Os Consistentes mais expostos aos mercados de ações da exótica Índia


Para a Morningstar, a categoria India Equity agrega os produtos que investem pelo menos 75% dos ativos totais em ações e, dessas ações, mais de 75% investem em ações de mercados indianos. De entre o universo de produtos registados para venda em Portugal que "caem" nessa categoria, três destacam-se por passarem no filtro dos produtos Consistentes Funds People.

São três produtos de três conhecidas casas de investimento internacionais que se apresentam como um veículo de exposição aos mercados de ações na Índia. Este é um país emergente que goza de um crescimento da sua economia acima de 6% nos últimos anos, uma demografia favorável, um governo estável e a criação de emprego e infraestruturas. Por outro lado, as opiniões são dispares relativamente à atuação do governo de Narenda Modi, e os mercados, depois de um período inicial de euforia, têm mostrado uma evidente underperformance.

Esse comportamento de mercado não passou ao lado dos três produtos consistentes, que embora evidenciem um forte retorno médio anualizado a três e a cinco anos, recuaram entre 7,2% e 14,6% no ano de 2015. Em 2016, os mercados indianos acompanharam as correções que verificámos nos mercados desenvolvidos, mas devolveram algum do retorno perdido, sendo que à data, o retorno médio dos fundos é de -12,23%.

A volatilidade, medida pelo desvio padrão a três anos, é o ponto mais negativo da categoria, já que fica acima de 20% nos três produtos e resulta na computação de um rácio de retorno por unidade de risco reduzido no mesmo período.

O fundo da Morgan Stanley é o menor dos três, com um património (à data de 31 de dezembro) de pouco mais de 225 milhões de euros, que comparam com mais de 1 600 milhões de euros do produto da Goldman Sachs e mais de 3 500 milhões do fundo da Aberdeen

Captura_de_ecra__2016-04-21__a_s_15

Aberdeen Gloal Indian Equity A2

Com um enfoque em ações ou instrumentos financeiros relacionados, de empresas domiciliadas ou com atividade concentrada na Índia, o fundo, gerido por Hugh Young, apresenta um estilo consistente e concentrado em large-cap/growth  e uma carteira com uma rotatividade muito reduzida. O portefólio deste produto da Aberdeen Global Services inclui 32 posições e está sobreponderado nos sectores financeiro, tecnológico, materiais básicos e consumo defensivo.

GS India Equity Portfolio I Inc

Este é um fundo que concentra a sua atividade  de investimento em ações de empresas indianas, utilizando também instrumentos financeiros derivados para o efeito. Apesar de um estilo large-cap/growth, tem também no portefólio ativos de média ou reduzida dimensão. Com cerca de 100 ativos em carteira, apresenta uma muito baixa rotativida e uma sobreponderação ao sector da tecnologia, que representa 22% da carteira. A Goldman Sachs Asset Management International não divulga o nome do gestor.

MS INVF Indian Equity Z

Gerido por Ruchir Sharma e Ashutosh Sinha, o fundo da Morgan Stanley Investment Funds tem como objectivo uma apreciação de longo prazo do capital medido em USD, investindo principalmente em ações de empresas domiciliadas ou com atividade económica predominantemente na Índia. No entanto, tem a possibilidade de, com carácter suplementar, investir em empresas que estejam listadas em mercados indianos que não sejam domiciliadas nem exerçam a atividade no país, bem como em depository receipts (ADR, EDR, GDR), obrigações convertíveis e ações, ações preferenciais, debentures ou instrumentos derivados de ações. O fundo tem um estilo large-cap/growth, embora cerca de um quarto da carteira esteja alocada a empresas de média e pequena capitalização bolsista. Com 34 posições em carteira, esta apresenta muito baixa rotatividade e uma sobre exposição aos sectores financeiro, consumo cíclico e tecnológico, que agregam quase 70% os ativos da carteira.

Captura_de_ecra__2016-04-21__a_s_15

Captura_de_ecra__2016-04-21__a_s_15

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido