Mapa térmico do custo de cobertura


O custo de cobertura está a começar a deixar de ser um problema para muitos investidores europeus que desejam investir em ativos em dólares, mas que se querem proteger contra as flutuações do dólar. Com uma Reserva Federal que no seu guião contemplava elevar as taxas e uma zona do euro que continuava a baixá-las, no início de 2018 chegou a 3,5%, forçando muitos a reduzir a sua alocação ao mercado americano devido a este problema. Mas agora a política monetária de ambos os lados do Atlântico é mais uma vez muito mais controlada e a resposta rápida e extensa da Fed para reduzir o impacto da crise do COVID-19 nos mercados resultou numa redução acentuada no custo de cobertura de dólar para euro. Hoje é de cerca de 0,8%.

Dependendo do tipo de ativo, o preço do hedge pode ou não ser garantido. Tudo depende das expectativas de rentabilidade. Se um investidor europeu espera um retorno de 10% em ações americanas, um custo de 0,8% para proteção pode ser perfeitamente aceitável, mas no fixed income americano pode tirar todo o apelo do ativo. O rendimento do título do Tesouro dos EUA a 10 anos está atualmente em 0,6%. Se subtrairmos os 0,8% para um investidor europeu do custo de cobertura hedge, o resultado será negativo. Mas aqui também tudo depende das expectativas dos investidores em relação à dívida pública americana.

Neste artigo, queríamos fazer um mapa de termos do custo da cobertura. Para isso, baseamo-nos num gráfico publicado pela J.P.Morgan Asset Management no seu Guia de Mercados indicando o atual custo anualizado de cobertura com base na taxa de câmbio de três meses para as quatro principais moedas mundiais: dólares, euros, ienes e libras esterlinas. Uma das principais conclusões é que os investidores europeus têm que pagar para cobrir sua exposição, não apenas ao dólar, mas também ao iene (-0,5%) e à libra (-0,2%). O mesmo não acontece com os investidores americanos, onde a cobertura para proteção contra a taxa de câmbio do iene, do euro e da libra resulta num rendimento.

hedge

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido