Joaquim Meirelles (Fundbox): “Será ainda um ano resiliente ao crescimento económico”


Na minha perspetiva 2020 será  ainda um ano resiliente ao crescimento económico, com existência de alguns focos de inflamação geopolíticos que poderão contagiar negativamente os mercados: na Europa, a conclusão do Brexit e o impacto das eleições das europeias e de Boris Johnson. Em termos globais a guerra comercial EUA - China e o processo de impeachment contra Trump, com o risco e consequências da sua eventual remoção do cargo. 

Classes de ativos

Como gestor de fundos imobiliários, daria primazia ao sector residencial, em especial aos fundos que aportem inovação, responsabilidade social e rentabilidade, apostando na compra de 1.ª habitação a clientes idosos, desejosos de rentabilizar esse ativo, obtendo desta forma um rendimento extra, que os ajude a melhorar o nível de vida pessoal e familiar. Esta possibilidade de financiamento, de um mercado cada vez mais numeroso, com necessidades específicas, verificar-se-á com a constituição do fundo PHOR, já aprovado e em fase de subscrição, com a aposta em soluções de home reversion, adquirindo as casas aos proprietários, na condição de se manterem a residir nelas, até à sua morte. 

Em alternativa, é também disponibilizada a constituição de operações de Direito Real Habitacional Duradoura (DHD), solução mista de investimento com a caução inicial e de arrendamento, acrescida de “novas” responsabilidades, mas com a vantagem de ter estabilidade temporal contratual a preços de mercado. 

Riscos

No sector Imobiliário, sem dúvida que o mercado e a continuidade da procura são a nossa maior preocupação: qual o tipo, a sua origem e as suas motivações, merecem uma consideração muito especial, sabendo de antemão que existe um pipeline de projetos residenciais aprovados e não só. Existe um verdadeiro desafio na oferta, interessada em satisfazer, em valor, em número e em diversidade, tanto nos conceitos, como nos produtos e as suas localizações.

As apostas para 2020

A aposta nos fundos alternativos, visa criar uma alternativa de investimento, diversificada e com reduzida correlação com outros investimentos mais convencionais. Neste tipo de fundos, dentro da diversificada gama de investimentos, o nosso foco é a montagem de fundo alternativo de investimento em vinhos portugueses.

Apostando em estratégia patrimonial básica, mas não exclusiva, de compra en primeur, adquirindo adiantado e a desconto vinhos que serão engarrafados dentro de um ou dois anos;

Necessidade de informação

Esta área dos fundos alternativos, especialmente relacionados com vinhos, é sem dúvida uma área onde dificilmente se obtém informação nos canais nacionais, a escassa informação disponível normalmente tem na origem especialistas em vinhos e os seus mercados, mas menos familiarizados com os veículos de investimento coletivo disponíveis com estruturas altamente profissionais e transparentes operando dentro dos mais elevados padrões de governação e integridade.

Notícias relacionadas