Tags: ISR |

MSCI lança uma nova ferramenta para que os investidores meçam o impacto das mudanças climáticas nas suas carteiras


O provedor de índices mundiais MSCI Inc. anunciou uma nova ferramenta para ajudar os investidores a medir o impacto que podem ter as mudanças climáticas nas avaliações das empresas onde investem. O nome desta nova solução é Climate VaR e procura identificar os ativos que podem estar em risco com os piores efeitos das mudanças climáticas, enquanto ajuda a identificar oportunidades de investimento inovadoras de baixo carbono.

A ferramenta cobre mais de 10.000 empresas, e avalia tanto o efeito que podem ter as mudanças climáticas nas ações como nas obrigações corporativas das empresas.

“A atitude do mundo perante as mudanças climáticas evoluiu rapidamente devido às dramáticas alterações ambientais, sociais e de governance que impulsionam a passagem para um sistema económico de baixo carbono. Ao chegar a este ponto de inflexão, os investidores estão a expressar publicamente o seu desejo de tomar medidas e abordam eles próprios a urgente realidade das mudanças climáticas, e também estão a instigar outros membros da indústria dos investimentos a fazê-lo também. Como resultado, a gestão do risco climático tornou-se num importante princípio do processo de investimento em conjunto com a capacidade de medir o impacto do clima e construir carteiras resistentes ao risco climático”, afirma Remy Briand, responsável de ESG, na MSCI.

A nova ferramenta do provedor de índices apresenta quatro aplicações para os investidores:

  • Cenários de transição política: trata-se de sobrepor as perspetivas da política climática e a futura redução das estimativas de preços nos dados da empresa. Proporciona uma visão de como as atuais e as próximas políticas climáticas afetarão as empresas.
  • Cenários de transição da inovação: o cenário da tecnologia de baixo carbono baseia-se em dados específicos de patentes, que proporcionam uma visão dos investimentos estratégicos que as empresas estão a fazer para ajudar a transição para uma economia de baixo carbono.
  • Potencial aquecimento da carteira: calcula a contribuição das atividades de uma empresa em relação às mudanças climáticas, dando um valor exato de temperatura que significa com temperatura futura as atividades de uma empresa estão atualmente alinhadas.
  • Riscos físicos e oportunidades: avaliam o risco financeiro em relação a vários perigos climáticos extremos, como o calor e o frio extremos e o risco de inundações.

Notícias relacionadas

O Mais Lido