Morgan Stanley Investment Funds - Global Bond Fund: Gestão de risco intensiva


A entidade gestora Morgan Stanley IM disponibilizou a seguinte informação acerca do fundo Morgan Stanley Investment Funds - Global Bond Fund, classificado com o selo Consistente pela Funds People:

Breve descrição do fundo

A Morgan Stanley Investment Funds (MS INVF) Global Bond Fund é orientada para a criação de valor e procura retornos totais atrativos do rendimento e da apreciação dos preços ao investir num portefólio global com multi-moeda com dívida emitida por governos e por outros emitentes. Para ajudar a atingir este objetivo, o fundo combina uma avaliação macroeconómica top-down para determinar o melhor posicionamento beta para o portefólio com uma rigorosa análise fundamental bottom-up e ativar a gestão de moeda (quando apropriado).

Principais diferenças face a outros produtos no mercado

Acreditamos que existem quatro vantagens principais competitivas para o Global Bond Fund.

  • Vasta experiência, com um forte historial

Os nossos clientes beneficiam do forte historial e vasta experiência dos nossos gestores de portefólio. A MSIM tem ativamente pesquisado e investido no mercado de fixed income, especificamente em obrigações empresariais, desde 1975 e em European Fixed Income desde 1990. Começámos a gerir portefólios de crédito Investment Grade dos EUA em 1990 e portefólios European and Global Investment Grade Credit portefólios no início dos anos 2000.

  • “Right-sized”

Como gestor de tamanho médio, temos grande profundidade e amplitude de recursos para fornecer os nossos clientes com opções que vão desde as estratégias altamente personalizadas às opções de fundo padronizadas. Beneficiamos de uma estrutura coesa e colaborativa que mistura alocação de ativos top-down com research bottom-up. A estrutura é baseada em pequenas equipas de especialistas da área que representam vários setores de fixed income permitindo-nos implementar confidencialmente temas de investimento no portefólio. A Alocação de Ativos seleciona os melhores setores, as nossas equipas de research com experiência escolhem as melhores obrigações em cada setor e os nossos gestores de portefólio constroem portefólios baseados em metas de alocações ao perceber os objetivos e as limitações de cada cliente.

  • Recursos extensivos de uma empresa global

Os membros da equipa de investimento tiram proveito dos recursos da nossa empresa de serviços financeiros, oferecendo aos clientes uma poderosa estratégia de vantagem. A MSIM tem uma equipa coesa de especialistas de fixed income em Nova Iorque, Londres, Singapura e Tóquio que podem identificar oportunidades para obter retornos nos maiores mercados do mundo. Eles reúnem uma impressionante experiência de mercado, rigor intelectual e de conquistas académicas. Acima de tudo, a equipa de investimento pode aplicar este conhecimento às atividades diárias de gestão do portefólio.

A MSIM demonstra um historial competitivo dentro dos setores de fixed income e apresenta soluções ativas de gestão que refletem as oportunidades do mercado. A forte cultura de colaboração assegura que as nossas estratégias refletem totalmente as perspetivas da equipa de Global Fixed Income, permitindo que o alpha seja gerado a partir de maior leque de oportunidades de fixed income.

  • Gestão de risco intensiva

A nível da empresa, a equipa de Global Risk and Analýsis opera independentemente das funções de negócio, tais como, os gestores de portefólio, vendas e marketing. Acreditamos que a monitorização do risco independente nos proporciona uma verificação de controlo e um sistema de balanço entre a Gestão de Investimento e a Gestão de Risco. O Chefe da Gestão de Risco monitoriza a equipa de risco de investimento do GRA que consiste em divisões que cobrem o Risco de Investimento, o Research Quantitativo e Modelo de Revisão, o Risco de Contraparte e o Risco Operacional.

A nível da estratégia, integramos a gestão de risco em todas as fases da construção do portefólio para assegurar: 1) a alocação do risco do orçamento dentro do espectro dos ativos de fixed income ajuda a maximizar os retornos por unidade de risco; 2) prestamos especial atenção às correlações, o que nos permite combinar riscos para assegurar que nenhum risco domina; 3) equilibrar risco de taxas de juro com risco de spread.

Objetivo do investimento

O fundo procura superar o Bloomberg Barclays Global Aggregate Index em 75-150 bps por ano brutos, durante um ciclo de mercado completo de três a cinco anos.

Além disso, não gerimos o fundo com metas de risco e, como tal, não temos objetivo de volatilidade, antecipamos superar a meta de desempenho enquanto geramos um tracking error potencial de 150 pontos base por ano.

Limitações do investimento

- Qualidade dos emitentes

O portefólio vai, em primeiro lugar, investir em títulos de alta qualidade, definidos como títulos investment grade com rating de crédito BBB, Baa3 ou mais elevado. Para os clientes que desejem seguir estratégias oportunistas, vamos numa base complementar investir em títulos que na altura da compra estão cotados a baixo do BBB- ou do Baa3. Normalmente, não investimos em títulos não cotados.

- Geográficas

Não há limitações rígidas de países.

- Setoriais

O portefólio pode não investir mais de 25% numa indústria.

Duração

+/- 1,0 ano face ao benchmark.

A média ponderada de duração modificada da estratégia varia entre 4,0 e 7,0 anos.

Benchmark e tracking error

Benchmark: Normalmente usamos o Bloomber Barclays Global Aggregate Index como o benchmark para portefólios de Estratégia, apesar de gerirmos confortavelmente portefólios de qualquer bem diversificado Global Aggregate Bond Index.

Acreditamos que os investidores ficam melhor servidos com um index agregado de obrigações, incluindo todas as obrigações globais investment grade, do que com um index apenas para o governo. Índices agregados têm apresentado retornos elevados a médio e longo prazo em relação a índices de obrigações de governos numa base ajustada ao risco. Além disso, ao incluir os setores não governamentais no índice, aumento a escopo da gestão para adicionar valor ao subvalorizá-las quando eram caras.

O benchmark para o MS INVF Global Bond Fund é uma mistura do JPM Global Traded Unhedged Index de 31 de março de 2004, o Citi WGBI Index de 31 de janeiro de 2010 e do Barclays Capital Global Aggregate Bond Index depois disso.

O índice global agregado foi introduzido em 2000. Monitorizámos o desenvolvimento do mercado durante 10 anos. Na altura, a maioria dos nossos clientes/ativos seguiu este index. Assim, fez sentido mudar o benchmark do fundo para este index mais popular.

Tracking error:

Como acima mencionado, não gerimos o fundo com metas de risco e não temos objetivos de volatilidade. Antecipamos superar a meta de desempenho enquanto geramos um potencial tracking error de menos de 150 pontos base por ano.

Número de participações e turnover

À data de 30 de abril de 2018, o número de participações e turnover era 348 e 52,22% respetivamente.

Política de risco

A equipa de investimento é, em última instância, responsável pela gestão de risco e diretriz de compliance nos seus portefólios. A gestão de risco é levada a cabo nos níveis de portefólio individual “security” e “aggregate”, tal como a nível da empresa.

Gestão de risco – nível do produto

Acreditamos que os riscos devem ser equilibrados face a potenciais recompensas, tendo em consideração não apenas os riscos individuais de cada investimento como também como esses riscos interagem com outros investimentos no portefólio. Todas as medidas de risco são comparadas com o benchmark e temos como alvo o risco relativo já que os nossos investidores esperam que estejamos dedicados a 100%. A gestão de risco é uma parte integral da construção do portefólio e das atividades de gestão diárias.

Utilizamos o sistema Aladdin (BlackRock Solutions) que, entre outros, gerem o risco do portefólio, constroem trades, executam decisões de investimento e monitorizam a compliance com as diretrizes de investimento. Todos os trades para fixed income e portefólio de liquidez passam pelo Aladdin. As equipas de investimentos utilizam os relatórios de risco diários e processos que são gerados no Aladdin (Green Package, Portfolio Construction, PRISM and GP Live tools). O Aladdin é a principal ferramenta analítica que as equipas utilizam para monitorizar e gerir os seus portefólios e adicionalmente usam o Aladdin para fazer trade de todos os instrumentos destes portefólios. Os controlos de risco são incorporados no processo do portefólio para assegurar que estamos a construir o portefólio de uma forma que é consistente com a nossa perspetiva de investimento para cada país, título e direção de mercado global. A equipa de investimento tem reuniões diárias para discutir as mudanças no ambiente global e o seu impacto nas métricas do risco do portefólio.

Identificámos as seguintes medidas de risco para a monitorização do risco do portefólio:

- Exposição do peso do mercado: Uma percentagem do portefólio do peso do mercado num título particular e/ou país é comparado com o benchmark específico do cliente. Se um país não faz parte do benchmark específico sob condições normais, a posição máxima nesse país seria geralmente 5% do peso do mercado. Normalmente, para países que estão no benchmark, a nossa derivação máxima do index é geralmente +/-10 do peso do mercado.

- Duração da taxa de juro: A duração das taxas de juro mede a sensibilidade do portefólio para movimentos no ambiente das taxas de juro do dólar americano. Os títulos e a contribuição de cada país para a duração geral das taxas de juro são individualmente calculados. Também desagrupamos as principais durações das taxas. A principais durações de taxa medem a sensibilidade do preço de um título ou de um portefólio para avaliar mudanças em partes diferentes da curva de yield.

- Duração do spread: A duração do spread mede a sensibilidade do preço de uma ação face às mudanças nos spreads de crédito e fatores técnicos que conduzem as características da oferta e da procura do mercado. Os títulos e a contribuição de cada país para a duração geral das taxas de juro são individualmente calculados.

- Beta: Calculamos a contribuição de cada título para o portefólio beta para analisar a volatilidade de um portefólio em relação ao benchmark selecionado e a contribuição de cada país e setor para o portefólio beta geral.

- Testes de stress e cenário de análise: Os testes de stress quantificam antecipadamente as perdas para um portefólio sob diferentes cenários “outlier”. Os cenários testados incluem cenários predefinidos e períodos de correlações high inter- e intra-country. Os resultados dos testes de stress podem ser calculados para portefólios e benchmarks. Há quatro tipos de cenários de testes no nosso motor de risco – cenários baseados em intervalos de datas, cenários padrão, assim como, testes de stress que usam choques implícitos ou específicos.

- Tracking error: Procuramos gerir a volatilidade dos nossos retornos ao monitorizar o tracking error relativo ao benchmark selecionado numa base prospetiva. Esta análise foi projetada para ajudar-nos a eliminar a exposição a riscos de mercados não desejados e para concentrar o portefólio nos riscos que compensam suportar. O tracking error prospetivo junta o impacto de todas as métricas de risco e é uma estimativa da futura derivação padrão anual esperada da performance diferencial entre o portefólio e o benchmark. São afetadas não só as diferenças na magnitude do risco entre o portefólio e o benchmark como também a correlação entre fatores de risco. Consequentemente, também quantifica o impacto da diversificação entre vários riscos.

- Value-at-Risk: A nossa plataforma de risco fornece duas métricas VaR: Value-at-Risk (AVaR) que modela a capacidade ao utilizar uma metodologia de variação/covariação baseada na sensibilidade linear de um portefólio para um amplo conjunto de fatores de risco do mercado sistemáticos e fatores de risco idiossincráticos e VaR Histórico (HVaR) de forma a contabilizar fatores de risco não distribuídos normalmente e convexidade. De forma a calcular o P&L hipotético de um portefólio, o perfil de exposição de cada título é determinado separadamente e depois agregado à exposição do portefólio utilizando o seu peso de mercado nocional. Além disso, a BlackRock Solutions oferece várias decomposições de Analytical VaR para ajudar a isolar a contribuição dos fatores de risco individuais e de títulos para o risco geral do portefólio. A contribuição para o risco identifica a mudança no Analytical VaR dada uma pequena mudança na percentagem de um ou mais fatores de risco ou exposições de títulos, enquanto o risco Standalone isola o Analytical VaR de um ou mais fatores de risco ou exposições de títulos se todas as fontes de risco forem cobertas.

Gestão de risco – nível da empresa

Há três outras áreas da empresa que partilham a responsabilidade de assegurar compliance com as diretrizes do cliente: o departamento de Trading, o departamento de Compliance e equipa de Global Risk e Analysis.

O departamento de Trading é responsável pela execução de todas as ordens de trading dirigidas pela equipa de gestão do portefólio.  O negócio centralizado segrega a função de trading do processo de decisão e permite os gestores de portefólio se foquem em gerir o portefólio. Esta separação de tarefas tem como objetivo manter a eficiência, assim como, prevenir o uso inapropriado de autoridade pelos gestores de portefólio. Além disso, ao dedicarem-se exclusivamente ao trading, os nossos traders podem focar em atingir a melhor execução.

É imperativo, dada a abordagem, que tenhamos um sistema em vigor que nos dá um método para monitorizar compliance com as diretrizes, assim como garantir uma aderência adequada às diretrizes éticas já que pertencem às atividades de trading. Em resposta a empresa usa o Aladdin para manter todo o processo de compliance que pode ser programado no sistema. Tanto a compliance pre-trade como pós-trade é executada no sistema utilizando diretrizes de dados, 40 regras de ação e outras verificações de compliance com dados para gerir os portefólios. A BlackRock Solutions programa todos os dados de compliance e verifica no sistema portefólio de fixed income. O sistema impede trades não elegíveis de acontecer e aloca trades de acordo com um conjunto fixo de regras que fonece objetividade entre os clientes.

O departamento de Compliance monitoriza a compliance com diretrizes de investimento diariamente. Diariamente, o departamento de Compliance também requer que a equipa de investimento certifique a sua complianced continuada com as diretrizes do investimento trimestralmente. Caso as diretrizes do mandato sejam violadas, o MSIM tem procedimentos de compliance em vigor para retificar a situação.

A nível da empresa, o MSIM adotou políticas e procedimentos que são designados para assegurar a compliance com os requerimentos regulatórios que governam o nosso negócio e com as diretrizes do investimento e restrições. O departamento de Compliance faz cumprir estas políticas e procedimentos e procura assegurar que os interesses dos nossos clientes são a prioridade da empresa.

Finalmente, a equipa de Global Risk e Analysis faz relatórios detalhados para cada programa de investimento mensalmente, concentrando-se no tracking error, R-squared, beta, information ratio e exposições absolutas e relativas face ao benchmark. A equipa usa um lesque de “vendor-based” e sistemas proprietários para conduzir esta análise. Os relatórios para cada estratégia de investimento estão disponíveis para os gestores de portefólio, para os especialistas de produto, para gestão divisional e para o comité de risco da empresa.

Política de liquidez

O risco de liquidez premium forma uma parte crucial da oportunidade definida para gerar excesso de retorno enquanto o acesso à liquidez do mercado é chave para gerar o risco e executar a estratégia de valor adicionado.

Para aceder ao Market Liquidity, o MSIM foca-se na execution desk e na equipa gestão de portefólio para ativamente trabalhar com as contrapartes de mercado (muitas vezes referidas como “sellside”) para construir relações com os donos de capital (o trader que gere o risco), o vendedor a syndicate desk (que faz a alocação de novas amissões) para assegurar que as melhores ideias de investimento são eficientemente implementadas com os custos friccionais minimizados.

Monitorizar o risco de liquidez num portefólio é, em primeiro lugar, responsabilidade do gestor de portefólio. Além disso, a equipa de risco independente revê portefólios mensalmente com a liquidez a ser um fator a considerar.

A parte menos líquida do mercado de crédito é vista como uma oportunidade que oferece uma yield mais elevada para determinado risco ou incumprimento. O negócio de crédito do MSIM é adequado ao tamanho para ter a capacidade de executar trocas neste setor do mercado permitindo-lhe ser um alicerce na estratégia ideal de investimento do portefólio. Tamanho das posições são determinados com referência ao nível de liquidez, assim como de outros fatores incluindo a diversificação e os objetivos dos clientes.

Cobertura cambial

A gestão de moeda é uma parte importante do nosso processo de investimento de fixed income.

A exposição é distinta da exposição de países. Revimos uma variedade de indicadores para avaliar moedas, tais como, o nível de taxas de juro nominais (para medir a yield) e taxas de câmbio reais (as taxas de câmbio ajustadas ao preço ou salário de um país, para medir a verdadeira competitividade). Gerimos ativamente a exposição de moeda e podemos escolher possuir uma obrigação não coberta, cobrir a exposição da moeda inteiramente ou parcialmente ou comprar ou vender o total da moeda. Levamos a exposição às moedas se acreditarmos que uma oportunidade valiosa existe na área. As moedas são favorecidas quando oferecem yields relativamente altas, estão a níveis que dão a um país uma vantagem competitiva substancial e exibem tendências de consolidação. Cobrimos moedas sobrevalorizas e evitamos moedas cujo suporte fundamental é inadequado ou enfraquecido.

Para o fundo, não temos um limite restrito para a exposição de moeda relativa ao benchmark. Porém, as posições variam normalmente entre 0-10% acima do peso/abaixo do peso para moedas individuais do benchmark relativas umas às outras (US$, €, ¥). Maiores exposições são permitidas para posições de baixa volatilidade.

Uso de derivados

Habitualmente, utilizamos derivados tanto para fins de cobertura como para exposição de investimento. Contudo, nunca os utilizamos para fins especulativos.

Usualmente, o Global Bond Fund usa os seguintes instrumentos:

  • Futuros de taxas de juro

Os futuros podem ser utilizados para cobrir ou gerir taxas de juro e risco da curva de yield; alguns tipos de futuros também permitem a gestão do risco de spread yield. Desta forma, podemos posicionar o seu portefólio de maneira a suportar apenas os riscos mais desejáveis enquanto minimizar ou exposição contrária aos riscos não atrativos e não desejados. Dada a diretriz de duração de +/- quatro anos relativos ao benchmark, podíamos usar futuros de taxas de juro para gerir a duração e o risco da curva de yield tanto nível de obrigação individual e a nível geral do portefólio. Se for permitido, podemos também usar trocas de taxas de juro para gerir estas exposições. Enquanto não é requerido que utilizemos estes instrumentos, futures tornam possível executar decisões de investimento mais rápido e mais eficientemente do que só no mercado à vista.

  • Currency Forwards

Já que vamos comprar obrigações sob o seu mandato que estão denominadas em várias moedas, vamos usar “forwards” de moedas para cobrir o risco de moeda. O tenor dos “forwards” utilizados são normalmente de um mês ou menos. Notamos que as diretrizes de investimento para o portefólio permitem a exposição a ações não em dólares num base coberta ou não coberta e vamos usar os forwards de moeda ao nosso critério.

  • Credit default swaps

Somos gestores de portefólio ativos e podemos tomar posições “longas” ou “curtas” através de derivados de crédito se estão dentro do escopo de um trabalho. Há várias razões para usarmos credit default swaps se permitidas.

  • Alpha generation

Podemos vender nomes “curtos” que acreditamos estarem sobrevalorizados pelo mercado. Isto permite-nos beneficiar do padrão de pay-out assimétrico oferecido ao investir em crédito. Especificamente, retornos das obrigações emitidas por empresas em crescimento estão limitados porque a obrigação vai no melhor dos casos amadurecer e repagar o principal original e talvez fornecer um aumento normal limitado de preços. Porém, os retornos disponíveis por o risco de crédito das empresas por serem “curtos”, o crédito de risco das empresas que têm baixos desempenhos é bastante maior.

  • Gestão de beta

Contratos de derivados de crédito baseados em índices de crédito tais como “Itraxx Main” e “Itraxx Cross-Over” estão entre os instrumentos mais líquidos nos mercados de crédito, normalmente o trade é feito com custos de transação muito baixos. Estes instrumentos permitem-nos compensar o risco do mercado (beta) enquanto deixar a porta aberta para uma geração forte de alpha através da seleção de ações. Por exemplo, aplicar rigorosas análises bottom-up para adquirir obrigações sobrevalorizações pode ser uma estratégia de sucesso até quando as valuations gerais de mercado aparecem sobrevalorizadas.

  • Gestão de liquidez

De forma a investir totalmente nos mercados, mas manter um nível apropriado de dinheiro (por exemplo, gerir fluxos e poder comprar obrigações numa nova emissão), podemos vender proteção (normalmente nos índices dada a sua liquidez).

  • Valor relativo

Quando a base do CDS é positiva (por exemplo, spread de CDS) podemos vender CDS em vez de comprar obrigações de dinheiro. Num ambiente de base negativa, podemos comprar obrigações e cobrir o risco de crédito ao comprar CDS e deste modo criar um ativo de baixo risco com yield maior do que LIBOR.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido