os números em 2022/2023. As quedas recentes no preço das ações podem representar oportunidades de compra destas empresas.

Aprender com os outros

Isto não quer dizer que já atingimos o ponto mais baixo do mercado. A situação que se vive em Itália pode alastrar-se a outros países e ainda não é possível avaliar todos os efeitos do vírus nos lucros das empresas: os relatórios dos próximos dois trimestres podem ser dececionantes. Dito isto, as correções superiores a 25% nos mercados acionistas europeus já estão a descontar muitos destes fatores.

Entretanto, os bancos centrais, desde a Reserva Federal norte-americana ao Banco de Inglaterra, cortaram as taxas de juro de forma agressiva. Os mercados aguardam por respostas fiscais em grande escala. Vamos ter de esperar para quantificar o verdadeiro impacto destas medidas.

Também devemos considerar a Ásia, o epicentro do vírus, na nossa análise. O número de casos na China, no Japão e na Coreia parece estar a estabilizar, o que pode antecipar o que vai acontecer no Ocidente.

É provável que as pressões atuais se mantenham num futuro próximo, sendo a precaução a palavra de ordem. No entanto, se mantivermos um foco em empresas de qualidade e uma perspetiva de longo prazo, acreditamos que podem surgir oportunidades para assumirmos algum risco através de boas empresas que se encontrem subvalorizadas.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Investir agora ou esperar?

Essa é a grande pergunta que se estão a fazer os investidores nestes dias, sobretudo aqueles que até agora permaneciam fora do mercado ou a subponderar as ações nas suas carteiras. Opiniões e rácios para que banqueiros e assessores financeiros disponham de informação para aconselhar bem os seus clientes sobre esta difícil questão.

O Mais Lido