Tags: Negócio |

Luxemburgo continua a ser o principal destino de investimento dos FIM portugueses


No final do mês de fevereiro, os 170 fundos mobiliários nacionais geriam um património superior a 11.338 milhões de euros, um montante sob gestão que surge da soma do valor dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM) (com 9.537,5 milhões de euros) e ainda dos fundos de investimento alternativo com (1.803,1 milhões de euros), segundo revela a CMVM no seu relatório mensal.

Na mesma publicação, é possível ver quais são os mercados mobiliários cotados que estes produtos prefererem. "O Luxemburgo continuou a ser o principal destino de investimento dos FIM em fevereiro, ao absorver 19,2% do total das aplicações dos fundos, seguido do Reino Unido (12,4%), de Portugal (10,8%) e da Alemanha (10,2%)", conforme revela o regulador português. Em termos monetários, o investimento dos fundos nacionais em valores mobiliários cotados ascendia, no final de fevereiro, a mais de 4.885 milhões de euros, um valor que cresceu cerca de 2% face ao final de janeiro. No Luxemburgo o montante ascendia a mais de 935 milhões, enquanto que no Reino Unido o valor atingia mais de 606 milhões de euros. Já no mercado português, o valor aplicado tocava os 525 milhões de euros. A tabela seguinte mostra o cinco mercados que dominam esta lista.

País Valor (em milhões de euros)
Luxemburgo 935,8
Reino Unido 606,4
Portugal 525,7
Alemanha 498,7
EUA 458,9

Fonte: CMVM no final de fevereiro

Três segmentos, com três líderes diferentes

Apesar do Luxemburgo ser o país preferido, o Grão-Ducado apenas lidera no segmento das Obrigações. Nesta classe de ativos, o investimento no Luxemburgo ascende a mais de 868 milhões, representando quase 93% do total aplicado neste país da Europa central. Já para as ações, o país em destaque é os Estados Unidos da América com um montante que ascende a mais de 367 milhões de euros; enquanto que na dívida pública a Itália destaca-se, com o montante aplicado pelos FIM nacionais a ascender a 269 milhões de euros.

Notícias relacionadas

O Mais Lido