Morgan Stanley IF Emerging Markets Corporate Debt Fund: Experiência e abordagem ponderada ao risco


A entidade gestora Morgan Stanley IM disponibilizou a seguinte informação sobre o fundo Morgan Stanley Investment Funds (MS INVF) Emerging Markets Corporate Debt Fund com o selo Blockbuster Funds People :

1. Breve descrição do fundo

O Morgan Stanley Investment Funds (MS INVF) Emerging Markets Corporate Debt Fund é orientado para a geração de valor e procura maximizar um retorno total através dos rendimentos e da valorização dos preços, investindo principalmente através do espetro de crédito de dívida de emissores corporativos de mercados emergentes. Os investimentos são maioritariamente denominados em dólares americanos e poderão incluir moedas não norte-americanas e/ou moedas locais. A equipa segue um processo de investimento disciplinado que combina a alocação top-down de países, com a alocação bottom-up de seleção de títulos de forma a identificar oportunidades de investimento em títulos subvalorizados dentro do espetro de mercados emergentes.

2. Diferenças principais relativamente a produtos semelhantes no mercado

Genericamente, acreditamos que o nosso fundo difere da concorrência baseando-nos na nossa:

Integração de research de dívida soberana e corporativa, que utiliza parâmetros que integram avaliações económicas, sociais e políticas.

Experiência em dívida ME, uma vez que temos estado a gerir ativos desde o início da classe de ativos em 1993.

Especificamente, a nossa abordagem em tomar riscos adequados quando estes são compensados e fornecer aos investidores uma exposição longa a dívida corporativa de ME levou a um perfil de risco/retorno favorável para a estratégia versus o mercado como um todo, bem como relativamente aos concorrentes.

3. Objetivo de investimento 

O fundo tem como objetivo ultrapassar o benchmark em aproximadamente 100-200 pontos base (taxas brutas) anualmente durante o percurso do ciclo de um mercado (três a cinco anos).

4. Restrições de investimento:

 - Qualidade dos emissores

Acreditamos que as oportunidades residem em todo o espetro de crédito e não têm nenhum critério mínimo de avaliação para a carteira. Além disso, não acreditamos que as avaliações de crédito são o melhor medidor de riscos de crédito e soberanos, uma vez que tendem a ser indicadores de atraso. Avaliações de crédito, enquanto são consideradas, não são um fator principal na decisão de investir numa posição.

 - Geográficas

Normalmente, entre +/- 10 pontos de percentagem do benchmark. Se um país não fizer parte do índice, a posição máxima nesse país será de 5% de peso de mercado.

 - Setoriais

Quando permitido, normalmente limitamos uma exposição geral a dívida de mercado local a 25% do total da carteira e limitamos exposição geral a dívida soberana de moeda forte a 25% do total da carteira.

5. Faixas de duração 

Geralmente limitamos +/- 1,5 anos versus o índice

6. Benchmark e tracking error 

   Benchmark:

   O benchmark do fundo é o JPMorgan Corporate Emerging Markets Bond Index Broad Diversified.

   Tracking error

   Enquanto geralmente não fixamos um nível específico de tracking error, utilizamo-lo como medidor para aceder ao risco relativo da carteira. Calculamos também a contribuição para o tracking error dos títulos da carteira em cada país versus o benchmark. Isto permite-nos assegurar que os riscos dentro da carteira estão a ser tomados no país em causa e permite-nos minimizar os riscos não planeados. Esperamos um tracking error de 150-250 pontos base anualmente, durante um ciclo de mercado.

7. Número de títulos e rotatividade

A partir de 30 de abril de 2018, o número de títulos e rotatividade é de 166 e 69,84%, respetivamente.

8. Política de risco

A gestão de risco e a adesão a restrições de investimento fazem parte do nosso processo de gestão de carteira e é realizado ao nível do portfolio e da empresa, de forma diária. A equipa EMD é, em última instância, responsável pela monitorização das restrições de investimento. Para tal, a equipa também conta com assistência de um número de unidades independentes. Descrevemos abaixo a nossa estrutura de gestão de risco.

Nível da carteira

Ao nível da carteira, a gestão de risco é realizada em ambos os níveis de carteira de segurança individual e total pela equipa EMD. Acreditamos que os riscos devem ser equilibrados em relação às possíveis recompensas, tendo em conta não só os riscos individuais de cada investimento, mas também como esses riscos interagem com outros investimentos no portfolio. Todas as medidas de risco são comparadas com o benchmark e focamo-nos no risco relativo, uma vez que os nossos investidores esperam que estejamos sempre plenamente investidos. A gestão de risco é uma parte fulcral da construção da carteira e das atividades diárias de gestão.

Utilizamos o BlackRock Aladdin, entre outros, para gerir os riscos da carteira, construir trades, executar decisões de investimento, e monitorizar o cumprimento com as diretrizes de investimento. Todo trading nas carteiras de obrigações passa pelo sistema e as equipas de investimento utilizam os relatórios de risco diários e processos que o Aladdin produz (relatórios Green Package e ferramentas GP Live). Aladdin é a principal ferramenta analítica que a equipa utiliza para monitorizar e gerir os seus portfolios, utilizando-se adicionalmente o Aladdin para comercializar todos os instrumentos dentro desses portfolios.

Os controlos de riscos estão incorporados no processo de carteira como uma verificação para assegurar que estamos a construir a carteira numa forma que é consistente com o nosso panorama de investimento para cada país, segurança, e orientação de mercado geral. A equipa de investimento encontra-se diariamente para discutir alterações no ambiente global e o seu impacto nas métricas de risco do portfolio. Os parâmetros de risco no nível geral do mercado são constantemente monitorizados para isolar e medir o impacto das várias categorias de risco. A nível da carteira, utilizamos seis métodos diferentes de monitorizar exposição de risco, exposição de peso do mercado, a duração da taxa de juro, beta, testes de esforço, análise de cenários, tracking error e valores de risco.

Nível de empresa

A nível de empresa, a equipa de Análise Global de Risco (GRA) é o nosso departamento dedicado à gestão de risco e funciona independentemente das funções de negócio tais como gestores de carteiras e vendas e marketing. Acreditamos que esta supervisão independente de risco nos fornece uma verificação crítica e um sistema equilibrado entre Gestão de Investimento e Gestão de Risco. A equipa de investimento de risco GRA cestá dividida em divisões que cobrem o Risco de Investimento, Research Quantitativo & Avaliação do Modelo e Risco de Contraparte.

As equipas de Investimento de Risco, juntamente com a equipa GRA de Pesquisa Quantitativa & Avaliação de Modelo, são um recurso para os gestores de carteiras e gestão senior, fornecendo conselhos sobre as construções das carteiras sensíveis ao risco. A equipa GRA realiza relatórios aprofundados para cada programa de investimento mensalmente, focando-se em tracking error, R-squared, beta, informatio ratio e exposições absolutas e relativas versus o benchmark. A equipa utiliza uma gama baseada em fornecedor e sistemas proprietários para realizar esta análise. Os relatórios sobre cada estratégia de investimento está disponível para os gestores de carteiras, especialistas de produto e para o comité de risco a nível da empresa.

A MSIM tem vários controlos internos existentes para assegurar um cumprimento de todas as leis aplicáveis e regulamentos, fornecendo um serviço superior aos nossos clientes e ajudando a salvaguardar o franchise da empresa e a reputação da mesma. Para além das equipas supramencionadas, outras equipas que fornecem uma supervisão independente incluem o Cumprimento, Comércio, Auditoria Interna, Jurídico, Gestão de Investimento Tecnológico e Operações Globais.

9. Política de Liquidez

Não existem critérios de liquidez impostos externamente ou uma capitalização de mercado imposta dentro do processo de investimento. No entanto, à medida que vamos revendo os processos de seleção de títulos e seleção país, sobreponderamos o peso das emissões e consideramos a liquidez na análise de cada título incluído. A dívida de mercados emergentes é relativamente líquida, com os tamanhos das emissões a serem considerados na ordem dos milhões de dólares. Prevemos que o mercado de capitalização de dívida emergente denominada em moeda local seja superior a 7 biliões USD.

10. Cobertura cambial

A Cobertura de divisas pode ser utilizada para objetivos táticos. O fundo historicamente investiu apenas em emissões denominadas em dólares, mas tem a capacidade de investir em emissões de moeda local, uma vez que acreditamos que será uma grande parte do mercado no futuro.

11. Uso de derivados

O fundo utiliza derivados taticamente, incluindo: fowards cambiais, credit linked notes, swaps de taxas de juro, total return swaps, cross currency swaps, opções e futuros de taxas de juro. Estes instrumentos são usados para hedging, acesso de mercado ou propósitos eficazes no portfolio. Não utilizamos derivados que incorporem alavancagem ou introduzam riscos que não são de outro modo permissivos dentro das diretrizes do fundo.

 

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido