Tags: Negócio | Pensões |

Optimize lança o Optimize Capital Reforma PPR Agressivo


Depois da Optimize Investment Partners ter alterado a designação da gama de fundos Capital Reforma PPR – de forma a esta ser consonante com as regras referentes às condições de igualdade destes produtos com outros produtos existentes – a entidade adiciona agora mais um produto a esta gama.

Trata-se do Optimize Capital Reforma PPR Agressivo um produto que bebe precisamente das alterações executadas em 2018 nas regras de composição do património dos fundos de poupança, nomeadamente no que toca à eliminação ao limite do investimento em ações. Segundo a própria gestora a nova regulamentação foi acolhida com “bastante entusiasmo”, fazendo todo o sentido o investimento em ações “numa perspetiva de investimento a longo prazo, como é obviamente o caso dos Planos Poupança Reforma, em que o horizonte é a totalidade da vida ativa”. Nesta perspetiva, contam também da entidade, decidiram constituir um novo PPR “que poderá investir até 100% em ações”, e cujo nome é Optimize Capital Reforma PPR Agressivo.

A criação deste fundo, referem, “vem alargar e enriquecer a oferta de PPRs” aos clientes da casa, sendo que este fundo “terá a particularidade de poder investir até à totalidade do valor do seu capital em ações ou fundos de ações, sendo dirigido a um perfil de investidor com maior apetite para o risco”.  Recorde-se também que os outros três PPR geridos pela Optimize Investment Partners “permitem endereçar todos os perfis de investidor e todos os prazos de investimento - 15% no caso do fundo Optimize Capital Reforma PPR Moderado, 35% para o fundo Optimize Capital Reforma PPR Equilibrado e 55% no que diz respeito ao fundo Optimize Capital Reforma PPR Ativo”.

Vantagens dos Planos Poupança Reforma

Da gestora destacam ainda outra particularidade destes produtos, nomeadamente  o  “interesse dos Planos Poupança Reforma para efeitos de investimento de longo prazo, pois permitem beneficiar de uma tributação nas valias até apenas 8%, em vez de 28%”. Para além de ao longo dos anos essa diferença potenciar “substancialmente a valorização”, o PPR permite ainda “uma grande liberdade de subscrições, resgates e até transferências entre instituições”.

Empresas

Notícias relacionadas