Tags: Obrigações | Ações |

Os melhores fundos de obrigações dos últimos cinco anos


Nos últimos cinco anos, os fundos de obrigações deram uma rendibilidade média de 3,56% divididos por 39 fundos de investimento, segundo os cálculos da Morningstar. A empresa de análise divide em quatro categorias, entre os produtos analisados, sendo que a categoria “Euro Fixed Income” é aquela que mais produtos tem (34) e uma rendibilidade média de 3,5%. Já a categoria com maior rendibilidade foi a de “High Yield Fixd Income” que com apenas um produto gerou ganhos de 11,44% anualmente, ao longo dos últimos cinco anos.

Três acima de 10%

São quase quatro as dezenas de fundos de obrigações com dados a cinco anos, pela base de dados da Morningstar. A categoria “Euro Fixed Income” é aquela que mais produtos tem e a quem pertence a liderança. O fundo mais rentável desta classe de ativos pertence à ESAF e é o ES Rendimento Plus, gerido por João Zorro. Com quase 90% da carteira investida em obrigações, o fundo apresenta uma rendibilidade anualizada de 12,28% nos últimos cinco anos.

Na segunda posição vem o fundo da categoria “High Yield Fixed Income” da BPI Gestão de Activos, o BPI Alto Rendimento Alto Risco. O fundo apresenta uma rendibilidade de 11,44% e tem em carteira grande parte dos títulos com rating B, sendo a esmagadora maioria Obrigações de Taxa Fixa.

No terceiro posto das rendibilidades aparece mais um produto da ESAF, no caso o ES Obrigações Europa Euro. Gerido por Vasco Teles o fundo teve uma rendibilidade de 11,26% e está investido a 100% na classe obrigacionista.

Acima de 5%

Existem, ainda, mais três fundos que conseguiram dar aos seus subscritores uma rendibilidade anual acima dos 5% no período analisado. Com 6,28% e 10 milhões de euros sob gestão vem o Patris conservador, da Patris Gestão de Activos. Depois vem um produto da Caixagest com 23 milhões de euros sob gestão e uma rendibilidade de 5,78%, o Caixagest Obrigações Mais. O outro produto é da Montepio Gestão de Activos, o Montepio Taxa Fixa, com ganhos de 5,45%  e 6 milhões de euros em carteira.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

Próximos eventos