Tags: Gestores | Negócio |

Fundos especiais de investimento imobiliário crescem 5,6% no mês de junho


Junho foi um mês positivo no mercado de investimento imobiliário. Segundo o relatório mensal divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o sexto mês do ano registou um aumento do valor sob gestão do conjunto dos fundos de investimento imobiliários – fundos de investimento imobiliário (FII), fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI), fixando-se nos 10,7 mil milhões de euros. Tal valor correspondeu a uma subida de 1,02% face ao mês de maio. Esta subida deveu-se a um crescimento acentuado no valor sob gestão dos fundos especiais de investimento imobiliário fechados (5,6%).

No mês em análise, foram liquidados dois fundos – um FII e um FEII, passando a contar com 126 e 100 fundos, respetivamente em cada segmento. Foram eles o Fundo de Investimento Imobiliário Fechado GEF 3, gerido pela GEF e o “Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado em Reabilitação Urbana - First Oporto Urban Regeneration Fund, gerido pela Fundbox”.

O montante investido nos fundos de investimento imobiliário (FII) recuou 0,1%, fixando-se nos 7,7 mil milhões de euros, aumentando, contrariamente, nos FEII e nos FUNGEPI, 4,6% para 2,5 mil milhões de euros e 0,1% para 505,5 milhões de euros, respetivamente.

111

Investimento por tipo de ativos

Relativamente à finalidade dos imóveis, 46,6% do total da carteira dos FII e FEII abertos foram aplicados em imóveis do setor dos serviços e 20,5% do setor do comércio. Já os FUNGEPI abertos foram investidos maioritariamente no setor do comércio, com 41,9% da carteira. Nos fundos fechados, destaque para a categoria que mais cresceu, as participações em sociedades imobiliárias, com uma variação mensal de 35,7%.

333

Quotas de mercado

A Interfundos, a GNB e a Fundger  são as entidades que contam com um maior número de fundos no mês de junho. Por sua vez, a Interfundos, a Norfim e a Fundger são as gestoras cujas quotas de mercado são mais elevadas, com 14,0%, 12,6% e 9,5%, respetivamente.

Empresas

Notícias relacionadas

Anterior 1 2 Siguiente

O Mais Lido

Próximos eventos