Morgan Stanley Investment Funds - Indian Equity Fund


A entidade gestora Morgan Stanley IM disponibilizou a seguinte informação acerca do fundo Morgan Stanley Investment Funds - Indian Equity Fund, classificado com o selo Consistente pela Funds People:

Breve descrição do fundo

A Morgan Stanley Investment Funds (MS INVF) Indian Equity Funds procura apreciação de capital a longo prazo ao investir em ações listadas na bolsa de valores indiana. Temos como objetivo gerar retornos anuais que excedam os do benchmark em 200-300 pontos, numa base rotativa de três a cinco anos.

Principais diferenças face a outros produtos no mercado

Acreditamos que o MSIM pode oferecer-lhe a diversidade, experiência e o conhecimento do mercado local necessário para entregar retornos convincentes na Índia. Acreditamos que o fundo pode oferecer as seguintes vantagens competitivas:

  • Pioneiros nos mercados emergentes e na Índia

Como pioneiros nos mercados emergentes, a MSIM demonstrou competência e compromisso para com a região. O MSIM foi pioneiro nos mercados emergentes, primeiro ao investir em classes de ativos em 1986, originalmente na Ásia emergente. Fomos um dos primeiros investidores estrangeiros na Índia em 1989. O MSIM abriu o seu primeiro escritório na Índia em 1993 para estabelecer o negócio local de fundos. Deixámos o negócio local em 2014 e estamos agora dedicados apenas no aconselhamento financeiro de offshores. Os recursos da equipa de aconselhamento do portefólio do MSIM India baseada em Mumbai estão dedicados inteiramente aos investimentos na Índia.

  • Escritório local

A Índia é um mercado onde perceber a nuance local e construí-la no processo de investimento é decisivamente importante. O MSIM abriu um escritório local na Índia em 1994 e, nos últimos 20 anos, incluiu este entendimento do contexto local no nosso investimento. Os recursos da equipa de aconselhamento do portefólio do MSIM India sediada no Mumbai estão dedicados inteiramente aos investimentos na Índia.

  • Processo de investimento top-down e bottom-up integrado e personalizado para resultar no contexto indiano

A nossa experiência de investir na Índia mostrou-nos que uma abordagem que integre pesquisa macro-temática e análise bottom-up resulta melhor na Índia. O nosso processo de investimento é personalizado para resultar no contexto indiano. Desenvolvemos as nossas alternativas para lidar com os desafios da “macro data” na Índia, já que estes dados são divulgados com atraso e são muitas vezes sujeitos a revisões. Além disso, dependemos mais do nosso painel de indicadores de alta frequência (por exemplo, o consumo de gasóleo, envios de cimento, produção de energia e venda de automóveis) que são mais fiáveis e atempadas a detetar pontos de inflexão e tendências de aceleração ou desaceleração nos setores comparados com a taxa de crescimento do PIB global ou números de inflação.

Também desenvolvemos o nosso próprio método proprietário de “peneiração” através de um largo universo de 50.000 ações listadas. Com o passar dos anos, mantivemos uma revisão constante e atualizámos uma pequena lista de empresas que satisfaz os nossos critérios nos parâmetros de qualidade, administração, dimensão, liquidez e de histórico que sentimos que transmitem a visão do setor. Quando o painel de alta frequência identifica um setor/indústria que atingiu um ponto de inflexão ou que confirma uma tendência, perdemos pouco tempo a decidir em que ações vão beneficiar do “empurrão” do setor. A nossa longa memória institucional, vinda de uma equipa estável e com experiência, serve-nos bem. Esta abordagem torna-nos bastante ágeis.

  • Ênfase na pesquisa interna em oposição à dependência do “sell side”

Uma prova disso é o facto de que o nosso portefólio tem nomes que ou não têm cobertura pelos analistas de “sell side” ou cuja cobertura tem de vir após iniciarmos a nossa posição. Como tal, o nosso portefólio difere dos portefólios "large-cap" com um benchmark definido.

  • Processo de investimento disciplinado

Seguimos um processo de investimento disciplinado que requer que compremos ações apenas quando concluirmos o rationale do investimento. Sabemos que muitas “ideias aparentemente boas” são filtradas quando tentamos definir a nossa tese por escrito – casar ideias que não podem ser suportadas por dados ou são difíceis de considerar num formato fundamentado. Também ajuda a eliminar preconceitos induzidos pela gestão e serve para nos relembrar da nossa tese original para o investimento nas alturas em que as notícias e a volatilidade de curto prazo fazem ruído.

  • Portefólio concentrado em crescimento e qualidade

A nossa experiência em gestão de dinheiro na Índia nas duas últimas décadas ensinou-nos que um portefólio concentrado de 30 ou 40 ações que incluam nomes de alta convicção oferece a melhor combinação de diversificação. O nosso portefólio tem tendência de crescimento e qualidade já que o amplo regime na Índia recompensa as empresas que aumentem os lucros de forma sustentada enquanto financiam o seu próprio crescimento através de um elevado retorno de ações.

  • Alavancar a competência de uma equipa de investimento global estável com uma vasta experiência

Como parte da nossa equipa de Global Emerging Markets, a equipa de Indian Equity tira partido e contribui para força da nossa macroeconomia global e da research de fundamentais temáticos e trans-regionais para ajudar a identificar oportunidades apresentadas a empresas indianas. A nossa interação com a equipa global ajuda-nos a estabelecer comparações entre países e setores num mundo cada vez mais interconectado. As nossas melhores ideias, são apresentadas de forma rotineira à equipa global durante as chamadas semanais ou sessões de mesa-redonda semianuais para as perspetivas e análise crítica, tal como reavaliamos constantemente os nossos níveis de convicção.

  • Relação com o governo e a indústria

Graças à presença global da Morgan Stanley, reputação e vários recursos, a equipa de investimentos tem acesso aos líderes do governo e à gestão das empresas. Tal acesso, ajuda a equipa na sua procura de fundamentais e estabelece relações de longo prazo com governos e empresas participadas.

Objetivos do investimento

Meta de retorno:

Temos como objetivo retornos anuais que excedam os do benchmark por 200-300 pontos, numa base rotativa de 3 a 5 anos.

Tracking error:

Enquanto o Fundo não é gerido para uma meta especifica de tracking error, este será monitorizado e esperamos que se mantenha entre 5 e 8%. Regularmente revemos o risco e as métricas de desempenho ajustado ao risco incluindo a derivação padrão de retorno absoluto, tracking error, Sharpe e ratios de informação do portefólio.

Foco do investimento

O nosso portefólio tem uma tendência de crescimento que pensamos ser um resultado natural por investirmos numa economia de crescimento rápido como a economia da Índia. O nosso processo de investimento enfatiza empresas que demonstram ter uma gestão de grande qualidade, boa visibilidade de lucros e uma forte posição no mercado. Ao focar-nos em empresas com ganho de rendimentos consistente ao longo do tempo, acreditamos que é a melhor fonte de retorno de investimentos. Procuramos, especificamente, setores que estão a crescer mais rápido do que o PIB nominal.  Entre esses setores, procuramos empresas a ganhar quota de mercado, ou seja, a receber rendimentos mais rápido do que o crescimento do setor. Se essas empresas o fizerem de forma lucrativa e com estrutura de capital correta, isso vai manifestar-se nos lucros que crescem mais rápido que os rendimentos. Na nossa experiência, os mercados normalmente voltam a classificar esses atributos, o que significa que os investidores estão dispostos a pagar mais pelo mesmo fluxo de dinheiro e rendimentos, implicando que os retornos de ações podem ser mais elevados do que o crescimento de lucro. Pensamos nesta pirâmide com PIB nominal no topo e os retornos de ações no fundo. Quando o topo da pirâmide está facilmente a crescer em dois dígitos, esperam-se números de crescimento muito maiores e a progressão em direção ao fundo da pirâmide é aceitável.

Limitações de investimento

- Por posição

- Geográficas

- Por setor

Acreditamos que investir em mercados emergentes com elevado crescimento e volatilidade requer uma gestão de risco apropriada para maximizar o potencial retorno do investimento. De forma a gerir o risco dentro do fundo, aplicamos os seguintes limites:

  • Limites

- Desvios do benchmark MSCI.

- Normalmente ±3% para ações, ±10% para a indústria, 1%-4% para dinheiro.

- Máximo ±8% para ações, ±20% para a indústria, 10% para dinheiro.

  • Diversificação

- Máximo 20% por empresa (com base na compra inicial)

- Número de ações: 30-40

- Monitorização do tamanho e posição relativos através de relatórios diários e semanais.

  • Liquidez

- Geralmente evitam-se ações pequenas e sem liquidez.

- Ajustar a dimensão e tamanho à liquidez da ação.

Benchmark e tracking error

  • O fundo é medido sob o MSCI India (Net) Index.

Tracking error:

Enquanto o fundo não é gerido de acordo com uma meta específica de tracking error, o mesmo será monitorizado e esperamos que se mantenha entre 5-8%. Revemos regularmente o risco e as métricas do desempenho ajustado ao risco incluindo a derivação padrão de retorno absoluto, tracking error, beta, Sharpe e ratios de informação do portefólio.

Número de participações e turnover

O fundo normalmente tem aproximadamente 30-40. À data de 30 de abril de 2018, o número de participações e de turnover era 36 e 46,83% respetivamente.

Política de risco

O MSIM tem políticas e procedimentos em vigor para assegurar que o grupo de Global Risk and Analysis (GRA) protege e adiciona valor à empresa e aos seus participantes através da identificação, medição, monitorização e gestão do risco de investimento, desempenho do investimento e risco operacional associado com as atividades da empresa. O GRA também fornece assessoria e programas de educação entre do MSIM para melhorar o risco de consciencialização a todos os níveis. Risco e emissões significativos, se aplicáveis, são reportados ao comité de risco firmware.

Função de gestão de risco

A equipa de GRA utiliza ferramentas qualitativas e quantitativas para analisar o risco de investimento por área do produto (ações, fixed income/liquidez, ativos alternativos e privados) e fornecem transparência, gestão de negócio, markting, clientes, reguladores e gestores de portefólio. Além disso, a equipa de GRA é responsável por implementar a framework do risco operacional na empresa e promover as boas práticas e informar sobre o risco operacional.

Feta Zabeli, Investment Management Head of Global Risk and Analysis, monitoriza a equipa GRA. A equipa GRA é segmentada em sub-grupos com várias especialidades de risco:

  • Risco de investimento – responsável por medir e reportar o risco na sua classe de ativos.
  • Pesquisa quantitativa e modelo de revisão – responsável por fornecer apoio quantitativo à equipa de Risco de Investimento e aos gestores de portefólio.
  • Risco de contraparte – responsável pela análise constante e relato de risco de exposição de contraparte.
  • Risco operacional – responsável por gerir o programa de riscos operacionais global dentro da empresa.
  • Análise e reporte do portefólio global – responsável pela atribuição e reporte de ações fixed income e produtos multi-ativos.

Monitorização do risco de investimento

As equipas de Risco de Investimento são responsáveis pela identificação, avaliação e articulação das emissões de risco de investimento que expõem a empresa ou os seus clientes a potenciais perdas financeiras como resultado da atividade de investimento do MSIM. As equipas também são responsáveis por cumprir os padrões de gestão de risco definidos pela variedade de autoridades reguladoras globais, tais como, o uso de derivados e alavancagem.

As equipas de Risco de Investimento, em conjunto com a equipa de Quantitative Research & Model Review do GRA, são um recurso para os gestores de portefólio e gestão sénior, que fornecem aconselhamento sobre a construção de portefólio sensível ao risco. A equipa de GRA concebe relatórios detalhados para cada programa de investimento mensalmente concentrando-se no tracking error, R-squared, Beta, Information Ratio e exposições absolutas e relativas face ao benchmark. A equipa utiliza uma gama de sistemas “vendor-based” e proprietários para realizar a sua análise. O relatório para cada estratégia de investimento está disponível para os gestores de portefólio, especialistas do produto, para equipas menos especializadas e para o comité de risco geral da empresa:

  • Active Fundamental Equity and Global Listed Real Assets Risk: responsável pela monitorização o Active Fundamental Equity e o negócio de Global Listed Real Assets.
  • Risco de Fixed Income e Liquidez: responsável pela monitorização do Fixed Income e pelos negócios de liquidez.
  • Soluções e Multi-ativos: responsável pela monitorização dos produtos de Alternativos e Alocação de Ativos.
  • Risco de contraparte: responsável pela monitorização do risco de contraparte de todos os negócios do MSIM.

Pesquisa quantitativa e revisão do modelo

A equipa de QRMR fornece apoio às equipas de Risco de Investimento e aos gestores de portefólio. Na sua capacidade de revisão, a equipa do QRMR faz uma revisão e validação crítica de duas classes de modelos quantitativos (avaliação da posição e modelos de risco (PVRM) e construção de portefólio e modelos de risco (PCRM)), quer desenvolvidos internamente ou através de vendedores. A capacidade de revisão do QRMR orienta muita da interação com as equipas de Risco de Investimento, com os gestores de portefólio e com os grupos de revisão modelo ao nível da empresa e, assim, informa e inicia muitos dos tópicos para o QRMR poder fazer a sua pesquisa.

Monitorização do risco de exposição de contraparte

A equipa de Risco de Contraparte é responsável por monitorizar e avaliar todos os assuntos relacionados com a contraparte dentro da empresa. O risco de contraparte é o risco de perda vindo do incumprimento ou da impossibilidade de a contraparte cumprir as suas obrigações financeiras. A contraparte e o crédito de risco surgem de a partir do “trading” de derivados e do risco de liquidação do broker associado com as transações DvP.

O MSIM tem procedimentos de gestão de risco de contraparte, incluindo padrões de a nível da empresa e de diretrizes para avaliação e aprovação tanto de derivados como de brokers de contrapartes. Os padrões requerem que todas as equipas de investimento, qualquer que seja a classe de ativos, usem apenas contrapartes aprovadas. O GRA pode garantir a aprovação das contrapartes abaixo do normal em casos excecionais.

A credibilidade das contrapartes é reavaliada formalmente pelo menos uma vez por mês, embora a equipa monitorize descidas de notação e qualquer mudança de crédito notórias diariamente. Além disso, os mercados de volatilidade financeira destacam a necessidade de nos focarmos em dados de mercado atuais. A equipa de risco de contraparte também monitoriza dados em tempo real para recolher qualquer princípio de sinal de alerta dos mercados. Certos sinais podem justificar mais research de crédito e investigação.

A exposição de derivados de contraparte também é revista mensalmente no comité IM Risk que inclui gestores sénior de várias áreas de negócio dentro da empresa. Normalmente, o Comité de Risco revê (i) tendências de exposição agregada por negócio, produto e maturidade (ii) diversificação de contraparte dentro da empresa e (iii) concentração de contraparte a nível individual do fundo.

O MSIM diminui o risco de contraparte vindo do portefólio através de uma combinação de abordagens, incluindo a seleção de contraparte graças à diligência e análise de crédito, assim como ao uso de documentos padrão aplicados legalmente pela indústria (ou seja, ISDA), colateral e garantias.

Monitorização de riso operacional

O chefe global de risco operacional, que reporta ao IM Head Of Global Risk and Analysis, gere a equipa de Risco Operacional de GRA. A equipa de Risco Operacional do GRA é responsável pela análise corrente, por relatar e diminuir os riscos operacionais. A equipa dirige um programa compreensivo que está em linha com o programa de risco operacional da empresa. A equipa de risco operacional também trabalha com as unidades de negócio e os grupos funcionais (Operations, IT, Controllers and Legal & Compliance) para identificar e avaliar riscos e criar planos de ação para diminuir riscos. Emissões de risco significativas, se aplicáveis, são relatadas ao comité geral da empresa.

Análise e relato do portefólio global

A equipa de Global Portfolio Analysis and Reporting (GPAR) é responsável pela e atribuição desempenho padrão e/ou análise, construção composta, manutenção e relato só de todos os produtos do MSIM globais (excluindo AIP). A equipa do GPAR é uma equipa global sediada em Nova Iorque, Londres e Mumbai.

Política de liquidez

A liquidez é algo a considerar quando se investe em mercados emergentes, até geralmente em volume crescente, certos mercados têm substancialmente menor volume de “trading” do que os mercados mais desenvolvidos. Por isso, os títulos de várias empresas não são tão líquidos quanto os títulos de empresas semelhantes em mercados maiores. Temos uma equipa dedicada aos traders dos mercados emergentes que são a melhor fonte de informação sobre as condições de liquidez, ambos num stock-specific e também nível de mercado geral. As considerações de liquidez são um elemento chave para analisar o universo do nosso investimento e contruir um portefólio.

As limitações de liquidez pelas quais cada título deve ser comercializado a pelo menos 1 milhão por dia senão a equipa não investe na empresa. A equipa atualmente regista a liquidez, tanto o volume de negócio diário e a posse total das ações num pacote mensal de risco.

Ao fazer a determinação de liquidez, a Morgan Stanley Investment Management considera:

  • A frequência de “trades” e as quotas para os títulos
  • O número de concessionários dispostos a comprar ou vender títulos e o número de potenciais compradores.
  • A natureza dos títulos e a natureza de “trading” no mercado.
  • Outros fatores e características do emitente que podem influenciar a comercialização dos títulos.

Cobertura cambial

Raramente utilizamos estratégias de cobertura cambial. Podemos considerar programas de cobertura defensiva como parte da nossa avaliação contínua dos parâmetros de retorno de risco apesar de ser muitas vezes demasiado caro.

Também vemos coberturas naturais do portefólio – títulos que podem melhorar em ambientes de fraca moeda como outra força de posicionar o nosso portefólio internamente (procura doméstica/ consumidores indianos) ou exterior (exportadores) à mediada que o ambiente o exija.

Uso de derivados

São utilizados derivados ocasionalmente para uma gestão eficiente do portefólio sem ser adicionada alavancagem. Restringimos o uso de derivados a apenas futuros de índices deste produto para usos de equidade ou para um propósito de aceso ao mercado.

Apesar de poder ser personalizado ou removido para uma estrutura de conta separada para satisfazer os requerimentos do cliente. Temos um limite interno de 10% nas posições de derivados (valor nocional) no portefólio.

Notícias relacionadas

O Mais Lido