Tags: Negócio |

Lionel Aeschlimann, CEO da Mirabaud AM: “Parece-nos incompatível ser investidores responsáveis e comprar índices”


À medida que o mês avança, as apresentações das gestoras para clientes (e jornalistas) crescem. As entidades analisam o que aconteceu no ano que está prestes a terminar e, acima de tudo, o que esperar para o próximo ano, do ponto de vista macroeconómico, no que diz respeito à evolução dos mercados e, sobretudo, como é que esse contexto pode afetar um sector como a gestão de ativos, que vive em constante processo de transformação.

Uma dessas gestoras foi a suíça Mirabaud AM. O seu CEO, Lionel Aeschlimann, que também é membro do Comité Executivo do Grupo Mirabaud, falou sobre três das principais tendências do setor: a ascensão da gestão passiva, o investimento socialmente responsável e a necessidade do setor em oferecer soluções alternativas à crescente dificuldade que os mercados tradicionais têm em oferecer retornos atraentes.

Sobre a primeira questão, o profissional mostrou-se contundente ao afirmar que a Mirabaud não considera entrar no negócio da gestão passiva, como fizeram nos últimos anos outros gestores considerados puramente ativos. “A concorrência é feroz e com retornos tão baixos que muitos investidores passaram a concentrar-se apenas no custo. Não queremos ser uma fábrica de produtos ou um supermercado, queremos focar-nos em cinco ou seis competências: ações globais, ações emergentes, ações europeias e em obrigações. Temos uma equipa especializada em gestão flexível e retorno absoluto”, afirma. E, de fato, mostra-se confiante de que o boom da gestão passiva perderá força nos próximos anos devido a um contexto de mercado que deixará de ser tão otimista quanto no passado.

Além disso, o CEO da Mirabaud AM duvida que este tipo de gestão possa beneficiar de uma das grandes megatendências das indústrias, como a implementação de investimentos socialmente responsáveis. “Parece incompatível ser responsável e comprar índices, não gostamos de gestão passiva. Para quê comprar um cabaz com tudo, se podemos selecionar o que queremos ter?”, questiona, defendendo a crescente necessidade do setor financeiro de contribuir para a inclusão social. “Antes de investir, a última pergunta que deve fazer é o que pode sair mal atendendo não apenas dos critérios financeiros, mas também não financeiros. Ambos os riscos devem ser integrados na gestão, pois têm um impacto no preço. Por isso, queremos sempre que os gestores integrem este tipo de análise financeira extra na construção dos seus portefólios”, refere.

Há também outra tendência na indústria que a gestora suíça está a adotar para um futuro no qual obter retornos positivos no mercado será cada vez mais complicado, pois a política de taxas 0% está a estender-se. Essa tendência é oferecer ativos alternativos aos seus investidores. De fato, há um ano e meio, lançaram um fundo de capital de risco privado que investe em empresas familiares e estão a preparar outros dois veículos similares para tentar aproveitar o potencial que os mercados privados oferecem agora e alcançar a estabilidade dos investidores a longo prazo.

Não haverá recessão ... pelo menos não em 2020

Quanto à forma como a empresa suíça vê o mercado para 2020, a primeira conclusão é que será positivo, pois não consideram que ocorra uma recessão, pelo menos não em 2020. “Estamos otimistas em relação ao PIB, pois haverá menos incerteza sobre a guerra comercial, o Brexit e o impacto positivo da política monetária”, afirma Gero Jung, economista-chefe na Mirabaud AM. E é por isso que, num contexto em que acreditam que o ciclo não acabou, optam por recomendar investimentos em ações globais e emergentes e em obrigações corporativas, bem como em emergentes.

Empresas

Notícias relacionadas

O Mais Lido