Tags: Estilo |

O General Alemão


Sabem qual a diferença entre um grande carro e um carro grande?

É que nem todos os grandes carros se podem gabar de ter uma distância entre eixos superior ao comprimento total de um Smart Fortwo!

Do centro do eixo dianteiro ao centro do eixo traseiro, distam praticamente 3 metros e usufruímos de um comprimento total (na versão 'curta') de 5.14m!

Apesar de ostentar um tamanho presidencial, o recurso abundante a materiais leves como o alumínio, permite-lhe manter o peso 'controlado' abaixo das 2 toneladas, sendo, desde há muito, uma das referências dentro do segmento das berlinas de luxo.

É graças a esta construção leve, que este Audi A8, mesmo quando equipado com a motorização 'base' 3.0 V6 TDi de 262cv, com tracção 'quattro' e caixa tiptronic de 8 velocidades, consegue rubricar uma aceleração dos 0-100km/h em apenas 5.9s, num silêncio e suavidade desconcertantes!

A velocidade máxima está limitada aos habituais 250km/h, sendo que a 140km/h, em 8ª velocidade, se rola com menos de 2.000rpm. Ainda assim, durante o ensaio, os consumos raramente se afastaram dos 9 a 10ltrs/100km, sacrificando a generosa autonomia que o enorme depósito de 82 litros faria supor.

Como é típico deste tipo de automóveis e assumindo que muitos dos seus proprietários viajarão no banco traseiro, a condução é extremamente filtrada, estando o elevado nível de conforto e leveza de utilização dos comandos, intimamente ligada a uma condução pouco entusiasmante e desprovida de grande carácter. O objectivo não é, como é óbvio, favorecer o comportamento dinâmico, mas sim a agradabilidade de utilização, que se pretende fácil, descomprometida e com generosas doses de conforto, que nem mesmo as enormes jantes de 20 polegadas presentes na unidade ensaiada, puderam beliscar.

O 'RD' que pude conduzir ao longo de 4 dias, apresentava um preço final superior a 142.000€, estando 'polvilhado' com inúmeros extras, que orçavam em qualquer coisa como 26.890€!

Pormenores de requinte como; tablier e consola central integralmente forrados a pele, tecto e palas para o Sol cobertas com alcântara, pacotes 'advance' e 'exclusive', bancos revestidos por pele exta-suave, aquecidos e com uma miríade de regulações eléctricas, recebem-nos num interior onde as palavras 'qualidade' e 'robustez' seguem de mãos dadas.

A posição de condução é isenta de falhas, primando por uma ergonomia cuidada e rigor tipicamente alemão. O espaço a bordo é imenso e apesar de nos lugares dianteiros nos sentarmos como que em poltronas é, sem dúvida, nos lugares traseiros que seguimos em 1ª classe. Desfrutamos de generosa largura para os ombros e a enorme distância para os bancos dianteiros, permite-nos traçar a perna sem qualquer dificuldade. Entre os lugares traseiros, no 'vulgar' apoio de braço, estão presentes os controlos do AC quadrizona para os lugares traseiros, que em conjunto com vidros duplos e cortinas electrícas nas portas e vidro traseiro, garantem privacidade quase total.

O sistema de som Bose Surround, é também um extra, fazendo-nos esquecer que seguimos dentro de um automóvel, tal a potência e fidelidade de som disponíveis.

Ao volante, as sensações são algo mistas. Se por um lado fiquei fã do sistema de desmultiplicação variável da direcção, permitindo manobrar o enorme A8 a baixas velocidades com pequenos inputs de volante, por outro, fez-me sentir 'desligado' das rodas da frente, não se percebendo, com exactidão, onde e como pisa o eixo dianteiro.

Apesar de muito confortável, a suspensão pneumática pareceu-me algo 'saltitante' quando em carga sobre maus pisos. Algo particularmente notório no modo ‘dynamic’, mas sem consequências nefastas na compostura do navio almirante de Ingolstadt.

O imenso binário de 580Nm, disponível logo a partir das 1.750rpm, permite recuperações fáceis, não obrigando a tiptronic a trabalhos redobrados, nem tão pouco convidando à utilização das patilhas presentes no lindíssimo volante desportivo multifunções... também ele um extra.

O 3.0 V6 TDi brinda-nos com uma total ausência de vibrações, o que, a par com a excelente insonorização e disponibilidade revelada, nos impele para velocidades proibitivas com a mesma facilidade com que os enormes travões são capazes de dissipar os exageros do condutor.

Graças aos fabulosos faróis 'Matrix LED', que engordam a extensa lista de opcionais, conduzir de noite não só é um prazer, como uma verdadeira brincadeira de crianças. Cada óptica é composta por 25 LEDs que gerem de forma autónoma o melhor feixe de luz em todas as situações, evitando não só o encandeamento do trânsito que segue em sentido contrário, como também garantido uma visibilidade ímpar. Em conjunto com o sistema de 'cruise control' assistido por radar e sistema de manutenção na faixa de rodagem que intervém directamente sobre a direcção, é desconcertante a forma como é possível seguir a 120km/h numa autoestrada, de noite, praticamente sem intervenção humana, ‘guiados’ por este super-sedan em total e completa segurança até ao nosso destino.

Mesmo sem sofrer grandes alterações desde 2014, o A8 mantém-se no topo das berlinas de luxo, quer em termos de design, conforto e espaço habitável, quer pela actual panóplia de sistemas de segurança, entretenimento ou ajudas à condução.

- Ambrósio! Agora conduza você que eu quero acabar de ler o jornal….

Notícias relacionadas