Maior apetência de investidores por acções “será determinante” para aumentar activos sob gestão


Ao fim de dois anos cotado na bolsa portuguesa, o ESAF NYSE Euronext  Iberian ETF cumpriu metas e tem outras por atingir, devido à situação em Portugal e Espanha e à aversão ao risco que tomou conta dos mercados. Mas a evolução das condições actuais deverá ajudar a puxar por este ‘exchange traded fund’ (ETF).

“Uma melhoria na apetência dos investidores pelo mercado de acções será determinante para que o fundo aumente os seus activos sob gestão de forma significativa”, afirma Pedro Arbués, à Funds People Portugal.

O objectivo, aquando do anúncio de lançamento deste produto, era conseguir, em dois anos, ter sob gestão 100 milhões de euros; ontem, de acordo com a ficha do fundo disponível no site da ESAF, o valor gerido situava-se em 24,51 milhões de euros. O director de investimentos em acções e ‘investor relations’ do ESAF – ETF SICAV refere que, num produto como este,  “é necessário chegar a investidores institucionais fora de Portugal” e que, o “ambiente adverso que se tem vivido em Portugal e Espanha,  [os] afastou por completo” do mercado ibérico. A este facto acresce que “os investidores de retalho têm estado pouco presentes”, acrescenta.

Apesar dos valores sob gestão estarem “aquém do esperado”, a evolução da rendibilidade tem correspondido à expectativa. “Para um produto deste género ter sucesso tem, acima de tudo, que cumprir o seu objectivo de retorno – acompanhar na perfeição o índice subjacente -, e isso foi inteiramente conseguido”, afirma Pedro Arbués.

Questionado sobre se seria necessário uma diferente estratégia ou maior promoção, refere que “o problema não tem sido falta de promoção ou estratégia, independentemente de se poder fazer algo mais”.

No final de Outubro, a carteira do ESAF NYSE Euronext  Iberian ETF era composta sobretudo por títulos dos sectores financeiro (27,37%) e ‘utilities’ (21,12%), pertencendo as três maiores posições – na casa dos 10% - a Iberdrola, Inditex e Banco Bilbao Vizcaya, de acordo com a ficha do fundo.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido