Os investidores ativistas começam a sair dos EUA rumo à Europa e Japão


Os investidores chamados ativistas, que é o mesmo que aqueles que adquirem participações importantes de empresas cotadas com o objetivo de influenciar a sua gestão num curto espaço de tempo, não fizeram outra coisa senão crescer nos últimos anos. 2019 não foi uma exceção e assim consta no relatório anual que publicou recentemente o banco de investimento Lazard sobre os investidores ativistas a nível mundial.

Segundo o mesmo, ainda que o Brexit tenha tido um efeito claro na atividade dos ativistas no Reino Unido, excluindo esta região, pode-se dizer que o ativismo aumentou 30% em 2019. De facto, a Europa é, em conjunto com o Japão, a região geográfica que experimentou um maior aumento até ao ponto de o ativismo nas empresas não americanas representar já 40% da atividade em 2019, face aos 30% de 2015. Quanto ao número de ativistas, foi registado um novo recorde ao ter alcançado os 147.

01e3a7186cc4e13c

Além disso, vem sendo habitual voltar a ver uma clara correlação entre as empresas dos investidores ativistas e as operações corporativas. Tanto que, segundo os dados do banco, as fusões e aquisições (M&A) bateram um recorde com 99 campanhas em 2019, correspondente a 47% de todas as campanhas face aos 35% em anos anteriores.

No relatório também se analisa como foi mudando o tipo e os interesses dos investidores ativistas ao longo dos últimos anos, tendo em conta sobretudo a crescente necessidade dos investidores valorizarem as empresas não só atendendo a critérios puramente financeiros como também extrafinanceiros como pode ser a abordagem ESG (Environmental Social Governance). De facto, a consultora Alvarez&Marsal incluiu pela primeira vez no seu último relatório anual sobre Investimento ativista na Europa como influencia a integração ESG uma empresa no momento em que é objetivo dos investidores ativistas. Ao fim e ao cabo, segundo explicam da Lazard “os fundos ativistas adaptaram a sua abordagem e estilo em 2019. Centraram-se em empresas que são boas, mas que podiam ser melhores e, por isso, tendem a adotar uma abordagem mais colaborativa em vez de agressiva”.

Dentro do ESG um dos objetivos nos que mais se concentram é a composição dos Conselhos das empresas onde investem. Os ativistas elevaram os seus postos nos órgãos de administração com 122 em 2019. De acordo com as tendências recentes, a maioria dos cargos em Conselhos de Administração, 85%, foram obtidos mediante acordos negociais e 20% desses lugares foram atribuídos a mulheres CEO.

Notícias relacionadas