MS INVF Global Opportunity Fund: Promoção de um alinhamento a longo prazo com os clientes


A entidade gestora Morgan Stanley IM disponibilizou a seguinte informação acerca do fundo MS INVF Global Opportunity Fund, classificado com ambos os selos Favorito dos Analistas e Blockbuster pela Funds People:

MS INVF Global Opportunity Fund

1. Breve descrição do fundo

O objetivo de investimento do Global Opportunity Fund é procurar uma valorização de longo prazo, medida em dólares norte-americanos. O fundo irá procurar alcançar o seu objetivo de investimento ao investir principalmente em títulos acionistas, incluindo certificados de depósito (incluindo Certificados de Depósito americanos (ADRs) e Certificados de Depósito Globais (GDRs)), de emissores situados em qualquer país.

2. Principais diferenças face a produtos semelhantes no mercado

A equipa Global Opportunity gere carteiras altamente diversificadas carteiras concentradas nas nossas ideias da mais elevada convicção. As nossas características diferenciadoras incluem:

  • Os nossos incentivos promovem um alinhamento de longo prazo com clientes
  • O nosso research de mudança disruptiva ajuda a encontrar grandes ideias para as carteiras
  • Os nossos valores de curiosidade, de perspetiva e autoconhecimento e parceria promovem um processo de investimento sustentável e consistente
  • A nossa filosofia de investimento é simples: os princípios de investimento Warren Buffett aplicados a empresas em crescimento.

3. Objetivos de investimento

Não mantemos um retorno esperado explícito. O nosso objetivo de investimento é procurar uma valorização de longo prazo. Historicamente, a composição da estratégia alcançou mais de 700pbs de retorno em excesso anualizado, gross of fees, versus o benchmark desde o lançamento até 31 de março de 2018.

Não estabelecemos alvos artificiais porque não queremos ficar complacentes quando estamos a ultrapassar o alvo ou, pelo contrário, a começar a ter números elevados quando estamos atrás. Queremos capturar a oportunidade enquanto gerimos o risco. Parte de gerir o risco é gerir a própria tendência cognitiva. Ao não ter um alvo explícito, não podemos ficar descansados com o que fizemos no dia anterior. Temos de ter a mentalidade de lutar todos os dias pela maximização do alfa enquanto protegemos o risco dos nossos clientes.

4. Abordagem de investimento

O adviser de investimento enfatiza um processo de seleção de ações bottom-up, procurando investimentos atrativos numa base de empresa individual. Na seleção de títulos para o investimento, o adviser de investimento procura empresas emergentes, estabelecidas e de alta qualidade que o adviser de investimento acredita ser subvalorizada na altura da compra. O adviser de investimento favorece normalmente empresas que acredita terem vantagens competitivas sustentáveis que podem ser quantificadas monetariamente através do crescimento.

5. Restrições de investimento:

Por posição

Normalmente, iniciamos um tamanho de posição de 1% a 5% pelo seu custo. O limite máximo para uma ação individual é 10% de NAV, embora não compremos, normalmente, uma posição acima de 5%.

Geográficas

A estratégia não tem restrições mínimas/máximas específicas. As ponderações por países/regiões são um reflexo do processo de seleção de ações bottom-up. Um só país é limitado a 25% de sobreponderação versus o benchmark.

Por setor

A estratégia é construída usando uma metodologia bottom-up. As ponderações por indústria e setores são um reflexo do processo de seleção de ações. Não temos limites setoriais definidos. Uma só indústria é limitada a 25%.

6. Benchmark e tracking error

Benchmark:

O MSCI All Country World Index é o benchmark para a estratégia Global. Como equipa somos agnósticos relativamente ao benchmark. O benchmark não é um ponto de referência aquando da geração de ideias ou na tomada de decisões da construção da carteira. Detemos títulos fora do benchmark e não temos limites nesta exposição.

Tracking error:

A equipa de investimento não gere os limites de risco absoluto e relativo. Embora não exista a gestão relativamente a um número específico, monitorizamos o tracking error futuro e histórico. Historicamente, o tracking error dos nossos portfolios Global Opportunity relativamente ao MSCI All Country World Index variou de 5% para 10%. Em tempos de volatilidade extrema, o nosso intervalo de tracking error pode ser mais alto.

7. Número de títulos e rotatividade

A estratégia Global Opportunity detém normalmente sentre 30 e 45 títulos.

O número de títulos no fundo MS INVF Global Opportunity no dia 30 de abril 2018 era de 38.

A nossa equipa não gere os nossos portfolios a uma percentagem de rotatividade anual específica. A rotatividade de carteira anual varia normalmente entre 20% a 50% nos nossos portfolios, o que implica um período de retenção de investimento de três a cinco anos, em média.

A rotatividade anual para o fundo MS INVF Global Opportunity no dia 30 de abril de 2018 era de 19,93%.

8. Política de risco

A gestão de risco é uma parte essencial do nosso processo de investimento. Num sentido absoluto, procuramos ter grandes ideias que vençam ao longo do tempo. O nosso horizonte temporal é de cinco anos. Tentamos evitar perdas permanentes, que definimos como vender uma posição com prejuízo, ao comprar negócios de alta qualidade. Consideramos os riscos inerentes em cada posição questionando-nos a nós próprios o que poderá acontecer de mal ao avaliar os desenvolvimentos da empresa no contexto da tese de investimento. Mantemos a nossa objetividade ao referir a tese de investimento, que afirma claramente a razão de termos uma ação, e quando as circunstâncias que ocorrerem violarem a tese, vendemos, e não modificamos a tese. Gerimos portfolios que estão bem diversificados como forma de controlar o risco ao nível do portfolio.

Acreditamos que o risco idiossincrático pode ser reduzido ao abordar o que interessa ao nível da empresa. Limitamos o risco de valorização ao não pagar um preço que excede o valor. Limitamos o risco de sustentabilidade ao analisar a ameaça de disrupção, força financeira e externalidades de ESG.  Limitamos o risco de fundamentais de vantagens competitivas que se deterioram e oportunidades de crescimento. Os riscos de portfolio são mitigados por reduzir exposições fatoriais correlacionadas com o apoio de relatórios mensais das equipas de risco e concessão de carteiras.

Medimos o risco de mercado e principal ao nível da carteira ao monitorizar a volatilidade de carteira atribuída aos movimentos no mercado e determinar o impacto de uma perda real no total do portfolio. Gerimos este risco através da diversificação de investimentos.

9. Política de liquidez

O produto não tem um mandato para estar totalmente investido. Acreditamos que ter a flexibilidade para gerir liquidez e tirar partido das deslocações nos mercados de capital pode ser benéfico. Ter alguma liquidez durantes estes acontecimentos de mercado pode evitar que sejamos um vendedor forçado e beneficiar possivelmente com a volatilidade. Para veículos de fundos também serve para reduzir a rotatividade forçada de subscrições/resgates. Para contas separadas somos capazes de gerir a um mandato totalmente investido, no entanto, preferimos normalmente, uma pequena quantia de flexibilidade de liquidez para gerir melhor o risco.

10. Cobertura cambial

Normalmente não fazemos cobertura cambial.

Atualmente a estratégia tem uma pequena posição (menos de dez pontos base) em put options estrangeiras com o propósito de se assegurar contra uma desvalorização significativa da moeda chinesa.

11. Uso de derivados

A estratégia Global Opportunity pode usar derivados financeiros, incluindo opções over-the-counter e opções exchange traded, futuros e outros derivados, para fins de investimento para capturar oportunidades de mercado ou para uma gestão de carteiras eficiente. A estratégia não investe extensa ou principalmente em instrumentos derivativos financeiros.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido