Tags: Negócio | ETF |

Os ETP voltam a alcançar máximo histórico


Os produtos cotados continuam a viver um momento de ouro a nível mundial, tendo fechado um dos seus melhores trimestres, no qual voltaram a atingir um novo máximo histórico. De acordo com o relatório mensal da BlackRock sobre o sector, os ‘exchange traded products’ (ETP) registaram entradas líquidas de 70.100 milhões de euros no trimestre, o que, em conjunto com a boa evolução dos mercados, permitiu atingir um património de 2,08 biliões de euros. Assim, estes produtos cresceram 9,4% nos primeiros três meses de 2013.

Os influxos de dinheiro novo concentraram-se principalmente sobre os ETF de acções, que corresponderam a 93% das subscrições. Os produtos de acções dos mercados desenvolvidos foram os que registaram as maiores entradas, especificamente os que têm exposição ao mercado norte-americano. Por outro lado, os produtos de obrigações, que foram a grande surpresa de 2012, continuaram a atrair dinheiro e registaram o oitavo trimestre consecutivo com entradas líquidas positivas (11.600 milhões de dólares).

Pelo contrário, os ETP de ouro registaram saídas no trimestre, 9.200 milhões. De facto, o produto que sofreu mais resgates nestes meses foi o SPDR Gold, que perdeu 6.623 milhões de euros.

Por produtos individuais, os três ETF que tiveram mais subscrições foram o Wisdom Tree Japan Hedged Equity Fund (3.900 milhões), o iShares Russell 2000 (2.750 milhões) e o ChinaAMC CSI 300 Index ETF (2.600 milhões).

Nestes meses, foram lançados 90 ETPs novos, face a 45 liquidados. Entre os novos lançamentos, os mais bem-sucedidos foram os dois novos produtos centrados no mercado chinês: o China AMC CSI 300 Index ETF e o Guotai SSE 5 Year China Treasury Note ETF. No total, existem actualmente 4.806 ETPs em todo o mundo.

Por gestores, a iShares continua a liderar o mercado global, com uma quota de 38,8%, seguida pelo State Street (16,9%) e Vanguard (13,4%). Na Europa, as três principais entidades gestoras deste tipo de produtos são a iShares (39,2% de quota), Deutsche Asset & Wealth Management (13,7%) e Lyxor (10,6%).

Empresas

Notícias relacionadas