Tags: Gestores | ETF | ISR | Europa | EUA |

Líderes em ETF com critérios ESG


O investimento ESG na Europa através de fundos cotados está a ganhar força. Os ETF estão a registar um forte crescimento patrimonial, também no universo do investimento socialmente responsável, o que deixou a descoberto uma nova oportunidade de negócio para os fornecedores de ETF. Assim o comprova um relatório publicado pela Morningstar intitulado Passive Sustainable Funds: The Global Landscape, no qual é possível saber que gestoras estão a conseguir situar-se como empresas de referência neste âmbito e que fundos cotados socialmente responsáveis são atualmente os mais procurados por parte dos investidores europeus.

A UBS ETF é a entidade que lidera o ranking, tanto pelo número de produtos que comercializa (13) como pelo volume de ativos, a nível europeu (2.722 milhões de euros). A empresa suíça conseguiu com os seus produtos, captar a atenção do investidor e tornar-se na empresa de referência, a nível europeu. Quatro dos dez ETF com critérios socialmente responsáveis são seus, sendo o UBS ETF MSCI USA SRI o que mais património tem.

fefbad5d84a645bb28057db2b064c886-754x394

No que diz respeito a isto, como dado relevante, destaca que os quatro ETF são produtos 5 estrelas no Rating de Sustentabilidade da Morningstar, rating que permite aos investidores avaliar, em que medida, um fundo ISR está a cumprir com o seu mandato, investindo em empresas que implementam as melhores práticas de sustentabilidade. “O aspeto diferenciador dos nossos produtos é que sempre fizemos investimentos socialmente responsáveis em ETF e, por isso, não fazemos empréstimos de títulos nestas estratégias. O colateral pode ser controlado quanto à qualidade, mas não em termos de cumprimento dos critérios ESG.  Isto é algo muito pouco habitual. Os nossos produtos cumprem os critérios ESG a 100%”, afirma Clemens Reuter, responsável global de gestão passiva na UBS AM, à Funds People.

A iShares encontra-se taco a taco com a UBS ETF, tanto a nível de número de produtos que comercializa, como de ativos. Segundo dados da Morningstar, nos finais de 2017, a plataforma de ETF da BlackRock tinha quase 2.600 milhões de euros em fundos cotados ESG, divididos num total de onze estratégias. Algumas delas seguem critérios sociais, ambientais e de bom governo, enquanto outras são produtos temáticos. De facto, o que mais património apresenta é um ETF temático sobre a água, o iShares Global Water ETF, com um volume de ativos que ultrapassa os 660 milhões. Dos quatro produtos que a iShares tem entre os dez com maior património a nível europeu, apenas o iShares Global Water ETF tem quatro estrelas no rating de sustentabilidade. Os outros três contam com cinco.

O Lyxor é o terceiro fornecedor mais destacado de ETF com critérios ESG,  a nível europeu (874 milhões). No total, comercializa oito estratégias, embora a maior parte dos ativos se concentrem numa, o Lyxor World Water ETF, que gere 740 milhões, 85% do total, do que a empresa francesa tem em ESG. O volume que proporciona este produto situa-o no topo do ranking de ETF europeu com critérios ESG. O produto foi criado há mais de dez anos, mais especificamente em 2007, o mesmo ano em que o produto da iShares foi lançado. A antiguidade é um aspeto importante nestes produtos, como demonstra o facto de que, dos dez fundos cotados com critérios ESG, seis foram lançados antes de 2012 (ver ranking).

fefbad5d84a645bb28057db2b064c886-754x394

Empresas

Notícias relacionadas

Os ETF também morrem

Nos últimos 15 anos as gestoras retiraram do mercado 800 fundos cotados. Os provedores costumam dar ao produto um prazo de três anos para superar os 100 milhões. Se não o conseguirem, o mais provável é que acabem por ser liquidados.

O Mais Lido