Tags: Obrigações | Ações |

Montepio Multi Gestão Prudente: o melhor multiativo defensivo do ano passado


No mercado nacional de fundos mobiliários de entidades associadas da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios – APFIPP – é possível encontrar uma dúzia de fundos multiativos defensivos. Para se enquadrarem neste segmento, a Associação considera todos os fundos que “investem ou podem investir em mais do que uma classe de activos, nomeadamente em acções e obrigações”, com a sua componente accionista a “não ultrapassar 35% da carteira, permitindo-se que seja igual a 0 em determinados momentos”.

Entre os doze produtos, aquele que melhor resultado apresentou ao longo de 2016 é o Montepio Multi Gestão Prudente que faz parte do espólio da Montepio Gestão de Activos. De acordo com a Associação, o fundo registou uma rendibilidade ao longo do ano passado de 2,11%, sendo o único produto do segmento que superou a barreira dos 2%. Segundo os últimos dados disponiveis, o maior ativo em carteira era o fundo Montepio Tesouraria, sendo seguido de dois fundos geridos por casas internacionais de investimento: o BNY Mellon Global Bond, da BNY Mellon Investment Management e ainda o Fidelity Euro Bond, da Fidelity International.

Logo depois, com ganhos de 1,47% vem o Santander Private Defensivo, da Santander Asset Management. Este produto, no final de dezembro, tinha um património superior a 107 milhões de euros, com cerca de 70% do total líquido da carteira a estar aplicado em ativos da classe de obrigações. No que diz respeito aos maiores investimentos em carteira, encontramos fundos geridos por casas internacionais como é o caso do Pioneer Euro Corporate Bond da Pioneer Investments ou ainda o M&G European Corporate Bond Euro da M&G Investments.

Com uma valorização ao longo de 2016 de 1,4% surge um fundo gerido pela Caixagest: o Caixagest Seleção Global Defensivo. Este fundo, com mais de 90 milhões de euros em ativos sob gestão, tinha como principais ativos em carteira fundos geridos por gestoras sediadas fora de Portugal, como é o caso do fundo AXA WF Euro Credit Short Dur da AXA Investment Managers ou ainda o Natixis Souverains Euro I da Natixis.

Os fundos multiativos defensivos em 2016

multiativos_defensivos_2016

Fonte: APFIPP no final de 2016

Empresas