O acordo da UE sobre o Fundo de Recuperação anima os mercados: as reações das gestoras internacionais


Após mais de quatro dias de reuniões e muitos altos e baixos, a União Europeia alcançou um acordo histórico com o qual põe em cima da mesa 750.000 milhões de euros para a recuperação após a crise do COVID-19. Finalmente este pacote será composto por 390.000 milhões de euros em subvenções e 360.000 milhões de euros em empréstimos, o que implica uma mudança face à ideia inicial já que, segundo explica Esty Dwek, responsável de estratégias globais da Natixis IM “esta divisão representa um compromisso de 52%/48% para os Quatro Frugais face à proposta inicial de que dois terços do Fundo fossem desembolsados sob a forma de subvenções”.

 Não é a única modificação pela qual o acordo passou, pois também os outros programas da UE incluídos no plano Next Generation, incluindo gastos em inovação e ecologia, sofreram cortes em comparação à proposta inicial. As condições de governance e os mecanismos de controlo do fundo também foram revistos, bem como uma revisão da sua posta em prática por maioria qualificada, para dar mais garantias aos países que mais contribuem, como a Alemanha, Holanda, Dinamarca, Dinamarca e Suécia. De facto, como explica Wolfgang Bauer, gestor da equipa de Fixed Income da M&G, "isto não é trivial, pois mostra que o compromisso alcançado se baseia, pelo menos em parte, num incentivo extraordinário para certos países que não pode ser replicado como poderiam desejar. "

Além disso, como lembra Nicola Mai, gestor e analista de crédito da PIMCO, o acordo ainda precisa passar por um processo parlamentar antes de se tornar realidade. “Os próximos passos serão a aprovação do Parlamento Europeu e as ratificações dos parlamentos nacionais de todos os países; embora possa haver algum ruído ao longo do caminho, espero que passem sem muito drama. O acordo reforça as ações do BCE em apoio aos mercados soberanos e apoia a nossa postura construtiva nos periféricos europeus.”

De facto, as notícias foram muito bem recebidas por alguns mercados que apreciam qualquer ajuda para aliviar a crise do COVID-19, seja o que vem dos bancos centrais ou o que vem dos governos, e uma prova disso vem do facto de os índices de ações europeus terem celebrado este acordo com uma subida de 2%, o que deixou indicadores como o Dax alemão em terreno positivo este ano. Também houve uma certa recuperação no mercado de obrigações, especialmente nos países como Itália ou Espanha, que receberão grande parte da ajuda com 80.000 e 70.000 milhões de euros, respetivamente. De facto, de acordo com Paul O´Connor, responsável de Multiativos da Janus Henderson, foi justamente esse sentimento positivo em torno do acordo que "nas últimas semanas levou o euro ponderado pelas atividades comerciais a máximos anuais e reduziu o spread entre a dívida pública italiana e alemã para os níveis pré-coronavírus ".

Afinal, como explica Anna Stupnytska, economista macro global da Fidelity, "com a política fiscal finalmente a avançar para facilitar a recuperação pós-covid 19, o BCE não é mais o único jogador em campo. Esta poderosa combinação de políticas monetária e fiscal - bem como a forte vontade política de garantir não apenas a sobrevivência da UE, mas também o seu sucesso em várias dimensões - tem o potencial, talvez mais do que nunca, de melhorar fortemente a economia da UE nos próximos anos".

Esse caráter histórico também é destacado por Sebastien Galy, responsável de estratégia macroeconómica da Nordea AM. "É um momento importante na história da União Europeia, dado o tamanho do pacote, a capacidade de não reduzir a ajuda sob pressão dos países frugais e o facto de que tudo será financiado por obrigações da UE. Esse tipo de responsabilidade comum para a União Europeia não tem precedentes em termos de tamanho e, para vencer, a periferia teve que aceitar condições, o que é simplesmente uma medida sensata ", afirma.

Quanto ao financiamento de um plano tão ambicioso, que o Presidente do Governo da Espanha Pedro Sánchez comparou com o Plano Marshall, será financiado pela dívida conjunta sob responsabilidade da Comissão Europeia num claro passo da Europa em direção a essa integração que tem sido tão requerida em crises anteriores. Além disso, lembra Galy, é previsível que o financiamento dessa dívida forneça um “benefício aos bancos europeus como principais emitentes, e é provável que uma parte significativa seja via títulos verdes como iniciativa para enfrentar aquecimento global ".

No entanto, embora a aprovação da UE deste fundo de reconstrução seja uma novidade, é fundamental não apenas impulsionar os mercados, mas principalmente a economia após a recessão causada pelo COVID-19Gilles Moec, economista-chefe da Axa IM, enfatiza que não pode ser a única coisa que apoia a recuperação. "Estamos a falar de gastos com subsídios inferiores a 0,4% do PIB da UE por ano até 2027, com uma acumulação lenta. Não pode ser um substituto completo dos esforços fiscais nacionais, longe disso", diz ele.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido

Próximos eventos