Mês de agosto condicionou as subscrições líquidas da indústria de FIM


O mês estival por excelência teve fim e, depois, de terminado, a APFIPP reporta agora que os ativos sob gestão totais geridos pelas entidades associadas da Associação terminaram o mês numa rota decrescente. Agosto terminou com o mercado de fundos mobiliários a tocar nos 11.844 milhões de euros, o que, nas palavras da Associação, representa um decréscimo de 1,1% face ao mês de julho. Quando a retrospetiva é feita face ao início de 2018, a Associação reporta um cenário semelhante: uma descida de 3,6% nos montantes geridos. Nos últimos 12 meses, por sua vez, verifica-se um aumento nos ativos sob gestão de 1,2%.

Liquidação do Popular Euro Obrigações 

Não tão boas foram inevitavelmente as notícias no que toca aos fluxos de dinheiro nos fundos mobiliários nacionais. A Associação revela que o mês em causa trouxe subscrições de 179,7 milhões de euros, valor inferior ao de resgates, que se fixou nos 275,1 milhões de euros. Consequência da liquidação do fundo Popular Euro Obrigações, o fluxo total no mês agravou-se ainda mais: por via desta liquidação saíram 1,7 milhões de euros, tendo-se cifrado o fluxo de saídas total em 276,8 milhões de euros. Contas feitas, o saldo entre entradas e saídas no mês foi negativo em 97,1 milhões de euros. Desde o início do ano, por sua vez, o saldo acumulado de subscrições menos resgates é também negativo, no valor de 391,9 milhões de euros.

Por via da liquidação do fundo já referido, o número de fundos do universo nacional reduziu-se para 150, ou seja, menos um do que no final de julho de 2018.

Captura_de_ecra__2018-09-17__a_s_16

Fonte: APFIPP, agosto 2018

Notícias relacionadas

O Mais Lido