Tags: Ações | EUA |

Os fundos de ações americanas nos primeiros doze meses de Donald Trump


A eleição de Donald Trump a 8 de novembro de 2016 tem levado a uma subida relativamente constante do lado dos mercados norte-americanos, em especial do S&P 500, que regista uma valorização de 19,48% nos últimos 12 meses. Ainda que no período que antecedeu as eleições norte-americanas se tenha verificado alguma apreensão e incerteza por parte dos mercados, a verdade é que a eleição de Trump parece ter sido frutífera, tendo em conta os novos máximos atingidos durante este ano.

S&P 500 - Vista Geral

Captura_de_ecra__2017-11-10__a_s_11

Fonte: Investing.com, 10 de novembro

Quatro fundos, quatro rentabilidades acima dos 15%

Tendo em conta este contexto, os quatro fundos de ações americanas geridos por entidades nacionais beneficiaram do momento positivo dos mercados americanos, tendo alcançado uma rentabilidade anualizada superior a 15% no período compreendido entre 8 de novembro de 2016 e 8 novembro de 2017.

Não obstante, alguns fundos parecem ter aproveitado melhor as oportunidades e o bom momento do mercado norte-americano, como é o caso do Caixagest Acções EUA. O fundo da responsabilidade da Caixagest obteve ganhos anualizados de 25,24% no período em questão, tendo sido o produto que melhor rentabilidade registou. De acordo com os dados disponíveis na Morningstar, a 30 de setembro os sectores financeiro e industrial representavam mais de 40% da exposição sectorial total. Do lado das maiores posições em carteira surgem nomes como a Boeing, UnitedHealth Group e a Home Depot.

A segunda rentabilidade mais elevada nos primeiros doze meses de Donald Trump pertence ao fundo de ações americanas da responsabilidade da Santander Asset Management, que registou ganhos anualizados de 19,43%. O fundo gerido por Luis Beamonte apresenta como maiores posições em carteira nomes como Goldman Sachs Group, Johnson & Johnson e Wal-Mart Stores. Quanto aos sectores que maior preponderância apresentam, o sector financeiro e de consumo não-cíclico surgem como os mais relevantes.

O BPI América, por sua vez, surge em terceiro lugar nesta lista. O produto gerido pela BPI Gestão de Activos apresenta uma rentabilidade de 18,45% e nomes como Apple, Fedex e Cummins como as três maiores posições em carteira. Os sectores de consumo não-cíclico, tecnológico e financeiro representam mais de 50% da exposição sectorial total do fundo.

O quarto fundo desta lista é o IMGA Acções América, que registou uma rentabilidade anualizada de 15,56% no período em questão. Tendo António Dias como gestor do fundo, este apresenta uma exposição superior a 23% ao sector de consumo não-cíclico e superior a 19% ao sector financeiro. As três maiores posições apresentam outra faceta, sendo detidas por três empresas do sector tecnológico: Facebook, Microsoft e Alphabet.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente