Tags: Negócio |

O futuro da gestão ativa: estamos perante um ponto de inflexão?


(TRIBUNA de Gavin Ralston, responsável de instituições oficiais, e Kristjan Mee, estratega da Schroders. Comentário patrocinado pela Schroders.)

Desde a crise financeira mundial, os gestores ativos têm enfrentado importantes desafios. Esta tendência tem-se mantido nos últimos dois anos, durante os quais menos de metade dos gestores ativos conseguiram superar os índices de referência em mercados como o Reino Unido e os emergentes.

Ao mesmo tempo, a transferência de fluxos de investimento de fundos ativos para passivos tem crescido em regiões como os EUA. Assim, em agosto de 2019, os fundos indexados nos EUA superaram os seus homólogos ativos no que se refere a ativos de baixa gestão. No entanto, na Europa, a mudança de fundos ativos para indexados está menos avançada. De facto, os fundos de gestão ativa continuam a ser o veículo dominante com uma quota de mercado de 71%.

AdvertisementMuitos poderiam pensar que estamos perante o fim da gestão ativa, no entanto, na Schroders acreditamos que não nos encontramos perante uma circunstância inédita: a rentabilidade decorrente da gestão ativa tende a ser cíclica, pelo que períodos com maus retornos costumam ser seguidos de um aumento no número de gestores que superam os seus índices de referência. Por isso, poderíamos estar perante um ponto de inflexão.

Uma questão de “estilo”

Durante a última década, o motor mais importante da rentabilidade das carteiras de ações ativamente geridas tem sido o estilo de investimento do gestor. Apesar de que a tendência a longo prazo das ações mais baratas é ter uma rentabilidade superior, o value tem registado um desempenho pior que o growth desde a crise financeira. Algumas das razões que justificam este fenómeno são o prolongado período de crescimento lento, as políticas de flexibilização quantitativa e as taxas de juro baixas. Neste ambiente, o mercado recompensou as empresas que conseguiram ter um forte crescimento ou, pelo menos, a expetativa de tal crescimento no futuro.

No entanto, os gestores nem sempre optaram por uma sobreponderação no value. No seguimento da grande crise, a exposição dos gestores ativos ao growth foi de sobreponderação até começarem a reduzi-la nos princípios de 2016 por considerarem que começava a estar caro. Se olharmos para trás, os gestores chegaram demasiado cedo para descontar o potencial das ações growth e mostraram-se demasiado otimistas quanto às perspetivas das ações value.

Outros fatores a ter em conta

Não é a primeira vez que vemos algo semelhante. Nos finais da década de 90 e princípios de 2000, a grande maioria dos gestores ativos obtiveram uma rentabilidade inferior devido às suas renitências em comprar ações de tecnologia de forma especulativa. A cautela deu bons resultados, já que as ações value registaram uma rentabilidade superior durante vários anos após o rebentar da bolha das dotcom. Atualmente, ainda que as ações growth não estejam tão extremamente sobrevalorizadas como há duas décadas, as value continuam a estar baratas se tivermos em conta a sua evolução recente.

schrodersPT

Além disso, não podemos eliminar da equação outros fatores que tiveram impacto no desempenho da gestão ativa. Por exemplo, o grau de correlação e dispersão das ações. Os gestores ativos obtêm melhores resultados quando a correlação é baixa e a dispersão é alta. No entanto, para desgraça de muitos gestores ativos, o período posterior à crise financeira mundial caraterizou-se por uma alta correlação e uma baixa dispersão. Os mercados foram mais influenciados por diversos temas macroeconómicos, como as expetativas de flexibilização quantitativa do banco central, e menos pelas perspetivas futuras de empresas individuais.

O futuro da gestão ativa

Cremos que as circunstâncias descritas neste artigo são cíclicas e cremos que vários dos fatores que levaram a um pior desempenho da gestão ativa durante a última década poderiam reverter-se. Em particular, se virmos um melhor comportamento das ações value, uma maior diferenciação das perspetivas das empresas individuais e maior volatilidade, a gestão ativa deveria reafirmar a sua importância nas carteiras de investimento.

Para mais informações clique aqui.

Profissionais
Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido