Maio foi um mês sorridente de subscrições para os fundos de obrigações


Depois de analisarmos como se comportou o mercado dos fundos de investimento no mês de maio – onde concluímos que foi um mês bastante positivo, fizemos também uma análise às captações dos fundos de investimento em ações, que viram os seus fluxos líquidos diminuírem face a abril.

Está agora na altura de realizarmos uma análise detalhada ao comportamento dos fundos de investimento em obrigações, relativamente ao valor angariado em captações líquidas no mês de maio. Tendo por base o Relatório Mensal da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP), fizemos os cálculos e no mês em análise o valor total registado em captações líquidas positivas dos fundos de obrigações foi de quase 253 milhões de euros, o que correspondeu a um aumento bastante significativo face ao mês anterior (cerca de 9 milhões).

Vejamos quais foram os que mais se destacaram, elaborando um ranking com os 7 melhores fundos desta categoria – que angariaram fluxos na casa dos milhões de euros.

Comecemos pelo fundo gerido pela CaixagestCaixagest Obrigações Mais, que no mês passado também liderou a tabela. Com um património de 60,52 milhões de euros, o fundo aberto de Obrigações de Taxa Indexada Euro conseguiu um total de cerca de 24,5 milhões de euros em entradas líquidas, no mês de maio.

Com uma diferença de cerca de 4 milhões de euros, está o fundo CA Rendimento, da Crédito Agrícola Gest. No mês em questão, o fundo registou cerca de 20 milhões de euros em subscrições, quase o dobro do registado em abril. Segundo o comentário do gestor, “a decisão do BCE em estender o seu programa de compra de ativos até dezembro de 2017, constitui um cenário benévolo para o mercado de taxa e crédito, a estratégia de investimento de preservação do capital investido e de minimização das fontes de risco do Fundo irá permanecer válida até ao final de 2017”.

Seguidamente, o fundo BPI Obrigações Mundiais, da responsabilidade da BPI Gestão de Activos, obteve quase 13 milhões de euros em subscrições. Segundo a ficha de produto disponibilizada pela gestora, “o BPI Obrigações Mundiais teve um mês positivo, mostrando mais uma vez o poder da diversificação. Apesar da exposição ao dólar americano, que desvalorizou cerca de 3% no mês de maio e alguma volatilidade devido a movimentos nas taxas de juro, a componente de crédito teve um bom desempenho, o que ajudou a ancorar o fundo e a somar um desempenho sólido no mês”.

Passamos agora aos fundos com subscrições inferiores a 10 milhões de euros. A Santander Asset Management também marcou presença nos primeiros lugares da tabela, com o fundo Santander Multicrédito a registar quase 8,5 milhões de euros em entradas líquidas. Atrás, o fundo BPI Euro Taxa Fixa, da BPI Gestão de Activos, registou um valor de cerca de 6,6 milhões de euros de fluxos que entraram, valor esse que teve uma ótima recuperação face ao mês de abril, onde se encontrava com valores negativos.

Os últimos dois lugares deste top vão para o fundo Caixagest Obrigações, gerido pela Caixagest, com quase 2,5 milhões de euros em subscrições e para o fundo IMGA Iberia Fixed Income, da responsabilidade da IM Gestão de Ativos, com cerca de um milhão de euros.

ukyjhtefwdjthref

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido