Tags: Movimentos |

Mariano Belinky, o novo CEO da Santander AM


A Santander AM conta com um novo CEO. Mariano Belinky substitui Juan Manuel San Román, que deixa a entidade por motivos pessoais dez meses depois de ser nomeado, em março de 2017. San Román tinha sido anteriormente responsável da Alianzas Estratégicas na gestão de ativos e seguros e CEO do Asia-Pacífico do Banco Santander, assim como diretor da SAM Investment Holdings.

O perfil do novo responsável global da gestora do grupo Santander é radicalmente diferente e demonstra a forte aposta do grupo na tecnologia com um novo cenário de desafios fintech. Mariano Belinky era, até agora, sócio e diretor do Santander InnoVentures, um fundo do grupo Santander com sede em Londres e que investe em empresas fintech. O fundo foi lançado em julho de 2014 com ativos de 100 milhões de dólares. Na atualidade, conta com 200 milhões de dólares em ativos, depois de uma nova injeção de capital de 100 milhões realizada em julho de 2016. Belinky foi incluído na lista dos 40 diretores mais relevantes do mundo fintech elaborada pela publicação Business Insider.

Belinky integrou a empresa em 2014, depois de ter estado na McKinsey & Co., onde foi diretor associado em banca corporativa e de investimento e gestão global de riscos. A partir do escritório da consultora em Nova Iorque, passou seis anos a assessorar bancos mundiais, gestoras de ativos e empresas de capital privado da América do Norte, Europa e América Latina sobre diferentes temas estratégicos. Antes de se juntar à McKinsey, Belinky esteve três anos na empresa Bridgewater Associates e foi também broker de ações e derivados para uma empresa financeira argentina.

O seu perfil combina experiência no mundo do investimento, da tecnologia e consultoria. É licenciado em Ciências da Computação e Filosofia pela Universidade de Nova Iorque e realizou estudos de doutoramento em Inteligência Artificial na Universidade Politécnica da Catalunha, centrando-se nas redes complexas e em padrões de sindicação em redes de capital de risco nos Estados Unidos.

Empresas

Notícias relacionadas