Tags: Negócio | EUA |

O papel dos algoritmos na transacionalidade dos mercados


(Este artigo de opinião é da autoria da Golden Wealth Management. Consulte este e outros artigos no blogue da Golden Wealth Management)

Verdadeira liquidez ou miragem?

Um algoritmo, pode, de uma forma simples ser definido como um conjunto de instruções formais para a resolução de um problema de forma sistemática. Nesse sentido, e tendo em conta o carácter repetitivo e estruturado dos mercados de capitais, a utilização de sistemas algorítmicos de transação representou um desenvolvimento natural à medida que as infraestruturas tecnológicas se foram tornando cada vez mais prevalentes no funcionamento e base dos mercados organizados.

Os sistemas algorítmicos de transação, inicialmente permitiram resolver o problema de colocação de ordens de grande escala por parte de investidores institucionais, já que podem possibilitar minimizar o impacto no mercado, o custo e o risco de execução das mesmas. O facto de estes sistemas, a partir da leitura de diversos dados de mercado, agirem de acordo com condições pré-estabelecidas significa execução de ordens de forma significativamente mais rápida que um agente humano, e facilmente se conclui que os volumes transacionados, no global, são tendencialmente superiores, gerando maior liquidez.

À medida que mais mercados eletrónicos foram sendo abertos, este novo paradigma abriu novos horizontes para modelos que explorassem estas diferentes condições de mercado, extrapolando o âmbito original da automatização de ordens. As grandes instituições financeiras mundiais criaram divisões específicas para desenvolvimento de estratégias de investimento ou transação com base em arbitragem de preços (exploração de ineficiências de preço entre mercados) e tendências de mercado.

Mercado Norte-Americano: Percentagem de volume transacionado via HFT (Algoritmos de Transação de Alta Frequência)

Embora apenas represente uma tipologia de sistemas, a tendência visível no gráfico, de aumento da preponderância dos algoritmos no volume total de transações, deveria representar um aumento da liquidez do mercado, no entanto o foco tem sido sobre estratégias de aproveitamento da vantagem de velocidade de execução sobre os agentes tradicionais de mercado.

Apesar de haver, no meio académico, alguma literatura que suporta o impacto positivo da introdução de algoritmos na liquidez dos mercados, temos vindo a assistir nos tempos recentes, a alguns movimentos de preços de grande amplitude, acompanhados de aumentos súbitos de volume, que não têm grande justificação em termos de fluxo noticioso. Em situações limite, o facto de estes sistemas estarem munidos destas vantagens (quer em termos de velocidade de análise, quer em termos de execução) significa que o potencial para, no caso de haver alguma modelação incorreta de alguma informação, ocorrer um movimento excessivo é expressivamente maior.

Ainda recentemente, houve dois momentos em que a ação dos algoritmos, foi apesar de “anónima”, perfeitamente percetível. Em fevereiro de 2018, a divulgação de uma série de dados de emprego, aliados ao receio de subida de taxas de juro por parte da Reserva Federal Norte-Americana, levou a que no dia 5 desse mês o Dow Jones tenha tido a maior queda intra-diária da sua história (fig.1). O facto de haver uma concentração elevada de capital em estratégias que estavam curtas em volatilidade (i.e. ganhavam com as quedas), transformou um mercado que estava calmo numa razia, muito devido à ação dos algoritmos, que inundaram o mercado com ordens de venda, acabando por alimentar adicionalmente o movimento descendente.

 

No início de outubro, num contexto de baixo fluxo noticioso e de poucos indicadores económicos que definissem uma tendência para  mercados, o receio crescente de subida de taxas de juro e do prolongamento das Trade Wars entre EUA e China, provocou um movimento de correção (fig.2), que pelo curto espaço de tempo em que ocorreu, violência do movimento, aumento súbito de volume e ausência de causa explícita indica ter sido exponenciado pela ação automática dos sistemas de transação algorítmicos.  Nestes momentos de stress, muitos sistemas “desligam-se” como forma de mitigar risco, retirando a liquidez que aparentemente era abundante, o que se traduz numa aceleração das quedas.

Todos estes avanços tecnológicos têm aumentado a velocidade, conectividade, alcance e complexidade dos mercados organizados, tendo, ao mesmo tempo, reduzido a sua “humanidade”. Os sistemas computacionais têm vindo a substituir progressivamente os humanos em muitas funções na área financeira, o que pode ser considerado como a “Robotização” da Indústria.

Consulte este e outros artigos no blogue da Golden Wealth Management.

Notícias relacionadas

O Mais Lido